sábado, 24 de janeiro de 2015

Guiné 63/74 - P14182: Casos: a verdade sobre... (5): Soldados metropolitanos "desaparecidos" ou torturados, depois da sua captura pelo inimigo... (José Belo, ex-alf mil inf, CCAÇ 2381, Ingoré, Buba, Aldeia Formosa, Mampatá e Empada, 1968/70)

1. Mensagem de José Belo [,ex-alf mil inf da CCAÇ 2381, Ingoré, Buba, Aldeia Formosa, Mampatá e Empada, 1968/70; cap inf ref, é jurista, vive Suécia há quase 4 décadas, e onde formou família: e, ultimamente, reparte o seu tempo com os EUA, em Kew West, Florida, aonde família tem negócios; autor do blogue Lapland Near Key West]:

Data: 20 de janeiro de 2015 às 16:18
Assunto: Prisioneiros de guerra.

Caro Luís Graça.

Tenho verificado que,  nos inúmeros postes publicados no blogue (*),  näo existem referências a sevícias exercidas pelos guerrilheiros do PAIGC sobre militares metropolitanos (e chamo a atenção para o adjetivo "metropolitanos"),  aquando de capturas efectuadas em combate, ou sobre elementos que desertaram,  entregando-se ao inimigo.

Näo terão sido muitos os casos, mas suficientes para a existência de um grupo de prisioneiros em Conacri.

Näo se poderá esquecer que, em todas as guerras, no calor e ressaca imediatas do combate, dão-se explosões, difíceis de controlar, de ódio, vingança, raiva e frustração  perante os corpos de amigos e camaradas mortos ou estropiados.

Mas sevícias "a frio" depois de os prisioneiros terem sido retirados das zonas dos combates,.  pouco ou nada à referido quanto ao PAIGC.

As normas e directivas estabelecidas pelo programa do PAIGC estavam bem explícitas nos detalhes quanto ao uso dos prisioneiros em acções de propaganda a nível internacional.

A nossa deontologia a este respeito näo seria diferente.

Muitos dos que estiveram colocados em zonas de contacto frequente com os guerrilheiros poderão referenciar casos de elementos inimigos "apanhados à mäo" que,  depois de entregues à polícia política local [PIDE]... desapareciam.

Os números de tais "desaparecimentos" não são dispiciendos,  pois as histórias contadas á volta deles säo inúmeras.

Nas situações extremas em que nos encontrávamos,  pouco tempo, vontade ou paciência haveria para aprofundar tais conjecturas. Obviamente as nossas preocupações eram dominadas por tantos outros acontecimentos envolventes e,não seria então (também!) muito "saudável" questionar a polícia política local.

Meio século passou e... muitas destas perguntas  não têm respostas documentais. Não somos de modo algum únicos nestes silêncios."Desaparecimentos" têm sido uma constante necessária (?) em todas as guerras do tipo da travada na Guiné.

 Mas a pergunta aqui levantada não se situa à volta de ontologias bélicas universais mas simplesmente sobre o número de soldados metropolitanos "desaparecidos" ou torturados, depois da sua captura pelo inimigo.

Como foi referido em comentário ao poste P14160 (*) : "Excluindo a situação aparentemente (!) atípica que levou ao bárbaro e desnecessário assassinato dos [3] Majores e [1] Alferes (no chão Manjaco), aquando do encontro onde se iria discutir a PAZ, em aparente represália-exemplo espelhando as profundas divergências político-militares internas então existentes no PAIGC".

Todos sabemos o que se passava em relação a muitos elementos das milícias, ou soldados africanos, aquando da sua captura pelo inimigo durante todo o período da guerra. Estão também bem documentados os fuzilamentos e sevícias que foram exercidas nos anos posteriores à independência sobre ex-militares que tinham servido no Exército colonial.

Mas, quanto aos soldados metropolitanos capturados... algo falta.

Um grande abraco do
José Belo.
___________

Nota do editor:

(*) Vd. poste de 18 de janeiro de 2015 > Guiné 63/74 - P14160: Casos: a verdade sobre... (4): Jaime Mota (1940-1974), combatente do PAIGC, natural da ilha de Santo Antão, Cabo Verde, morto em 7 de janeiro de 1974, em Canquelifá por forças da CCAÇ 21 - Parte IV: "Guerra é guerra, meu irmão", dizia-me em 2008 o antigo guerrilheiro Braima Cassamá que reencontrei em Guileje (José Teixeira)

Guiné 63/74 - P14181: Agenda cultural (371): Os Melech Mechaya, banda de música "klezmer festiva", hoje no CCB, às 21h00, à espera de mais "corpos dançantes"


Página de rosto do Facebook > Melech Mechaya


Lisboa > CCB (Centro Cultural de Belém) > CCBeat > Pequeno Auditório > 23 de janeiro de 2015 > Concerto da banda Melech Mechaya > Apresentação do novo disco "Gente Estranha" > Comentário da banda na página do Facebook: "Lisboa! Que noite maravilhosa! Este mar de sorrisos encheu-nos o coração!"...


