sábado, 31 de dezembro de 2011

Guiné 63/74 – P9297: Memórias de Gabú (José Saúde) (19): Um poço no mato



1. O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabú) - 1973/74, enviou-nos mais uma mensagem desta sua série.

Camaradas,




Um poço no mato
Saciando a sede

O calor apertava e não dava tréguas ao guerrilheiro que se depara com a falta de água no cantil. A sede assumia-se como uma necessidade premente. Saciar a avidez era urgente. Por aquelas paragens a ausência do precioso líquido era uma certeza. Olhávamos o terreno, infecundo, e não visualizávamos fontes, tão-pouco bolanhas para uma recarga do pequeno cantil que trazíamos atrelado ao cinturão.

Meu Deus, faça-nos o milagre de um eventual encontro com uma fonte de água! Pensávamos. A caminhada no mato prolongava-se. O pessoal, já com o cantil completamente esvaziado, desesperava. Aconselhava calma. Também eu sentia a necessidade de um reabastecimento. Mais uns quilómetros percorridos e… nada!

Eis que, perante os espaços desalinhados das árvores, pareceu-nos ver uma cultura de milho. Verde! Gritou-me um dos soldados. Associei de imediato que o verde simboliza fresquidão. Fresquidão… água. Estamos safos, pensei.

A surpresa foi quando nos aproximámos do local. Uma criança tirava água de um poço, utilizando uma pequena lata que transportava o líquido do fundo para a superfície. Eureka! Estamos safos, avançou um outro soldado já quase a desfalecer. Nos limites. Barrenta? Não faz mal, comentava um camarada ao lado alertando para a necessidade de colocarmos no cantil o tal comprimidinho desinfectante que matava o mais audaz bicho que porventura ousasse desafiar as nossas gargantas e bexigas.

Curioso foi a amabilidade que a criança nos prestou. Quis ser ele a assumir o trabalho. O caldeirão fez várias viagens ao fundo. Saciámos a sede, enchemos os cantis e toca a andar.

Conhecendo a zona onde prestei serviço – Gabu – não era comum encontrarmos poços no mato. Água, isso sim, havia com fartura nas bolanhas e nos rios. Tanto mais que a Guiné era um território onde a água abundava.

A fonte do Alecrim, na saída da estrada que nos conduzia a Piche, era a nascente de reabastecimento do nosso Quartel.

O calor imenso que nos transportava a socorrer sistematicamente ao cantil para, pelo menos, enxaguar a boca com o líquido e seguir viagem, esgotava-se quase sem darmos por isso. Razão, óbvia, para o desespero. Restava saber sofrer até um possível reencontro com uma fonte de reabastecimento e voltar a acelerar a caminho do objectivo ou para o ambicionado regresso ao Quartel são e salvo.

Saciar a sede era, para todos nós, uma bênção caída do céu quando a ocasião proporcionava momentos de desespero. Recordações que ficaram eternizadas nas nossas memórias guineenses!

Junto ao poço para saciar a sede 
 Milho e humildade, sinais de água! O poço estava ali ao lado.

Um abraço deste alentejano de gema,
José Saúde
Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523

Fotos: © José Saúde (2011). Direitos reservados.
Mini-guião de colecção particular: © Carlos Coutinho (2011). Direitos reservados.
___________
Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em: 


Guiné 63/74 - P9296: Blogpoesia (174): Dies irae! (Luís Graça)






Distrito de Viseu, Terras do Demo, Sernancelhe, Santuário de N. Sra. da Lapa, um dos lugares de culto mariano mais antigos da Península Ibérica 








Distrito de Viseu, Terras do Demo, Sernancelhe > Santuário de N. Sra. da Lapa > Sanitários públicos > Grafitos de antigos combatentes da guerra colonial e de outros peregrinos.

Fotos: © Luís Graça  (2011). Todos os direitos reservados

Dies iræ, dies illa!

Dedicado a todos os camaradas,
humilhados,
esquecidos,
abandonados,
ostracizados,
emigrados,
exilados, 
que um dia subiram o portaló
dos Niassa, dos Uíge, dos Ana Mafalda,
a caminho da Guiné,
aquela terra verde e vermelha
que a todos nos marcou,
a ferro e fogo...
sem esquecer os que simplesmente viajaram nos TAM!
Que o ano de 2012,
mesmo de raiva,
seja de coragem e de esperança!
Como os que os anos que passámos na Guiné!

Cavalgam caudalosos os rios
Pela terra adentro,
Enquanto fluem ruidosos
Os dias da guerra.

Rios que não são rios
Mas rias,
Entranhas ubérrimas
Fustigadas pelo vento,
Rias baixas pela manhã,
Pedaços, braços de mar,
Restos de tsunamis,
Pontas de fuzis,
Palavras acérrimas,
Imprecações ao Grande Irã,
Picadas minadas
De ir e não mais voltar.

Dias que não são dias,
Circadianos,
Mas fragmentos,
Ora ledos ora amargos enganos,
Estilhaços de tempo,
Riscos nas paredes sujas dos bunkers,
Repentinas emboscadas,
Breves finais de tarde,
Instantes,
Flagelações,
Balas tracejantes
Sob o céu verde e vermelho
Enquanto o capim arde.

Narciso, revejo-me ao espelho,
Quebrado,
Vou nu,
De camuflado,
De azul,
Celestial,
Ao encontro do anjo da morte
Em Jugudul.
E não há estrelas
À noite,
Mas a bússola indica o norte,
Sideral,
Nunca o sul,
Nunca o nascer nem o morrer.

Dies irae, dies illa,
Dia de ira, aquele,
Em que subiste o cadafalso do Niassa,
Ou do Uíge ou do Ana Mafalda,
Dias de ira, aqueles,
Os da guerra!
Calai-vos,
Rápidos do Saltinho,
Rápidos de Cussilinta,
Vós que mais não sois
Do que canoas loucas,
Desenfreadas,
Levadas pelo macaréu da nossa raiva,
Entre o Geba e o Corubal.

Braços que não são braços,
Amputados,
Mas apenas tatuagens,
Traços,
Letras de fado pungentes,
Pontes que são miragens,
Tentáculos, serpentes,
Lianas, cortadas pela catana,
A eito,
Pela floresta-galeria,
Inferno tropical,
Túneis, tarrafo,
Bolanhas, lalas, bissilões,
Curvas da morte do Cacheu ao Cumbijã,
Apocalípticos palmeirais,
Pontas de punhais
Cravadas no peito,
Irãs acocorados
No alto dos poilões.

E depois o silêncio.
O impossível silêncio.
O silêncio das partituras,
Das mapas dos argonautas,
Partículas,
Pausas,
Pautas,
Cartas de tiro
Com claves de sol,
Desidratação,
A ogiva do obus,
O medo da avestruz,
O roncar do helicanhão,
Gritos do djambé,
E do macaco-cão,
Gemidos de kora,
Espasmos de balafon,
Rajadas de kalash
Ecos do bombolom,
Bombas de fragmentação
Que correm no dorso dos cavalos
Desde o Futa Djalon.

Não vou poder ouvir o silêncio do Cantanhez,
Nem quero ouvir o grito da morte 
Outra vez.

Terras do Demo, 27-29 de Dezembro de 2011; Madalena, Vila Nova de Gaia, 30-31 de Dezembro de 2011

_____________

Nota do editor:

Último poste da série >  17 de dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9215: Blogpoesia (173): Natal da raiva e solidão (Armor Pires Mota, 1974)

Guiné 63/74 - P9295: Nós da memória (Torcato Mendonça) (4): Ano Novo; Ano Velho e Toca o Mesmo

Quotidiano em Candamã
Foto ©: Torcato Mendonça (Fotos Falantes) 2011. Direitos reservados





1. Em mensagem do dia 26 de Dezembro de 2011, o nosso camarada Torcato Mendonça* (ex-Alf Mil da CART 2339 Mansambo, 1968/69), enviou-nos o segundo texto para publicação na sua série "Nós da memória".