1. E hoje, 24 de janeiro, há um espetáculo extra, às 21h00, porque o concerto de ontem, no pequeno Auditório (400 lugares) do CCB, esgotou...


Sessão Extra > Pequeno Auditório | Duração 1h10 | S/ intervalo ! M/6
Preços > Plateia 13,5€ | Laterais 11€


Aqui fica a informação para os amigos do João  Graça, nosso grã-tabanqueiro, e dos fãs da banda de "música klezmer festiva" Melech Mechaya [leia-se: Melek Mekaia, "rei da festa", em hebraico]... 

Como  me dizia ontem um amigo e ilustre psiquiátra,  "isto é que faz bem à saúde, física e mental... Porque o resto é tudo o  que nos faz mal, todas as outras coisas à nossa volta"... E outro amigo, arquiteto, o Zé António Paradela: "E pensar que estes putos eram uma banda de garagem há uns anos atrás!"... De fato, com o seu terceiro disco, "Gente Estranha" (2014), a banda atinge o patamar da maturidade.  O seu entrosamento, talento, criatividade, alegria, improviso, cunplicidade, capacidade de interagir com o público (a ponto de porem as cadeiras a dançar e a pular!), para além do profissionalismo e do domínio técnico, são já notáveis... 


(...)  "Melech Mechaya é uma das bandas portuguesas mais excitantes, com uma expansão notável a nível internacional: meio milhão de visualizações no YouTube, e mais de 250 actuações em dez países. A banda trabalhou com artistas premiados, como Frank London, Mísia, Amélia Muge, Pedro da Silva Martins (Deolinda), e com a companhia de teatro catalã La Fura Dels Baus. Aqui Em Baixo Tudo É Simples (2011), figurou na lista de melhores do ano da revista Blitz, foi nomeado para Melhor Disco Instrumental nos Independent Music Awards e esteve várias semanas nos tops de rádios de Portugal, Espanha e EUA. Gente Estranha, álbum de Março de 2014, atingiu já o 3.º lugar no top iTunes PT de Músicas do Mundo, e o single Gente Estranha o 14.º lugar no Blue Top da MTV.
A não perder o concerto desta «banda que deveria ser contratada, em todo o lado, agora» (John Pheby, fRoots Magazine, Reino Unido)." (...)


2. "Mensagem para o público"  que a banda distribuiu ontem á noite, à entrada para o seu concerto no CCB:

"Caríssimos corpos dançanets: O concerto de hoje é muito importante para nós, e queremos agradecer a vossa presença do fundo do coração. É uma noite especial que queremos registar para a  posteridade, par um dia mostarrmos aos nossos netos as palermices que fizemos e ganharmos uma aura de avós extremamente cool.O concerto será gravado em vídeo [, sete câmaras,] por uma equipa especializada, pelo que desde já pedimos desculpa por qualquer incómodo que daí advenha, e agradecemos a vossa colaboração. Sejam bem vindos. Divirtam-se. Andre Santos [, viola e sanfona], Francisco Caiado [percussão], João da Graça [violino], João Novais [contrabaixo], Miguel Veríssimo [clarinete]".

Página oficial da banda, aqui > Melech Mechaya

__________

Guiné 63/74 - P14180: Convívios (649): Rescaldo do último Encontro da Magnífica Tabanca da Linha levado a efeito no passado dia 22 de Janeiro de 2015 (José Manuel Matos Dinis)

A Magnífica Tabanca da Linha em Convívio
Foto: © Jorge Canhão

1. Em mensagem do dia 22 de Janeiro de 2015, o nosso camarada José Manuel Matos Dinis (ex-Fur Mil da CCAÇ 2679, Bajocunda, 1970/71 e actual amanuense da Magnífica Tabanca da Linha), enviou-nos a sua visão do último Encontro desta Tabanca.


Para o Padre Américo não havia rapazes maus, mas dão muito trabalho

Obviamente, esta frase acrescida à consabida expressão do famoso padre, é da minha autoria.
Porque eu também acredito, que não há rapazes maus, embora alguns tenham que ser "sensibilizados" para preservação do grupo. E vem isto a propósito de uma certa leviandade (de alguns) na desconsideração dispensada a quem tem trabalhado, no sentido de desenvolver e cimentar um espírito colectivo bem disposto, colaborante e solidário.

Desta vez, na Linha, verifiquei que houve um desalinho de mais sete pessoas do que as inscritas, para além de mais três "intrusos". Peço ainda ao camarada Graça de Abreu para, futuramente, fazer a sua inscrição junto do Senhor Comandante Rosales, já que eu não recebo os mails que alegadamente me envia, ou então, agradeço que o faça por telefone.

A verdade, é que ninguém, parece, pretende degradar o ambiente, e se os alimentos são adquiridos com dois dias de antecedência, após a minha comunicação, o esticanço afecta inexoravelmente a dose individual, podendo até comprometer tanto nos "hours d'euvres" como nas sobremesas.
Isto parece de fácil entendimento, mas organizar, consome horas de trabalho, com telefonemas, mails, elaboração de listas, com acrescentos e retiradas, mais a luta conjunta que o Senhor Comandante Rosales, eu, e o gerente do restaurante temos mantido pela preservação da qualidade e preços. Note-se, que o Oitavos é agora uma casa de chá, e só serve de restaurante para grupos previamente negociados, e que mexam algum cordelinho.

Assim, peço a vossa compreensão para este desabafo, antes que a Magnífica redunde num "flop" suicida. E se acabar, perderemos oportunidades desejadas pela maioria, para o entretenimento e convívio de veteranos camaradas da Guiné. A tropa só pode ter sucesso, quando não se registam perturbações para as acções desenvolvidas. Em frente, marche!... e a partir de agora agora, que vingue a frase do santo, mas já aviso que sou ateu.

Sobre o encontro, no geral, o pessoal mostrou-se alegre e bem disposto, com esperança sobre a melhoria do nível de vida anunciado, talvez na expectativa de tornar os encontros mais frequentes, e com boa condição física e moral, pois não sobrou nada. Provavelmente, quem comeu melhor, terão sido os "páras" que abifaram lombos. Disseram que foram bem servidos. Registaram-se algumas estreias, e o que eu peço agora aos piriquitos, é que me dêem informação actualizada dos vossos contactos. De entre as estreias, quero aqui referir duas em especial, porque me tocam muito pelo elevado conceito de camaradagem e amizade, porque integraram como eu a CCaç 2679, e para fazer inveja a outros elementos da Companhia, que distantes, não podem comparecer. Trata-se dos excelentíssimos veteranos Eduardo Guerra e Tito Martins (alô Picado, o Guerra já cá anda).

A certa altura, muito atento às circunstâncias e ao Blogue, o Manuel Resende lembrou-me de perguntar ao Marcelino sobre uma questão relacionada com Copá, o que acabou por não acontecer, mas ficará, provavelmente para a próxima semana; a outra é uma ideia de que é reincidente, sobre a eventualidade de organizarmos um Blogue privativo, semelhança do da Tabanca do Centro, através do "face-book"para nos comunicarmos de maneira fácil e informal. Eu não sou "amigo do Face, mas admito vir a sê-lo num ambiente como este proposto. Ora, para o realizarmos, pretende-se avaliar se vale a pena, e teremos que saber quantos são os interessados. Por acaso, um bocado antes, já o Miguel Pessoa tinha feito a mesma sugestão, embora avisando que não se propõe transferir do Centro. Nestes termos, peço a todos que me comuniquem, se sim, se não, estão interessados na ideia proposta.

O tempo não esteve radioso, tem chovido copiosamente nos últimos dias, mas hoje, conforme negociação de última hora com o meu amigo Pedro, registou-se uma acalmia, que incluiu aberturas solarengas.

Nota: as expressões entre aspas têm tradução de fácil acesso no Google.

Em nome do Senhor Comandante Rosales, e no meu próprio, apresento efusivas saudações
JD














Fotos: © Manuel Resende






Fotos: © Miguel Pessoa
____________

OBS:
- Selecção de fotos da responsabilidade do editor
- Aguardam-se as legendas que identifiquem os fotografados
____________

Nota do editor

Último poste da série de 9 de janeiro de 2015 > Guiné 63/74 - P14133: Convívios (648): O primeiro Encontro de 2015 da Magnífica Tabanca da Linha é já no próximo dia 22 de Janeiro no sítio e com a ementa do costume (José Manuel Matos Dinis)

Guiné 63/74 - P14179: Efemérides (182): Cerimónia evocativa do 10.º aniversário da inauguração do Monumento aos Combatentes do Ultramar de Moledo - Lourinhã, dia 25 de Janeiro de 2015

Monumento aos Combatentes do Ultramar de Moledo - Lourinhã
 
C O N V I T E
 
PRESIDENTE DO NÚCLEO DA LIGA DOS COMBATENTES DE TORRES VEDRAS

Estimados amigos Combatentes, 
Um grupo de antigos combatentes de Moledo - Lourinhã, apoiados pela Liga dos Combatentes (Núcleo de Torres Vedras) vai realizar uma cerimónia evocativa do 10º aniversário da inauguração do Monumento aos Combatentes do Ultramar, no dia 25 de Janeiro próximo. 