NÓS DA MEMÓRIA
(…desatemos, aos poucos, alguns…)

4 - Ano Novo; Ano Velho e Toca o Mesmo

Passou o Natal de 68.
Com tão grandes festejos, com os calorosos carinhos e as prendas do Pai Natal, estavam as gentes de Mansambo prenhes de alegria.
Até os picadores e seus familiares, mesmo sendo muçulmanos, com os militares estavam solidários.

Só que o trabalho continuava. A guerra não tinha fechado o portão. Esquecimento? Nada disso, os portões só se fecham quando a guerra entra em letargia e pára aqui para começar acolá.
Assim: - em 28 de Dezembro viemos para Bambadinca preparar mais uma louca coluna de abastecimentos ao Saltinho/Xitole. Louca porque era composta por muitas viaturas, civis e militares, passando por estradas e picadas entre Bambadinca, Galomaro, Dulombi, Quirafo, Saltinho e Xitole. A chegada era à noitinha ou já noite e na madrugada seguinte estávamos de regresso. Eram dezenas de quilómetros - itinerário alternativo - para não fazer dezassete entre Mansambo e o Xitole. Não era fuga a portagens, nada disso. Aquele troço de estrada estava encerrado para obras de desminagem e afins. Além disso quando foi aberto levou mais tempo, com tropas por terra e ar. Faltou a Marinha devido ao assoreamento do Galoiel e o Corubal ter uns rápidos em bela e traiçoeira paisagem.

Nesta coluna, de itinerário alternativo, só ia o 2.º GCOMB, mecânicos reforçados, picadores e os militares da Manutenção Militar. Em caso de emboscada respondiam uns, por avaria auto outros e mais outros quanto aos comes e bebes transportados. Tudo ligado mas com tarefas distintas e de preferência sem interferências Era uma maravilha.
O regresso era, se possível, de prego ao fundo.

A 30 de Dezembro já estávamos de regresso a Bambadinca, em trânsito para Mansambo. Para não arrefecer ânimos, no dia seguinte depois de breves preparativos partimos, em visita de cortesia certamente, para a Moricanhe onde estava sediado um Pelotão de Milícia. Visita e salamaleques feitos, regressámos a quartéis.

À noite, a noite de fim do fim de 1968 ou só 68 – assim o relator não parece tão velho – e de entrada em 69 (ano), houve uns tiros e, por acidente na resposta, um militar ficou ferido. Era do 2.ºgrupo. Como era um “faz de tudo” fora destacado para manobrar os geradores eléctricos, de marca Lister, creio eu e alemães. A EDP nada tinha a ver com aquilo e chineses estavam do outro lado daquela barricada. Outras vidas…

O militar foi evacuado no outro dia para Bissau. Nós seguimos para a Tabanca em auto defesa de Candamã.

Lá fomos, naquele primeiro dia de 69, fazer segurança a um pequeno Grupo da Engenharia de Nova Lamego, comandado pelo Furriel Zamite (?). Isto se bem me lembro e as breves notas da agenda estão correctas. Eles iam reconstruir um pontão entre Candamã e Musa Iéro, o pontão da Chanca, que os nossos inimigos de outrora tinha escaqueirado. O outrora fica bem, não fica? Outrora?

Mobilizada a população, sempre os que pagam as crises, para uma ajuda, as moto-serras a trabalhar - perigoso o ruído na mata - o saber das gentes da Engenharia e lá se reconstruiu rapidamente o pontão.

No dia 3 de Janeiro estávamos de regresso a Mansambo, depois de, ainda em Candamã, um militar ter ficado com ligeira queimadura. Acidentes ou azares.
Aí estávamos nós, ao fim da tarde de regresso a “casa”, com correio e roupa lavada à espera.
Talvez nos tenhamos apressado no regresso pois o IN atacou, pelas 20/21 horas, Mansambo. Seria o normal. Este não foi. Provocou um ferido grave e o primeiro morto do nosso grupo. Triste recordação.
Eles certamente tinham ido cheirar a zona do pontão ou foram para a picada Candamã/ Mansambo à nossa espera. Viemos primeiro. Que pena não termos ainda os obuses 10.5. Que pena pois eles certamente gostariam.

No outro dia, já na igreja de Bambadinca (desconhecia aquela construção) assisti à colocação do corpo do meu camarada na urna.
Curioso, talvez não, ainda recordo bem a cena. Logo já continuo. Um café, agora.

No dia seguinte, a 5 de Janeiro, apanhei boleia numa DO para Bissau. Vinha gozar o meu segundo e último período de férias.
Ninguém diria certamente que a “produção” destes militares não era boa.

Perspectivava-se um Bom Ano Novo. Outrora como agora é o que sempre desejamos. Não é? Acredita camarada, acredita pois não há mal que sempre dure.

PARA TODOS UM BOM 2012. O de 69 há muito que se finou.
Vai ser um Bom Ano, este de 2012 e com os Votos do T.
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 25 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9265: (Ex)citações (167): Vagomestria(s) (Torcato Mendonça / José Brás)

Vd. último poste da série de 17 de Outubro de 2011 > Guiné 63/74 - P8917: Nós da memória (Torcato Mendonça) (3): Baguera, baguera e Desconforto

Guiné 63/74 - P9294: Blogoterapia (195): Ano Novo de 1970 em Empada (José Teixeira)

Guiné > Região de Quínara > Empada > Outubro de 1973 > A povoação de Empada e, ao fundo, o Rio Empada vistos pela câmara fotográfica do Alf Mil António Graça de Abreu (CAOP 1, Teixeira Pinto, Mansoa e Cufar, 1972/74)


1. Mensagem do nosso camarada José Teixeira (ex-1.º Cabo Enf.º da CCAÇ 2381, Buba, Quebo, Mampatá e Empada, 1968/70), com data de 10 de Dezembro de 2011:

Caros amigos editores
Voltei ao “meu diário” e recolhi este “grito” escrito no dia 1 de Janeiro de 1970.


Ano novo de 1970 – Empada

A felicidade é o supremo desejo de todos os homens. A História não é mais que uma longa e louca aventura dos homens à busca da felicidade.

O homem, na ânsia de atingir a felicidade, esmaga o seu irmão.

A moral diz-nos que a felicidade se constrói com a vida na medida em que nos mentalizamos da nossa missão como seres humanos. Viver a vida em comunidade e agirmos em conformidade. No entanto esquecem-se rapidamente estes princípios morais. Os governantes, responsáveis pelo bem estar do seu povo, guerreiam, ensanguentam, matam. Destroem para atingiram os seus fins. Alegam que buscam a felicidade para o povo, que é preciso sacrificar uns para que outros vivam felizes, enquanto eles vivem nos seus palácios de egoísmo.

Ah! Esses que se arvoram em condutores do povo, que conduzem as guerras dos seus palácios de vidro, se vivessem no seu sangue, no seu corpo, no seu espírito o que se passa nas frentes de batalha!
Se sentissem o sofrimento de tantos que num último esforço, tentam agarrar a vida, no meio de atrozes dores.
Se sentissem a dor os que têm de abandonar tudo o que é seu e fugir, na esperança de escaparem à morte.
Se sentissem a dor daqueles que vêm os seus entes queridos, os seus amigos, ali à sua frente, mortos por uma granada traiçoeira, quando ainda há escassos segundos viviam felizes.
Se sentissem o que é ficar sem uma perna, um braço, ficar inutilizado para a vida e quantas vezes rejeitado pelos seus, como quem deita fora o que já não presta.
Se sentissem o que sente o jovem a quem lhe roubaram os melhores anos da sua vida, a quem atrasaram a sua construção como homem.