Nesta cerimónia serão, também, impostas medalhas a antigos combatentes da Guerra do Ultramar. 

A cerimónia será presidida pelo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lourinhã e conta com a presença das autoridades locais e do senhor Presidente da Direcção Central da Liga dos Combatentes (Tenente-General Chito Rodrigues) e do senhor Tenente-General Jorge Silvério, terá o seguinte programa: 

08.00 - Içar da Bandeira; 
09.45 - concentração junto da igreja paroquial de Moledo; 
10.00 - Missa solene 
11.00 - Concentração junto do monumento para honras militares e imposição de medalhas a antigos combatentes; 
13.00 - almoço convívio 

Junta-te a nós! 

O Presidente da Direcção do Núcleo 
José da Costa Pereira
____________

Nota do editor

Último poste da série de 7 de janeiro de 2015 > Guiné 63/74 - P14128: Efemérides (181): Copá – Janeiro de 1974 (António Rodrigues, ex-sold cond auto, 1ª CCAV / BCAV 8323, Bolama, Pirada, Paunca, Sissaucunda, Bajocunda, Copá e Buruntuma, 11973/74)

Guiné 63/74 - P14178: Historiografia da presença portuguesa em África (54): Revista de Turismo, jan-fev 1956, número especial dedicado à então província portuguesa da Guiné: anúncios de casas comerciais - Parte VI (Mário Vasconcelos): (i) João Said Handem (Gadamael); (ii) Jacinto Maria de Figueiredo Duarte (Bedanda, com filial no Chugué e Cafine); (iii) Michel Ajouz (Bissorã); e (iv) Hipólito da Costa Ribeiro (Fulacunda): compra e venda de mancarra, coconote, óleo de palma, fazendas, miudezas, mercearias...






Fotos: © Mário Vasconcelos (2015). Todos os direitos reservados [Edição: LG]


1. Continuação da publicação de anúncios de casas comerciais, da Guiné. Reproduzidos, com a devida vénia, da em Turismo - Revista de Arte, Paisagem e Costumes Portugueses, jan/fev 1956, ano XVIII, 2ª série, nº 2. (*).

Trata-se de um aprenda, para o nosso blogue, oferecida pelo nosso camarada Mário Vasconcelos, ex-alf mil trms, CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, COT 9 e CCS/BCAÇ 4612/72, Mansoa, e Cumeré, 1973/74; foto atual à direita] que descobriu um exemplar, já raro, deste edição, no espólio do seu falecido pai.

Dos quatro anúncios que hoje divujgamos dois são de comerciantes; o João Said Handem, estabelecido em Gadamael, e que negociava sobretudo com o milho; e Michel Ajouz, de Bissorã... Será que alguém ainda se lembra deles ?

Os nossos agradecimentos, em nome de todos os camaradas e amigos da Guiné que integram esta Tabanca Grande onde todos cabemos com tudo o que nos une e até com aquilo que nos separa... (LG)

 ___________________

Nota do editor:

(*) Último poste da série > 23 de janeiro de  2015 > Guiné 63/74 - P14176: Historiografia da presença portuguesa em África (49): Revista de Turismo, jan-fev 1956, número especial dedicado à então província portuguesa da Guiné: anúncios de casas comerciais - Parte V (Mário Vasconcelos): 4 firmas de Bissau: Benjamim Correia (fundada em 1915), NOSOCO (francesa), Augusto Pinto Lda, e C. J. Matoso (talho moderno)

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Guiné 63/74 - P14177: Notas de leitura (673): “O Império da Visão, fotografia no contexto colonial português (1860-1960)”, organização de Filipa Lowndes Vicente, Edições 70, 2014 (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 13 de Janeiro de 2015:

Queridos amigos,
As imagens com guineenses publicadas neste assombroso empreendimento de investigação que dá pelo nome de “O Império da Visão”, com organização de Filipa Lowndes Vicente, faz-nos meditar sobre as expedições científicas e a surpreendente aliança de políticos nacionalistas portugueses com o credo maometano.
A Guiné tinha um peso específico no imaginário imperial: um surpreendente mosaico étnico num espaço tão exíguo; a fidelidade dos Fulas e dos Mandingas depois das operações de pacificação, que se prorrogou até à independência; e o facto de ter sido a primeira colónia europeia dos tempos modernos. Isto para já não falar do sentimento associado ao derramamento de sangue, tudo custou sangue, dor e doença, basta pensar na construção da Fortaleza de S. José de Bissau.

Um abraço do
Mário


Fotografia no contexto colonial português: o caso da Guiné(*)

Beja Santos

“O Império da Visão, fotografia no contexto colonial português (1860-1960)”, organização de Filipa Lowndes Vicente, Edições 70, 2014, é um extraordinário empreendimento historiográfico que coloca a imagem fotográfica em lugar cimeiro das fontes de investigação no nosso tempo. Como se escreve na contracapa: “A fotografia não foi uma mera ilustração das colónias. A fotografia criou experiências coloniais. Os estudos recentes sobre colonialismo reconhecem como, ao lado da documentação escrita, as imagens são determinantes para se compreenderem e estudarem os impérios. É por isso que esta aventura visual sobre o império português permite um ousado entrelaçamento de olhares: a fotografia como um instrumento inseparável dos vários saberes científicos que usaram as colónias como laboratório, da história natural com a antropologia ou à medicina; a fotografia como prova de violência ou de intimidação, afirmando o poder durante as guerras coloniais; a fotografia apropriada pelos sujeitos colonizados, mas também por europeus anticolonialistas, enquanto forma de resistência, no forjar de identidades nacionais”.

Falámos anteriormente da leitura da fotografia vista por pessoas que se combateram durante uma terrível guerra como foi a da Guiné: gente do PAIGC e gente que se pôs debaixo da bandeira portuguesa. Agora pretendem-se duas incursões bem distintas, olhar para fotografias da missão antropológica e etnológica da Guiné (1946-1947) e apreciar imagens de guineenses ou de muçulmanos que passaram por Portugal a pretexto de exposições coloniais, de prémios ou de viagens de muçulmanos a Meca.

O professor Mendes Corrêa era um dos mentores de uma antropologia que hoje está totalmente desacreditada. Ele escreveu um livro que teve sucesso no tempo, Raças do Império, que foi divulgado pela Editora Portucalense em fascículos colecionáveis, num total de 625 páginas, entre 1943 e 1945. Mendes Corrêa acreditava no caráter distintivo das raças e não escondia a sua convicção na superioridade dos brancos. Ele chega à Guiné num período científico febricitante: a missão Geo-Hidrográfica, Zoológica, Antropológica e Etnológica da Guiné, entre 1944 e 1946. Bissau acolhera a Semana do Império, em 1943, o V Centenário dos Descobrimentos da Guiné tiveram o seu epicentro em Lisboa mas comemoraram-se com distinção em Bissau, em 1946; a 2.ª Conferência Internacional dos Africanistas Ocidentais, em 1947, são algumas dessas manifestações. Isto para significar que quando Mendes Corrêa chega à Guiné havia investigação e divulgação científica, contactos com organismos internacionais, e aspirava-se à constituição do Museu da Guiné Portuguesa. Da sua viagem à Guiné publicou-se um livro Uma jornada científica na Guiné Portuguesa, onde ele fala do estudo das etnias locais, recorreu a equipamento antropométrico transportado de Lisboa. O cientista pretendia realizar investigações de Pré-História, também. O resultado final foram clichés ilustrando indivíduos, masculinos e femininos, em duas poses invariáveis (frontal e de perfil), imagens estáticas. Como observa o autor do artigo, estas fotografias assumem, perigosamente, uma dimensão cenográfica passível de interpretações erróneas, o que limita a leitura do que efetivamente se pretendia captar.

Missão de Mendes Corrêa em Canhabaque, Bijagós, 1946

Os guineenses começam por ser acontecimento noticiado na I Exposição Colonial do Porto, em 1934. Aparecerão no Parque Eduardo VII poucos anos depois e desfilarão em 1947 na avenida da Liberdade no cortejo dos municípios, surgem escoltando o “Carro do Império”. O régulo Baró Baldé dirigiu-se ao Ministro das Colónias, capitão Teófilo Duarte, em nome dos régulos e teria dito: “Somos pretos da Guiné mas bons portugueses” e o Ministro das Colónias concluiu estar “em presença dos representantes das elites negras da Guiné, dos homens que são auxiliares preciosos da nossa tarefa civilizadora”. As elites negras a que o ministro aludia eram Fulas e Mandingas, procurava-se no fundo de uma aliança com os amigos dos portugueses que eram muçulmanos, outros políticos já tinham referido que os muçulmanos negros possuíam uma certa superioridade relativamente aos outros negros. Em 28 de Abril de 1953, Salazar concede uma receção aos muçulmanos da Guiné. E o jornal O Século escrevia que “Salazar apertou a mão e falou a todos eles, interessando-se por conhecer os seus nomes e indagando acerca das localidades onde desempenham as suas funções de direção de importantes aglomerados populacionais”.