O ingrato de tudo isto, é que alegam que se trata de uma causa justa.
O Inimigo também afirma que luta por uma causa justa e que esta justifica a vida e o esforço de todos.
De que lado estará Deus, se ambas as frentes lutam por uma causa justa ?
Dizem que estão dentro da razão e mandam os outros para a frente. Eles não vão. Lá longe traçam os planos, jogam com as vidas, indiferentes ao sofrimento. . .

A eterna busca da felicidade . . .

Pobre homem cego, que procuras a felicidade e julgas que a consegues, esmagando os outros, servindo-te do teu poder. Esqueces-te que a felicidade, não é mais que a construção de ti mesmo, procurando atingir o HOMEM perfeito.

O grande drama do homem é o ser limitado nos seus meios naturais e infinitos nos seus desejos. Procura então por meios anti-humanos conseguir os seus desejos.

Zé Teixeira
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 16 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9213: O meu Natal no mato (34): Empada, 24 de Dezembro de 1969, em tempo de guerra (José Teixeira)

Vd. último poste da série de 18 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9227: Blogoterapia (194): Como é bom não termos dúvidas (Juvenal Amado)

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Guiné 63/74 - P9293: Tabanca Grande (315): Margarida Peixoto, Professora do Ensino Básico Aposentada, esposa do nosso camarada Joaquim Carlos Peixoto

1. Quem de algum modo está ligado à Guiné, a nós ex-combatentes e tem colaboração publicada no nosso Blogue, tem "direito", se assim entender, a fazer parte do nosso núcleo de amigos que é já bem extenso, felizmente.

Está nesta situação a nossa nova tertuliana, mas já "velha amiga", Margarida Peixoto que aceitou o meu convite pessoal para fazer parte da nossa equipa e que promete colaborar sempre que a ocasião se proporcione.

Quem é Margarida Peixoto e porque está aqui?

Margarida Assunção Oliveira Rocha Ribeiro da Rocha Peixoto é esposa do nosso camarada Joaquim Carlos Rocha Peixoto que foi Fur Mil Inf MA na CCAÇ 3414, Bafatá e Sare Bacar, de 1971 a 1973. Ambos estão aposentados de uma das mais bonitas profissões do mundo, Professor do Ensino Primário.


Esta foto, do nosso camarada Manuel Carmelita, documenta o casal Peixoto num momento de boa disposição durante o Encontro da Tertúlia em 2010.

Encontro da Tertúlia 2011, em Monte Real, Margarida Peixoto com outra das nossas amigas,  a Felismina Costa. Momento captado por Joaquim Carlos Peixoto.

Há muita maneira de participar no nosso Blogue, e a Margarida já deu os primeiros passos, como se pode aquilatar a partir do seu marcador.
Não vamos pedir à nossa tertuliana Margarida que nos conte as suas memórias de guerra porque não as tem, a menos que já estivesse de algum modo ligada ao marido no tempo de tropa ou tivesse outro familiar que cumprisse a sua comissão de serviço na guerra colonial. As nossas mulheres na qualidade de mães, irmãs, namoradas/noivas, madrinhas de guerra e familiares dos combatentes, tiveram o seu combate na retaguarda com a incerteza, a saudade e a dor que sentem de modo diferente. Digo eu que, ao contrário do que está escrito na Bíblia, a primeira mulher (Eva) não foi "feita" a partir de uma costela do homem (Adão), porque todos nós, homens, somos parte de uma mulher, a nossa mãe.

O Peixoto vai permitir, e a Margarida aceitar, o envio de um beijinho de boas vindas em nome da tertúlia.

Em nome dos editores
Carlos Vinhal
____________

Nota de CV:

(*) Vd. último poste de Margarida Peixoto de 23 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9257: O nosso sapatinho de Natal: Põe aqui o teu pezinho, devagar, devagarinho... (8): Mensagens das nossas amigas tertulianas Felismina Costa e Margarida Peixoto

Vd. último poste da série de 27 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9277: Tabanca Grande (314): António Osório, ex-Fur Mil Rec Inf da CCS/QG (Guiné, 1970/72)

Guiné 63/74 - P9292: O nosso sapatinho de Natal: Põe aqui o teu pezinho, devagar, devagarinho... (12): Cartão de boas festas do Patrício Ribeiro, À sombra do poilão, Cacheu, Dezembro 2011



"À sombra do poilão"... Feliz e apropriado cartão de Boas Festas da empresa Impar Lda e do seu sócio-gerente (*), o nosso tabanqueiro Patrício Ribeiro, mais conhecido em Bissau por "pai dos tugas"... Foto relativa à inauguração de uma maternidade no Cacheu, em Dezembro de 2011...

É o postal de boas festas que o Patrício, há mais de um quarto de século a trabalhar e a viver na Guiné-Bissau, nunca se esquece de mandar à malta que se acolhe debaixo do poilão, secular, protetor, mágico, multicolor, fraterno, solidário, plural e tolerante,  da nossa Tabanca Grande!

Recorde-se aqui a história de vida deste ex-grumete fuzileiro, natural de Águeda, mas criado em Angola...

Obrigado, Patrício! Bela mensagem!... 


Que o ano de 2012 seja bom para ti, para a tua empresa, para os teus projetos e negócios, para a tua família e para todos os nossos amigos da Guiné, do Cacheu a Tombali, são os votos dos tabanqueiros deste lado de cá!... Levas um poste com capicua (9292) para te dar boa sorte, e para que os bons irãs te protejam. (LG) 

____________

Notas do editor:

(*) IMPAR Lda

Av. Domingos Ramos 43D - C.P. 489 - Bissau
Tel / Fax 00 245 3214385, 6623168, 7202645, Guiné Bissau
Tel / Fax 00 351 218966014 Lisboa

www.imparbissau.com
impar_bissau@hotmail.com

(**) Último poste da série > 25 de dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9268: O nosso sapatinho de Natal: Põe aqui o teu pezinho, devagar, devagarinho... (11): Mensagem do nosso camarada Hélder Sousa.

Guiné 63/74 - P9291: Facebook...ando (14): João José Alves Martins, ex-Alf Mil PCT (BAC1, Bissau, Bissum-Naga, Piche, Bedanda, Gadamael, Guileje, Bigene, Ingoré, 1967/70)




Foto nº 1



Foto nº 2 


Foto nº 3


Foto nº 4


Foto nº 5

Guiné > Álbum fotográfico do ex-Alf Mil PCT João José Alves Martins (1967/1970)... De total de cerca de duas centenas magníficas fotos da Guiné (obtidas a partir de diapositivos), e que estão disponíveis no mural da sua página no Facebook, tomámos a liberdade de selecionar, editar e publicar 5, numeradas de 1 a 5... Com a devida vénia, ao autor, bem entendido.


Aqui vão as legendas: Na foto nº 1, temos o nosso artilheiro no BAC1, em Bissau, em 1967; na foto nº 2, posando junto aos obuses 8.8 cm, no BAC1; na foto nº 3, vemos uma série e obuses 10.5 cm; na foto nº 4, três peças de artilharia 11,4 cm (vulgarmente confundidas pelos infantes com os obuses 14), aguardando embarque para o interior na Guiné; e, por fim, na foto 5, pode ver-se o difícil transporte, em picada, de uma peça 11.4, a caminho de Nova Lamego...

Fotos: ©  João José Alves Martins  (2011). Todos os direitos reservados.


1. João José Alves Martins, residente em Lisboa,  é um dos nossos mais recentes amigos do Facebook (Tabanca Grande, Luís Graça, Guiné).  Ele próprio se apresentou, ontem, nestes termos:


Agradeço terem aceitado o meu pedido de amizade. A Guiné e os portugueses guineenses, porque a Guiné era território português quando a conheci, ficaram-me no coração. O meu testemunho vale o que vale, mas porque o que se pretende com esta página é precisamente a junção de testemunhos, independentemente de opiniões políticas ou religiosas que todos temos, não posso excluir-me de dar o meu, até porque em minha opinião é muito rico.

Entrei no COM em Mafra, em Janeiro de 1967, era o soldado-cadete nº.003251/65. No 2º trimestre tirei a especialidade PCT [, Posto de Controlo de Tiro,] em Vendas Novas, no 3º trimestre fui colocado no RAP 3, na Figueira da Foz, onde estive até embarcar já como Alferes Miliciano de Artilharia, no navio Alfredo da Silva, juntamente com outros dois alferes, rumo a Bissau, onde chegámos em 19 de Dezembro de 67. 

Na Bataria de Artilharia de Campanha [BAC] nº 1, unidade de recrutamento da província com cerca de 25 pelotões de soldados de todas as etnias, espalhados por muitos dos aquartelamentos do território da Guiné, fomos recebidos pelo Comandante da Unidade, um capitão do quadro, que, depois de nos ter perguntado quais as nossas pretensões, em que eu resolvi solicitar as férias em Agosto, na Metrópole, para poder gozá-las na praia, me mandou vestir o camuflado e informou-me que estava um pelotão com três obuses 8,8 numa LDM com destino a Bissum-Naga, à minha espera. 

Era quase Natal e as duas operações programadas foram designadas por "Bolo Rei" e "Cavalo Orgulhoso". Em Bissum, era frequente entrarmos em acção, inclusivamente durante a noite, pelo que dormia com o camuflado vestido, eramos atacados com alguma frequência, flagelação que também incluía a povoação que tínhamos que defender.

Em Julho [de 1968], vim de férias, e no regresso deram-me um outro pelotão, agora com três peças 11,4 rumo a Piche. Passámos por Bambadinca, Farim, Nova Lamego e finalmente Piche, que foi o único aquartelamento onde não conheci a dureza dos combates e onde se estava relativamente bem o que me levava a aventurar-me, passeando "inconscientemente e perigosamente" pelo interior da Guiné, mas contactando populações extremamente amigáveis, como são os fulas e os futa-fulas. 

Nada indicava haver perigo no contacto com as populações. Mas ele era real porque havia um grande esforço de "mentalização e educação" com o objectivo de virar as populações contra os portugueses por parte do PAIGC. Era mais do que óbvio, a excelente acção que os nossos missionários desenvolveram na medida em que as populações sempre nos receberam de braços bem abertos, o que, segundo melhor opinião, ainda deve acontecer nos dias de hoje, apesar de toda a propaganda soviética e americana através do KGB e da CIA, durante a "Guerra Fria" em que se confrontavam pela influência e maior domínio à escala mundial, no seu esforço imperialista e expansionista. 

Também é verdade que os portugueses, noutras eras, em que os valores os tornavam unidos e fortes, se lançaram numa grande e valorosa expansão, enfrentando grandes perigos, e "edificaram" um grande império. Mas eram homens de outra têmpera e com outros valores e sentido da Pátria. Que, conforme alguns afirmam, nos dias de hoje, se encontra à venda. Talvez os chineses a queiram comprar... 

Depois de umas férias, mandaram-me para Bedanda, onde se encontravam um pelotão com três obuses 14 e a Companhia de Caçadores 6, do recrutamento da província, pelo que éramos uma dúzia de brancos a conviver com centenas de africanos, distribuídos por, um pelotão de artilharia, uma companhia de naturais da província e todo um aglomerado de africanos que tínhamos o dever de defender.

De Bedanda, partimos para Guilege em LDM, com desembarque em Gadamael Porto, onde, no rio Cacine, cheguei a tomar umas ricas banhocas, e recordo a simpatia extrema daquela população. Na verdade, senti em muitos guineenses uma maneira de ser e de conviver que gostaria de encontrar em alguns portugueses com responsabilidades políticas e com a responsabilidade da governação, mas que estão muito longe de estarem à altura das suas responsabilidades e, muito menos, com o discernimento necessário à defesa da nossa pátria.

Seguiu-se Guileje. Foi o local que mais me custou. O morteiro 120, fazia tal barulho que impunha muito respeito. Aliás, quando cheguei, observei uma flecha de um obus que tinha sido partida por uma morteirada. Impunha respeito.

No final da minha comissão ainda conheci Bigene e Ingoré no norte da Guiné, junto ao rio Casamança. Foram uns locais com perigo assinalável, mas, para além disso, bastante agradáveis.

Regressei à Metrópole em 1 de Janeiro de 1970, tendo passado três Natais e três fins de Ano na Guiné que muito me custaram. Agradeço à intervenção Divina o facto de não ter ficado por lá, tantas foram as vezes em que isso podia ter acontecido. O PAIGC chegou mesmo a noticiar na rádio terem-me abatido... 

2. Comentário de L.G.:

Na qualidada de fundador, administrador e editor deste blogue bem como da nossa página no Facebook, compete-me saudar a tua aparição. Tens um currículo impressionante como ex-combatente na Guiné, tendo tu passado por sítios aqui representados por diversos camaradas de diferentes épocas: Bissau, Bissum-Naga, Piche, Bedanda, Gadamael Porto, Guileje, Bigene, Ingoré... Temos também aqui camaradas com a tua especialidade (que, de resto, eu desconhecia, a de PCT). 

Enfim, deixa-me saudar-te também por outra coisa que temos em comum, o Instituto Superior de Economia (ISE), onde estudei no meu 2º ano da licenciatura de ciências sociais, em 1976/77, antes de seguir para o 3º ano de sociologia do ISCTE. Bom, e já que és um apaixonado por São Martinho do Porto, deixa-me ainda dizer-te que também há uma Tabanca de São Martinho do Porto, filial da Tabanca Grande... (Costuma reunir-se uma vez por ano em Agosto).

Julgo que aceitarás, de bom grado, o convite para integrar este blogue, de que a nossa página do Facebook é uma extensão. A nossa Tabanca Grande tem um conjunto de 10 regras que deve inspirar, mais do que regular, o nosso comportamento enquanto membros desta comunidade virtual de amigos e camarada Guiné. 

Podes lê-las na coluna no lado esquerdo do nosso blogue ou aqui, neste poste, P8588, na série O Nosso Livro de Estilo. São também regras que os editores, autores e comentadores devem respeitar e fazer respeitar no dia a dia. Tarefa que nem sempre é fácil, sabendo-se que no nosso blogue há 3 coisas que não devem entrar em (ou não devem perturbar) as nossas relações: a política (partidária), a religião e o futebol... Refiro-me às nossas, naturais e saudáveis, diferenças  a nível político, filosófico, religioso, étnico ou clubístico... O que nos une é a nossa vivência na Guiné, que conhecemos grosso modo entre 1961 e 1974... 


João, fico aguardar a formalização do teu pedido (neste caso, o pedido para a entrada no blogue).  E até lá desejo-te um bom ano de 2012, com saúde e com motivos para continuarmos, tu, eu e todos nós,  a acreditar nesta terra, neste povo,  neste planeta e nesta humanidade, que são  os nossos... Um Alfa Bravo. Luís Graça
_________

Guiné 63/74 - P9290: Efemérides (83): A CART 3521 chegou à Guiné no dia 29 de Dezembro de 1971 (Adriano Neto)


29DEZ71 > Chegada a Bissau do navio Niassa - Foto ©: Alferes Miliciano Sá Fernandes CART 3521


1. Mensagem do nosso camarada Adriano Neto (ex-Fur Mil da CART 3521 (Piche) e CCAÇ 11 (Paunca), 1971/74), com data de 29 de Dezembro de 2011:

Caro Luis,

Na nossa vida há dias que jamais esqueceremos, este é um deles.