Salazar cumprimenta régulos da Guiné em 28 de Abril de 1953

O autor do artigo refere que desde finais dos anos de 1950 que a política do Estado colonial se orientava para os muçulmanos da Guiné e assentava em duas práticas de “conquista das populações”: o financiamento da construção e da restauração de locais de culto e o patrocínio de peregrinações a Meca. A cobertura oficial destas últimas teve início em 1959 e até 1972 elas realizaram-se de forma regular todos os anos. Não há, evidentemente, ilusões dos intuitos de apoio a estas peregrinações, havia que mostrar ao mundo a realidade ecuménica da Guiné portuguesa. Estas peregrinações tinham um caráter turístico, havia que criar uma imagem de uma certa portugalidade: “Em 15 de Janeiro de 1971 partiu para Meca, via Lisboa, um grupo de 38 muçulmanos que ali vão em peregrinação. O grupo voltará a Lisboa em meados de Fevereiro, visitando na Metrópole os locais de maior interesse histórico e turístico, a convite da Agência Geral do Ultramar”.

Peregrinos guineenses a Meca junto da Torre de Belém, 1970

A lógica imperial há muito que firmara o conceito, de simbiose identitária que foi igualmente uma das retóricas desenvolvidas na nossa preparação militar, parecia um facto consumado: “Do Minho a Timor, homens de raças e crenças diversas comungam o mesmo sentimento de júbilo nacional, todos conscientes de que é do esforço comum que se obtém o êxito nacional”. A imagem da Guiné pesava muito: a pacificação e o sentido da ordem e daí o prémio em se ter transformado numa colónia modelo; a carga de exotismo, ver aqueles régulos como cavaleiros aprumados, na dianteira do Carro do Império, no Cortejo dos Munícipios, empunhando espadas erguidas na vertical. E aliança tácita que se estabelecerá entre o poder político, estruturalmente católico, e as etnias de pendor islâmico, tratava-se de uma aliança crucial, uma imagem de propaganda que se tinha que dar ao mundo naqueles tempos em que Portugal estava orgulhosamente só.
____________

Notas do editor

(*) Vd. poste de 19 de janeiro de 2015 > Guiné 63/74 - P14163: Notas de leitura (671): “O Império da Visão, fotografia no contexto colonial português (1860-1960)”, com organização de Filipa Lowndes Vicente, Edições 70, 2014 (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 20 de janeiro de 2015 > Guiné 63/74 - P14166: Notas de leitura (672): Do livro "Família Coelho", edição de autor, 2014, de José Eduardo Reis Oliveira (JERO) (4): Como era Alcobaça nos tempos dos primeiros Coelhos

Guiné 63/74 - P14176: Historiografia da presença portuguesa em África (53): Revista de Turismo, jan-fev 1956, número especial dedicado à então província portuguesa da Guiné: anúncios de casas comerciais - Parte V (Mário Vasconcelos): 4 firmas de Bissau: Benjamim Correia (fundada em 1915), NOSOCO (francesa), Augusto Pinto Lda, e C. J. Matoso (talho moderno)










Fotos: © Mário Vasconcelos (2015). Todos os direitos reservados [Edição: LG]


1. Continuação da publicação de anúncios de casas comerciais, da Guiné. Reproduzidos, com a devida vénia, da em Turismo - Revista de Arte, Paisagem e Costumes Portugueses, jan/fev 1956, ano XVIII, 2ª série, nº 2. (*). Tem inegável interesse documental.

São uma gentileza do nosso camarada Mário Vasconcelos, ex-alf mil trms, CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, COT 9 e CCS/BCAÇ 4612/72, Mansoa, e Cumeré, 1973/74; foto atual à direita] que descobriu um exemplar, já raro, deste edição, no espólio do seu falecido pai.

E, a propósito, faz hoje 52 anos que se iniciou, oficial ou oficiosamente, a guerra colonial na Guiné, com o ataque a Tite, na região de Quínara, em 23 de janeiro de 1963. Tenhamos um pensamento de homenagem a todas as vítimas desta guerra, civis e miliaters,  de ambos os lados.


2. Numa destas firmas, a NOSOCO - Nouvclle Société Commerciale Africaine [e não Africane, mais uma gralha], com sucursais em Bafatá, Farim, Bolama, Bissorã, Sonaco e Nova Lamego, trabalharam camaradas nossos como o Mário Dias [. ex-srgt comando, reformado], bem como o pai do nosso amigo Herbert Lopes, mas também conhecidos militantes do PAIGC, como o João Rosa, que guarda-livros...

A NOSOCO era então uma das principais firmas da Guiné, na opinião (qualificada) do nosso amigo e camarada Mário Dias, a propósito dos acontecimentos de 3 de agosto de 1959, no cais do Pidjuiguiti: "as principais casas comerciais da Guiné (vou designá-las pelo nome abreviado como eram conhecidas, Casa Gouveia (CUF), NOSOCO, Eduardo Guedes, Ultramarina e Barbosas & Comandita, tinham ao seu serviço frotas de lanchas - umas à vela e outras a motor - que utilizavam no serviço de cabotagem transportando mercadorias para os seus estabelecimentos comerciais e, no regresso, traziam para Bissau os produtos da terra, principalmente mancarra e arroz. A maioria deste tráfego era pelo rio Geba, até Bafatá e, para o Sul, até Catió e Cacine."