Camaradas, companheiros e amigos da CART 3521, para os vivos que felizmente são muitos, um grande abraço, aos mortos, que a sua alma descanse em Paz.

Faz hoje 40 ANOS que passámos a integrar o contingente de tropas, no Teatro de Operações da Guiné (CTIG).

No dia 29/12/1971, atracou no porto de Bissau, o navio NIASSA que tinha zarpado de Alcântara no dia 22/12/1971, com a missão de fazer chegar a bom porto a CART 3521 e o BART 3873.

Consciente que a memória, pelo tempo passado, poderá não estar muito bem afinada, creio que só tiveram direito a pisar o chão de Bissau alguns graduados, o restante pessoal ficou na área circundante ao porto, a aguardar a entrada para a LDG, que horas depois começou a navegar na direcção de Bolama.

Foi nesta Ilha que celebrámos a primeira das três passagens de ano em Território da Guiné. Periquitos, cheios de medo, aguardámos com ansiedade que a meia-noite chegasse. Penso que não tivemos direito a "rancho" melhorado, muito menos a champanhe.

Ao longe ouvimos rebentamentos, alguém estaria a embrulhar, não me lembro se chegámos a saber onde foi.

Assim foi a nossa chegada à Guiné e os três primeiros dias em terra de guineenses.

Quis ser breve, pois só no fim de jantar tive oportunidade de escrever esta dúzia de palavras.

Um abraço para toda a Tabanca Grande e um 2012 recheado do que mais desejarem.
Adriano Neto
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 14 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9198: Tabanca Grande (311): Adriano Lopes dos Santos Neto, ex-Fur Mil da CART 3521 (Piche) e CCAÇ 11 (Paunca), 1971/74

Vd. último poste da série de 17 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9219: Efemérides (61): A invasão da Índia Portuguesa em 18 de Dezembro de 1961 (José Martins)

Guiné 63/74 - P9289: Fragmentos da minha passagem pela tropa (Carlos Rios) (4): Fragmentos Genuínos - 2

FRAGMENTOS GENUÍNOS - 2

Por Carlos Rios, ex-Fur Mil da CCAÇ 1420/BCAÇ 1857, Mansoa e Bissorã, 1965/66


Retrospectivo agora um acidente marcante e que emocionou toda a gente; um dos condutores da Companhia de Formação e Serviços ao pôr uma GMC em movimento fê-lo no sentido inverso, entalando contra a parede do refeitório um camarada que teve morte imediata; nomeado o Alf. Mil. Pamplona para tratar das formalidades do enterro do jovem, lá fui também nomeado juntamente com mais seis praças companheiros do infortunado. Transportando-nos em duas viaturas uma maior onde ia eu próprio ao lado do condutor, indo na retaguarda em bancos laterais os praças tendo ao centro o caixão vindo atrás um velhinho Willis com um condutor a transportar o Alferes. Deslocámo-nos para o cemitério de Olhão por aí existir uma casa mortuária, aí já se encontrando no exterior os familiares do finado, onde foi feita a autópsia ao corpo, a que o Alferes teve de assistir para vir a elaborar o respectivo auto. Terminada que foi a autópsia, o coveiro que servia de ajudante ao médico, pegou em todos os utensílios cirúrgicos utilizados para o efeito, meteu-os num alguidar de plástico e veio ao exterior para uma torneira existente junto dos familiares, lavar toda aquela parafernalha ensanguentada. Que doloroso foi assistir aquelas manifestações pungentes e revoltadas.

Terminou esta fase ainda com a soldadura do caixão cuja execução digno de ser comparado com um das momentos de Hitchkoc. Aproximou-se a noite e como a casa mortuária não tinha luz, o expedito coveiro (não tinha o olho direito) foi buscar um gasómetro e foi a essa luz que o soldador fez o trabalho. Episodicamente saiam do caixão sopros de ar que digo com franqueza me aterrorizavam. Num dos intervalos que fazia para espairecer, um dos militares que nos acompanhavam, lembrou-me que não tinham jantado, pelo que dando dinheiro a um o encarreguei de ir comprar umas sandes e bebidas. Terminadas que foram estas peripécias arrancámos para Portel, agora levando atrás da viatura em que ia o caixão o carro com os familiares. Os militares aproveitaram a viagem para degustarem a merenda que tinham ido comprar; creio que a mesa terá sido o caixão vindo logo atrás o carro da família.

Participei, de homenagem durante toda a noite junto do desventurado defunto ate é a hora do funeral logo nos alvores da manhã.  A noite estava extremamente fria, não houve por parte de ninguém a oferta nem sequer de um golo de água e muito chegados a Portel, já alta noite, ali mantivemos um sentinela, em que também menos foi dirigida uma palavra. A tropa foi a responsável pela morte do ente querido e nós éramos a sua face. Após o cumprimento do regulamentado protocolarmente com a execução de salvas no acto final, antes do corpo baixar à terra, seriam pouco mais de 8h00, dirigimo-nos ao posto da GNR onde me foi dado assistir a uma cena perfeitamente rocambolesca: o Pamplona fardado com o capote (era bonito) cinzento com as virolas da gola em vermelho entrou no Posto, e provavelmente por ter ouvido barulho, apareceu numa porta lateral um Cabo já quarentão, de camisa da farda e em ceroulas; ficou varado: ainda ameaçou bater a pala, nunca vi expressão tão cómica. O Pamplona lá o fez vir a si pelo que rapidamente se despachou carimbando a guia de marcha e arrancámos direitos a Tavira, não sem antes nos banquetearmos com um suculento almoço oferecido pelo inefável jovem alferes.

Mais dois acontecimentos durante a minha estadia nesta cidade antes de vir a ser mandado apresentar em Abrantes já mobilizado para a Guiné, de notar que o meu irmão mais velho tinha acabado de chegar da guerra de Angola.

A primeira é demonstrativo da violência sobranceria e displicência eram tratados os jovens entregues à guarda desta instituição e ocorreu ainda durante o período em que estava a tirar a especialidade.

A actividade que fomos desenvolver nesse dia tratou-se de numa improvisada carreira de tiro que existia nas traseiras da enfermaria fazer treino de tiro com a metralhadora Dryse. Depois da necessárias recomendações pelo jovem alferes Cadete, Oficial de Tiro para aquela actividade, lá começámos a tarefa. Durante a sua actuação, o Silva de Braga, Professor Primário, deixou encravar a arma e inadvertidamente ainda deitado levantou-a do chão, de imediato o crápula do Alf Cadete lhe espetou um pontapé, que lhe quebrou duas costelas.

Não posso de deixar de contar esta rocambolesca estória quase no fim da minha estada em Tavira, um dos instruendos do Curso de Oficiais Milicianos de Infantaria que aqui decorreu, foi intimado a comparecer em Tribunal Civil no Porto para ser julgado. Fui nomeado como guarda do jovem em causa para o acompanhar ao julgamento e no caso de ser condenado teria de o trazer de regresso ao Quartel. Em conversa com o elemento foi-me transmitido por este, que praticamente estava assegurado que seriam os dois absolvidos, o pai também era arguido no processo. Então lá nos preparamos para apanhar o comboio do fim da tarde que chegou no dia seguinte de manhã a S. Bento. Mandei o meu “preso” levar uma mala com roupa civil e eu fiz o mesmo. Sai do Quartel de Tavira um desconchavado cabo-miliciano, já bastante conhecido fardado e de pistola à cintura e um anafado Cadete na sua coquete farda. Assim que o comboio arrancou, fomos imediatamente a casa de banho vestir a nossa roupa e transformámo-nos em dois jovens em amena cavaqueira a caminho do Porto, não sem antes eu ter dito: - Oh "meu a partir de agora amigo”, não penses em te pirar porque nem que vás até Paris eu vou atrás de ti.

Fizemos uma longa e incómoda viagem e ao chegarmos à Estação de S. Bento encontrava-se meio encoberto um casal que ao ver-nos aproximar se desmanchou no melhor dos sorrisos de boas vindas que se pode receber, não entendi o que esperavam ver. Lá nos metemos no carro do pai do jovem e seguimos de imediato para o Tribunal, mudámos dentro do carro de roupa convenientemente, e foi realizado o julgamento que de facto deu na absolvição.

Ainda me convidaram para ir a casa deles mas estava nos meus planos vir para casa - Caxias - para desfrutar do fim de semana e abalei imediatamente para a Estação de Comboio para passados poucos minutos embarcar. Apenas já depois de estar no comboio mudei de roupa, até a malvada da pistola foi à cintura até aí. Enfim coisas de um desmiolado e imberbe saloio.

(Continua)
____________

Nota de CV:

Vd. poste de 28 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9279: Fragmentos da minha passagem pela tropa (Carlos Rios) (3): Fragmentos Genuínos - 1

Guiné 63/74 - P9288: Notas de leitura (318): Literaturas da Guiné-Bissau, Cantando escritos da história (2) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem de Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 29 de Novembro de 2011:

Queridos amigos,
Nada conheço de mais actualizado sobre os novos rumos da literatura da Guiné-Bissau.
É lastimável que a generalidade dos autores aqui referidos não apareça nas nossas livrarias, sendo inequívoco que alguns deles são escritores de elevada qualidade e credores da nossa atenção. Margarida Calafate Ribeiro e Odete Costa Semedo estão de parabéns, encontraram uma boa paleta de colaboradores que permitem descodificar a premente questão do uso do étnico, do veicular e do português na construção literária, qual é a marca de água desta nova literatura e no contexto da africanidade, para onde está a evoluir o romance, a poesia e o teatro, por exemplo.
Ninguém que seja um curioso pela cultura guineense pode ignorar esta rosa de ventos.


Um abraço do
Mário


Literaturas da Guiné-Bissau*:
Os nomes que se impuseram depois do conflito político-militar 1998-1999

Beja Santos

A reflexão multifacetada que diferentes autores e estudiosos da literatura da Guiné-Bissau oferecem no importante livro “Literaturas da Guiné-Bissau, cantando os escritos da história”, tendo como organizadores Margarida Calafate Ribeiro e Odete Costa Semedo (Edições Afrontamento, 2011) gira no essencial sobre a identidade destas vozes, a sua força temática, os seus principais géneros e o reportório e caracterização dos escritores que conseguem superar todos os escolhos para ver os seus trabalhos publicados.

A estudiosa Teresa Montenegro utiliza o termo fogo como uma constante metafórica da escrita guineense. O fogo como luz e fulgor, chama em movimento ou entusiasmo; um fogo descontrolado que pode destruir os campos e afastar a caça, este fogo, neste caso significa morte, dor e punição. Um fogo presente na forja dos ferreiros, ligado à febre, à mente delirante, à cólera ou à paixão. A estudiosa faz a evocação deste fogo que queima em sentido figurado, do fogo destruidor que vai até à noite do passado histórico e que tem a ver com a derrota dos Mandingas ou dos Bijagós, a representação do feiticeiro está igualmente ligada ao fogo e são inúmeras as fábulas da tradição oral guineense onde o fogo tem um papel central.

Outra estudiosa, Íris Maria da Costa Amâncio destaca dois eixos de tensão no processamento da literatura dramática guineense onde a escolha da língua é uma questão de fundo: a língua étnica, a língua franca ou a língua oficial. Até à independência, a literatura guineense propendia para uma visão eurocêntrica, segue-se uma fase em que o ardor nacionalista e independentista usou o português como fala exclusiva; com a independência, o teatro ou as representações teatrais tradicionais orientaram-se para o uso do crioulo, foi um período fértil até de adaptações de clássicos (caso do Macbeth, de Shakespeare) recorrendo a velhas questões tribais, na linha de Brecht (o acontecimento deve ser narrado de forma que o espectador, diante da acção, assuma um posicionamento, tome decisões).

No virar do século, um acontecimento dramático fez inflectir a comunicação pela literatura: um conflito que dividiu os apoiantes de Nino Vieira e a Junta Militar, que levou à expulsão de forças senegalesas e provenientes de Conacri, à diáspora de muita gente que vivia na região de Bissau e cujas cicatrizes ainda estão mal curadas. Todo este sofrimento veio avolumar contradições da consciência histórica e fazerem romper novos procedimentos estéticos. Odete Costa Macedo é o primeiro nome que se avantaja neste novo panorama com dois livros de contos Soneá e Djênia. Uma editora independente, a editora Ku Sin Mon irá ter um papel relevante no estímulo a estes novos escritores como Carlos-Edmilson M. Vieira, Marinho de Pina e Waldir Araújo. A poesia ganha novo fôlego com Manuel da Costa, Rui Jorge Semedo, Filomena Embaló, Tomás Soares Paquete, Tony Tcheka e consagra-se definitivamente no romance Abdulai Sila, autor dos romances Eterna Paixão, A última tragédia e Mistida, bem como da peça teatral As Orações de Mansata.

Alguns nomes como Félix Sigá e Conduto de Pina vinham já de uma anterior busca de identidade e confirmaram-na depois da tremenda convulsão que foi o conflito político-militar a que se podem também juntar nomes como Nelson Medina, que usa frequentemente o crioulo.

Num estimulante ensaio, Laura Cavalcante Padilha faz uma análise dos romances de Abdulai Sila, um romancista que usa magistralmente o pensamento de Amílcar Cabral e o seu legado, os códigos do período colonial, transpondo os estereótipos da dominação branca para a nova classe possidente, repescando, dentro destas representações da violência colonial imagens do animismo e da feitiçaria. Prosseguindo dentro desta saga histórica, Abdulai Sila critica a nova classe dirigente e as instâncias neocoloniais para, em Mistida denunciar toda a precariedade do tempo presente, a nação à deriva e sem nenhum sentido de identidade. A autora do ensaio fala mesmo em trilogia, fica entreaberta a porta seja para a esperança seja para a continuação da violência.

O livro permite a Abdulai Sila que fale na primeira pessoa do singular, dá margem para que se sinta a inquietação africana em que se mesclam poesia e romance, como neste parágrafo:

“Quero gritar por ti, mas a dor não me deixa, mãe. Mãe, tenho um punhal de dois gumes espetado no peito, que me impede abraçar-te. Por isso, mãe, deixa o meu outro eu, aquele que mantive imune, procurar asilo no teu ventre. E se me perdoares, mãe, se me esqueceres, ficarei à espera de mim. E no teu próximo parto, mãe, eu serei eu mesmo. Para que esse amor que tenho, essa profunda paixão pela vida, não fique reduzida a uma mera e fútil recordação”.

Carlos Lopes, hoje Subsecretário-Geral das Nações Unidas, é outra das vozes fortemente críticas da moderna literatura guineense, seguramente o texto escolhido para o apresentar neste caleidoscópio denota o cansaço pelo aparato político baseado na argumentação de que os outros políticos são sórdidos, enfim a chamada roupa suja e em que vence o que ele designa por partido dos surdos:

“Eu já não posso mais. Esta família passa a vida a discutir heranças, falam da casa e bens com tal paixão e ódio que nem parecem irmãos do mesmo sangue. São capazes de discutir penicos, travessas, almofadas e qualquer dia até os restos do frigorífico, como se as suas vidas dependessem completamente destes bens deixados (…) digam-me só meus caros como é que julgam esta família? Acham um exagero eu estar a dizer que sinto vergonha que ninguém respeita a memória daqueles que lutaram para que fossemos gente? (…) Não se pode aceitar que quase 10 anos depois de os pobres estarem debaixo da terra ainda se revolva mais do que o estrume das suas vidas: o pai devia ter feito isto… a mãe devia ter feito aquilo… se eles tivessem dividido tudo não era preciso esta confusão… Mas falando disso se calhar a questão não é a divisão, porque eles, verdade seja dita, não fizeram mais do que pensar no presente sem nunca imaginar que não nos íamos entender à volta dos bocados deixados”.