Segundo Carlos Domingos Gomes. Cadogo Pai, as empresas francesas sedidadas na Guiné (SCOA, NOSOCO,  CFAO) começaram a ter problemas de liberdade comercial, face à posição monopolista da Casa Gouveia, ligada ao grupo CUF. O Luís Cabral, meio irmão de Amílcar Cabral, era empregado da Casa Gouveia, guarda-livros. As casas comerciais de Bissau, tal como o futebol e o 1º curso de sargentos milicianos, de 1959, deram fornadas de gente... ao PAIGC!



Guiné > Bissalanca > c. 1958/59 > Fotografia tirada na despedida do gerente da NOSOCO, Monsieur Boris, que nesse dia regressava a Paris (está ao centro de fato e gravata). O João [da Silva] Rosa, o guarda-livros, [e que foi um dos fundadores do MLG - Movimento de Libertação da Guiné e um dos primeiros contactos políticos de Amílcar Cabral, tendo feito reuniões clandestinas, na sua casa, com o próprio Amílcar Cabral e outros nacionalistas guineenses, segundo informação do Leopoldo Amado, e que morreu em 1961, no hospital, na sequência da sua prisão pela PIDE], está na segunda fila à direita; à sua frente, o 2º da direita é o Toi Cabral. Os restantes elementos da foto são alguns (quase todos) dos empregados do escritório da NOSOCO em Bissau (MD)

O terceiro elemento do grupo, a contar da esquerda, é Armando Duarte Lopes, o pai do nosso amigo Nelson Herbert, e velha glória do futebol guineense... (Festeve em 1943 no Mindelo, sua terra natal, integrado numa força expedicionária, vinda do continente, que veio reforçar o sistema de defesa da Ilha de São Vicente durante a II Guerra Mundial; viveu depois, trabalhou e casou em Bissau.

Como nos relembrou o Nelson, o pai era então "um jovem, robusto, futebolista conhecido na Guiné (Armando Bufallo Bill, seu nome de guerra, o melhor de futebolista da UDIB, do Benfica de Bissau, internacional pela selecção da antiga Guiné Portuguesa..). Foi encarregado, por muitos anos, do porto fluvial de Bambadinca, e ainda se lembra de episódios do djunda djunda (braço de ferro) entre a JAPG (Junta Autónoma dos Portos da Guine) e a tropa, relativamente a um batelão, propriedade do primeiro e que fazia regularmente o trajecto Bambadinca-Bissau, mas que a tropa insistia em acambarcar... para revolta das população da zona leste, já que dessa boleia dependia o escoamento da produção local (caprinos e produtos hortícolas) para os mercados de Bissau... (Seria o BOR ?).

O apelido Herbert vem de outro lado, de um avô materno francês, que foi o representante local, na Guiné, da CFAO - Compagnie Française de l'Afrique Occidentale, fundada em 1887, e que continua a ser um importante grupo económico, líder da distribuição especializada em África e nos territórios franceses do Ultramar.

Foto: © Mário Dias (2006) . Todos os direitos reservado

2. Temos inúmeros postes sobre a cidade de Bissau. Alguns de nós fizemos lá comissão, tendo por isso um conhecimento das suas ruas, praças, monumentos,  restaurantes, esplanadas, casas comerciais, etc.  É o caso por exemplo do nosso camarada Carlos Pinheiro (ex-1.º cabo  trms op msg, Centro de Mensagens do STM/QG/CTIG, 1968/70):

Vd. poste de 20 de abril de 2011 > Guiné 63/74 - P8138: Memória dos lugares (152): A cidade de Bissau em 1968/70: um roteiro (Carlos Pinheiro)

Outros camaradas viveram lá anets e depois da tropa, acompanhando o progresso da cidade, nos anos 50/60, como foi o caso do Mário Dias (ex-srgt comando, ref, trabalhou e viveu em Bissau na sua aolescência e juventude, tendo frequentado em 1959 o 1º curso de sargentos milicianos que se realizou no CTIG):


________

Guiné 63/74 - P14175: Parabéns a você (850): Augusto Silva Santos, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 3306 (Guiné, 1971/73); Francisco Godinho, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 2753 (Guiné 1970/72) e José Albino, ex-Fur Mil Art do Pel Mort 2117 e BAC 1 (Guiné, 1969/71)



____________

Nota do editor

Último poste da série de 22 de Janeiro de 2015 > Guiné 63/74 - P14172: Parabéns a você (849): Rogério Freire, ex-Alf Mil Art MA da CART 1525 (Guiné, 1966/67)

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Guiné 63/74 - P14174: Humor de caserna (39): A minha primeira viagem no Batelão Anita (José Brás)

1. Em mensagem datada de 20 de Janeiro de 2015, o nosso camarada José Brás (ex-Fur Mil da CCAÇ 1622, Aldeia Formosa e Mejo, 1966/68) enviou-nos esta humorada história passada a bordo do Batelão Anita, aquando da sua ida para Meja após o regresso de férias da metrópole.