Temos, por fim, a carta aberta de uma bidera abstencionista aos que querem mandar na Guiné, da autoria de Fafali Koudawo, reitor da primeira universidade guineense, investigador emérito. Depois de se apresentar como bidera de peixe, propõe-se dizer algumas verdades aos dois candidatos presidenciais, quer falar em nome dos filhos, antes que seja tarde de mais e diz desabridamente:

“Neste momento, a maioria das pessoas que falam connosco dizem que o país vai de mal a pior. Eles pensam que os políticos não dizem a verdade e não pensam no povo. Eu penso como eles. Pois, vivo o retrocesso do país diariamente. Por exemplo, quando comecei a escola em Bor, havia salas de aulas e mesmo uma residência para alguns professores. Agora, a maior parte da escola está feita de kirintin. É a maior escola de barracas da capital, a poucos quilómetros do centro da cidade (...) Como posso ir votar se ninguém me convence que vai realmente mudar a minha vida e dar esperança aos meus filhos? Em 2000, eu votei em Koumba Yalá porque acreditava que, finda a guerra, o país iria ter uma alternativa. Em 2004, eu escolhi Cadogo porque eu tinha visto o descalabro que levou as pessoas a não receberem os seus ordenados durante quase um ano, em 2002-2003. Em 2005, votei em Nino Vieira porque ele representava a autoridade que devia acabar com o deslize para a anarquia. Em 2008, votei no PRID, cujos candidatos nos disseram que iriam ajudar Nino a reconstruir o país. Hoje, tenho muitas dúvidas sobre a seriedade da fala dos políticos. Hoje, estou com medo porque a violência é a linguagem que mais se ouve no país”.

Para quem pretende aprofundar conhecimentos sobre o que se passa com a literatura da Guiné-Bissau, não há que hesitar, este livro é abrangente sobre as formas de inovação e o sofrimento que atravessa todo o discurso literário guineense.
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 26 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9270: Notas de leitura (316): Literaturas da Guiné-Bissau, Cantando escritos da história (Mário Beja Santos)

Vd. último poste da série de 28 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9283: Notas de leitura (317): Vie et enseignement de Tierno Bokar - Le Sage de Bandiagara, de Amadou Hampaté Bâ (Cherno Baldé)

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Guiné 63/74 - P9287: Excertos do Diário do António Graça de Abreu (CAOP1, Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74) (2): As duas passagens de ano: Canchungo, 1972/73, e Cufar, 1973/74

1.  Do nosso camarada e amigo, António Graça de Abreu (AGA), publica-se mais dois excertos do seu Diário da Guiné, 1972/74, a partir do ficheiro em word que serviu de base à publicação do livro Diário da Guiné: Lama, Sangue e Água Pura (Lisboa: Guerra & Paz Editores, 2007, 220 pp). 

Trata-se de duas "passagens" de fim de ano/ano novo: a de 1972/73 (em Teixeira Pinto ou Canchungo, na região do Cacheu, a noroeste) e a de 1973/74 (em Cufar, na região de Tombali, no sul). O estado de espírito de um homem, ao entrar no ano da peluda, já não era o mesmo do periquito, desembarcado em Bissau, 18 meses antes, em 24/6/1972 (*)... O AGA era Alf Mil, Secretariado, Serviço de Pessoal, do CAOP 1 (Teixeira Pinto, Mansoa e Cufar, 1972/74).

Ao AGA e e à sua família lusochinesa só posso desejar os melhores votos para 2012: saúde, paz, sabedoria, esperança... Aqui, do sossego do antigo do Convento de Nossa Sra. do Carmo, do Séc. XVII, hoje hotel rural, Freixinho, Sernancelhe, em pleno coração das Terras do Demo, com um Alfa Bravo do amigo e camarada LG.

(...) Canchungo, 27 de Dezembro de 1972

Ontem vi um filme de Claude Chabrol, A mulher infiel. Deve ser obra menor dentro da cinematografia do francês, mas que diferença das habituais pepineiras que costumam colorir o écran do Cine-Canchungo!

Estou a ler Os Maias, a velocidade de cruzeiro. Grande Eça! Que prosa, o encadeamento dos personagens e que gente, o Carlos, o Ega, a Maria Eduarda, o velho Afonso da Maia! Foi preciso vir para a Guiné para ler Os Maias! Já está aqui ao lado A Ilustre Casa de Ramires, à minha espera. Depois de Eça de Queirós quem será capaz de escrever melhor, de cinzelar tão bem a língua portuguesa e de lhe misturar diamantes e pérolas? 


Canchungo, 28 de Dezembro de 1972 

Ainda os livros. Os Maias já estão, que delícia!

Leio também Textes et Chansons de Jacques Prévert e Boris Vian, uma antologia emprestada pelo Cravinho, o meu novo companheiro de quarto. De Prévert:

La vie est une cerise, 

La mort est un noyau,
L’amour un cerisier.


Leio ainda os Contos do Autómato, outra vez Moravia. Ler, pensar, questionar, aprender. Livros não me faltam. Agora veio a oferta do Movimento Nacional Feminino aos soldados de Portugal, oito obras para cada um. Havia gente que não estava interessada em ler, então, por vias travessas, acabei por arrepanhar dezasseis livros. Alguns não têm interesse, outros vão-me ajudar a fluir melhor por dentro do tempo da Guiné. Tenho a Eugénia Grandet, do Balzac, A Queda do Albert Camus, a Aparição do Virgílio Ferreira, Fernão Lopes, Régio, uma Antologia de Poesia Brasileira, até tenho Cervantes.

Refugio-me nos livros. O padre António Vieira dizia que os livros são como os cães, os melhores amigos do homem. 


Canchungo, 1 de Janeiro de 1973

Ontem à noite houve corrida de São Silvestre organizada pela Acção Psicológica do CAOP 1. Às nove e meia da noite, tínhamos noventa figurões equipados, com postura de grandes atletas, a dar três voltas à avenida principal. Fui assistir na companhia do alferes Paiva, da 38ª de Comandos [1]. 


Mas ele tinha outra ideia, sub-reptícia, fixa. Quase em segredo, queria-me mostrar a sua namorada (?) libanesa, uma mulher assustadora, solteira, com quase cinquenta anos convencida que tem vinte e dois, e que atrai os homens. Vive no centro da vila, na praça Dr. Oliveira Salazar com a família de comerciantes vindos do Líbano. Como é que esta gente veio parar à Guiné? A senhora pinta o cabelo  - uma tenebrosa cabeleira loira,  -  pinta os olhos, pinta os lábios, pinta as unhas, pinta tudo. Usa uns brincos de folheta vindos de Salamanca, Espanha – diz ela, – tem a cara envelhecida coberta de cremes e pós. É um mamarracho digno de exposição. O Paiva, pouco mais de vinte anos garbosos e valentes, conduziu-me até casa dela, queria que eu a conhecesse. A mulher recebeu-nos como se tivessem chegado dois príncipes da Pérsia. Cumprimentei-a e vim educadamente embora. O alferes Paiva, Comando, capaz de todos os gestos heróicos, ficou lá a desmaquilhar suavemente a dama libanesa. 

À meia-noite, em casa do capitão Pancada abriram-se umas garrafinhas de Magos e de champanhe. O Pancada e o alferes Gamelas têm consigo as esposas, simpáticas, bonitas, ambas de nome Helena. Estavam felizes, dançavam enlaçados, beijavam-se. Na sala havia mais quatro homens casados com as mulheres em Portugal. Olhávamos uns para os outros, mastigávamos em seco, sorumbáticos, tristes. Éramos o alferes Teixeira, um excelente rapaz do Batalhão 3863, o alferes Tomé, meu companheiro de quarto, o furriel Rodrigues também do Batalhão, e eu. 

Depois do “réveillon chez Pancada”, o Tomé foi ainda beber com os alferes Comandos – não sei se o Paiva já voltara do seu sortilégio libanês, – e regressou às tantas ao quarto, a gatinhar, a gritar a frase do costume “Tirem-me daqui, tirem-me daqui!” 

Canchungo, 3 de Janeiro de 1973

A 3 de Janeiro de 1974, ainda nesta guerra. Mais trezentos e sessenta e cinco dias a preencher sei lá com quê. Haverá dias pavorosos, outros mais lassos e pacatos, enfim o tempo manda, temos de passar por dentro dele. 


De hoje a um ano, eu pequeno, ignorado, na Guiné mascarada, massacrada, quero continuar lúcido, a lutar por mim e contra mim - contra os meus defeitos, - a não combater ninguém. Mais velho, mais gasto, mais cansado. (...)

[1] Para a história da 38º. Companhia de Comandos, ver Resenha Histórico Militar das Campanhas de África (1961-1974), Lisboa, Estado Maior do Exército, 1988 a 2002, 7º vol., tomo II, pag. 536.

___________________

(...) Cufar, 28 de Dezembro de 1973 

Retratos dos dias, sementes em chão calcinado, rios cinzentos e sangue vermelho a escorrer pelas margens.

Eram sete da manhã quando os Fiats picaram sobre Cufar e foram largar as bombas aqui ao lado, a uns quinze quilómetros, sobre a aldeia de Santa Susana, controlada pelos guerrilheiros. Depois, durante quase todo o dia foram chegando a Cufar homens, mulheres e crianças estilhaçadas pela guerra, os muitos feridos do bombardeamento sobre Santa Susana. 

Ao alvorecer, bombardeámos aquela pobre gente, depois, a partir do fim da manhã, tudo fizemos para os tratar, para lhes salvar as vidas. 

Os portugueses têm bom coração. 

Cufar, 30 de Dezembro de 1973 

Inevitável, a guerra actua sobre mim. Tenho dormido horrivelmente mal, mas quem é que consegue dormir bem com quase vinte e quatro horas de rebentamentos constantes, de todo o tipo, à sua volta? Ando mais nervoso, descontrolo-me e grito com mais facilidade, eu que por norma sou uma pessoa tão calma! Pois, o coração bate mais perto da boca, mexe-me com a sensibilidade. Faço um esforço, procuro o auto-domínio e a serenidade. Tem de ser, não me posso deixar destruir. 

Cufar, 31 de Dezembro de 1973 

Aquela história da irmã pequenina da Maria, a minha lavadeira, fez com que eu arranjasse uma grande amiga. A miúda, em língua mandinga, chama-se Nandi Camará e adoptou o nome português de Mariana. Afinal tem só sete anos, se eu tivesse oito ou nove anos queria-a para minha namorada. É uma menina bonita, tem uns olhos grandes de veludo, redondos como a lua cheia. Quando fui a Bissau tratar dos dentes, a Nandi pediu-me para eu lhe trazer uma camisa. Comprei-lhe um vestidinho, um brinquedo e dois pratinhos de esmalte colorido com os respectivos talheres que lhe ofereci no dia de Natal. Reagiu com uma alegria que eu desconhecia numa criança, cantava modinhas que não entendi, dava saltos à roda de si própria. Nunca ninguém lhe oferecera um brinquedo. Trouxe também um saco cheio de balões e uns ursinhos de peluche para os outros miúdos da tabanca da Nandi. É fácil fazer felizes estas crianças de Cufar que vivem tanta guerra e nem uma escola têm para aprender a ler. 

Cufar, 1 de Janeiro de 1974 

Chegou o ano da “peluda”!

Entrei pelo réveillon dentro ao som de milhares de tiros e rajadas de G 3. 


O meu coronel [, comandante do CAOP1,] havia dado ordens ao capitão da companhia dos açoreanos e a toda a tropa de Cufar para que, ao chegar da meia-noite, ninguém disparasse um único tiro. Falou em dez dias de prisão para o energúmeno que tivesse a ousadia de pegar na espingarda e fizesse fogo. 

À meia-noite menos dez começou o fogachal. Os açoreanos [, da CCAÇ 4740,] saíram das suas tabancas às dezenas, armados, com as G 3 apontadas para o céu e vá de despejar carregadores após carregadores. Ao soar das doze badaladas – que ninguém ouviu até porque não soaram badaladas nenhumas, - tínhamos apenas o matraquear constante das armas ligeiras que quase levantavam Cufar do chão. Uma festa! Por todo o lado, havia tiros à solta. Os rapazes, bêbados, tontos de desvairo, não disparavam apenas para o ar. 1974 também é para eles o ano da “peluda” e quase se podiam ver balas cruzadas a rasar as nossas cabeças. Felizmente ninguém foi atingido. O meu coronel manteve-se quietinho no seu quarto, ninguém deu por ele. 

Se as bebedeiras são o pão nosso de cada dia, neste fim do ano foi demais. Eu também ando a beber mais do que devo, é fácil uma pessoa enfrascar-se e vou explicar como é, basta contabilizar a rotina do dia. Ao almoço, ao meio-dia, o pobre repasto é acompanhado com vinho, às quatro da tarde, por causa do calor, bebe-se uma cerveja, às sete, ao jantar, marcha mais meio litro de vinho, depois enfia-se um café e uma aguardente, às nove ou dez, há petisco, por exemplo umas chouriças assadas, bebem-se mais umas cervejas e no fim, para atestar, sorvem-se lentamente uns copos de whisky.

Chegou 1974. É a sequência irreversível dos dias. Em breve partirei, estes açoreanos regressarão igualmente a casa, outros rapazes oriundos dos quatro cantos de Portugal virão para a Guiné. Até quando?

Cufar, 4 de Janeiro de 1974 

Ontem de manhã acordei com mais um tremendo “embrulhanço”, os rebentamentos uns atrás dos outros. Era a estrada Cadique-Jemberém. Ainda na cama pensei: “Lá estão mais pobres desgraçados a morrer!” Era verdade, dois soldados mortos do batalhão de Cadique, os corpos destroçados (**). Vieram para Cufar e, como de costume, aqui foram metidos nas urnas junto com um fuzileiro que esperava por caixão há dois dias e já cheirava mal. O cangalheiro vestiu o fato de madeira e chumbo aos três. Já ninguém estranha muito, estamos habituados, a vida continua. Mas porque diabo é que o rodopio dos mortos e feridos passa sempre por Cufar?... 

Tenho constatado que em muitos de nós existe um prazer sádico, mórbido em ver mortos e feridos. Faço parte do grupo. Há qualquer coisa de macabro no ser humano, talvez uma silenciosa nostalgia da morte que nos aguarda a todos. 

Ontem, ao fim da tarde, quando o cangalheiro metia os três rapazes nos caixões, ao ar livre, no largo no centro de Cufar, juntaram-se à volta umas dezenas de mirones, brancos e negros. Um furriel pegou numa G 3 e ameaçou disparar sobre os curiosos se não desaparecessem imediatamente. Assisti a tudo, parado, insensível como um boneco de gesso, a cinquenta metros de distância. (...)
_______________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 24 de dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9262: Excertos do Diário do António Graça de Abreu (CAOP1, Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74) (1): O Natal de 1973, em Cufar, na véspera da Op Estrela Telúrica...

(**) Julgo que nesta altura (e até Fevereiro de 1974) estava em Cadique a madeirense CCAÇ 4942/72