Uma pequena nota para saudar o nosso camarada José Brás que nos presenteia sempre com textos de elevada qualidade.


A MINHA PRIMEIRA VIAGEM NO ANITA

Bem!
E se teve uma primeira, terá de ter tido, pelo menos, uma segunda, dirão amigos que lerem isto.
E eu direi que talvez... que talvez tenha lógica o pensamento que os levará a reagir assim, ainda que também possam ser levados a erro de conclusão precipitada.

Imaginem que, fazendo uso do poder que tem sempre quem conta um conto, avance eu na conversa e esclareça que… “na minha primeira e última viagem no Anita”… e tal, uma espécie de xico-espertice despropositada, é certo, mas possível, e lá se vai a lógica da vossa conclusão borda-fora.
Mas não. Não será assim e estarão vocês certos, porque foram duas as viagens que fiz no batelão Anita, uma de Bissau a Gadamael-Porto, em Agosto de 67, e outra de Catió a Bissau, aí por fim de Abril ou início de Maio de 68.

Essa fotografia, aliás, foi tirada na primeira das viagens, no Rio Cacine, muito perto da localidade que dá o nome ao rio e antes de entrar no Rio Sapo um dos braços em que se multiplica e nos levava a Gadamael.

O Batelão Anita subindo o Rio Cacine
Foto: © José Brás

E tem uma história, esta foto, como de histórias estão cheias as duas viagens de que vos falo, picaresca esta, fonte de gargalhada, então, do pessoal que se vê esparramado nas tábuas do barco como se andasse ali por andar e sem pensar no Gadamael, nas emboscadas e nos fornilhos da estrada até Guiledje e Medjo, nas flagelações aos quartéis de cada um, nas bernardas no Corredor da Morte, no prato escasso à hora do almoço e do jantar… e mais picaresca ainda, uma outra história vivida em Catió, como se constatará se eu vier a contá-la aqui e vocês a lê-la… mais duras as outras histórias, sérias e bem sofridas mas sem fotos que as comprovem para além das que me restam na película da memória e juro serem tão verdadeiras e objectivas como eu próprio que aqui estou, ainda, não afiançando, contudo, que coincidissem tim-tim por tim-tim, se as ouvissem contadas por outros que também as viveram.

Mas peguemos nesta porque tem foto e que por tê-la e me ter chegado às mãos nas voltas que de vez em quando dou à caixa onde a guardo com outras, me reclamou o contar-vos.

Seguia eu de Bissau para Medjo na última etapa do meu mês de férias no puto, embarcado ao cair de uma noite no batelão Anita com companheiros de desditas, militares brancos de Gadamael, de Guiledje e de Medjo, talvez até de Cabedu, soldados locais de alguns desses lugares desse tempo como se vê na foto, não me lembro se algum civil também de regresso do Bissau.

Depois da partida, furando a noite já funda, desaba sobre o barquinho uma dessas bátegas habituais por ali em tal tempo. O barco tem apenas aquela espécie de barraca como protecção do piloto e o resto é campo aberto às grossas e intensas cordas da água que cai. O poço do porão vem carregado de farinha para os quartéis, tapada por um estrado de ripas e um encerado numa cobertura em duas águas.
No meio daquele quadro e já bem encharcados, chegou-nos à imaginação, a mim e ao Serra, de nos esgueirarmos para debaixo da cobertura e passar ali o tempo da bátega. Choveu noite dentro e quando saímos para a luz da manhã, toda a gente ria da figura que fazíamos. A farda, a cara e as mãos eram a imagem de um padeiro desajeitado depois de uma noite de amassar e tender. Sobre os sacos de farinha, com roupa molhada e secando no corpo, ganháramos farda nova na imaculada brancura marinheira, na pasta branca e já seca do calor do interior da protecção.

Tirámos a roupa, lavámo-la debruçados na amurada, estendemo-la a secar, mergulhámos para lavar, pele, cabelo, ouvidos, olhos… cueca e meias, e fizemos a última parte do trajecto para Gadamael no estado que se vê na foto, como lagartos esparramados ao Sol, beneficiando da benesse de um PAIGC ausente naquela vez nas curvas da água.
___________

Nota do editor

Último poste da série de 27 de julho de 2013 > Guiné 63/74 - P11875: Humor de caserna (38): Estou a fazer voar o meu pensamento (Tony Borié) (11): As ovelhas e a cabra do senhor Aniceto