sábado, 28 de maio de 2011

Guiné 63/74 - P8345: Efemérides (69): 28 de Maio de 1969: o ataque de 40 minutos a Bambadinca (Carlos Marques Santos / Beja Santos / Luís Graça)







Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > CCS do BCAÇ 2852 (1968/70) > O Alf Mil de Transmissões, Fernando Calado, de braço ao peito, junto à parede, crivada de estilhaços de granada de  morteiro, das instalações do comando, messe e dormitórios de oficiais e sargentos, na sequência do ataque de 28 de Maio de 1969. Esta era a parte exterior dos quartos dos oficiais, mais exposta, uma vez que o ataque partiu do lado da pista de aviação. 


O Fernando traz o braço ao peito, não por se ter ferido no ataque mas sim por o ter partido antes, num desafio de... futebol. Infelizmente não temos mais fotos dos efeitos (de resto, pouco visíveis) deste ataque.

Foto: © Fernando Calado (2007). Todos os direitos reservados.





1.  Foi há 42 anos, a 28 de Maio de 1969: pouco mais de dois meses depois da grande Op Lança Afiada, que varreu toda margem direita do Rio Corubal, desde a foz até ao Xitole, o PAIGC atacou em força Bambadinca... Fomos recuperar algumas versões já publicadas no blogue, na esperança de ainda aparecer alguém que tenha testemunhado os acontecimentos - alguém da CSS/BCAÇ 2852 ou das sunubnidades adidas (Pel Caç Nat 63, Pel Mort 2106, Pel AM Daimler 2046 - que possa, com mais propriedade e autoridade, dizer o que se passou nessa noite... Falta-nos a versão (escrita) dos nossos camaradas que estavam lá nessa noite... Ao lomgo destes últimos anos tenho "ouvido" versões pontuais... (LG)




(i) O ataque a Bambadinca...visto de Mansambo
por Carlos Marques Santos (ex-Fur Mil, CART 2339, Fá e Mansambo, 1968/69) (*)

Dia 28 de Maio de 1969 ... Por volta das 00.30h ouvimos rebentamentos para os lados da Moricanhe. Mansambo ficava a sul de Bambadinca.

Afinal era Bambadinca. Era a primeira vez que tal sucedia. As minhas notas dizem que a 29 de Maio de 1969 fui informado às 5.30h que o meu Pelotão, o 3º da CART 2339, iria reforçar a sede de Batalhão por 15 dias.

Reforçar a sede do Batalhão? Coisa grossa, pensámos. Seguimos e aí tomámos conhecimento da destruição parcial do pontão do Rio Udunduma, afluente do Geba, na estrada Xime-Bambadinca.

Chegados à sede de Batalhão, iniciámos às 16h, com o Pel Caç Nat 63, a ocupação do pontão para sua defesa e de Bambadinca. No dia 30, fomos rendidos por 2 pelotões. Dia 31, pelas 14.00h fomos novamente para a ponte.

Dia 2 de Junho de 1969, pelas 20.30h, rebentamentos. Era Amedalai. 15 minutos depois Demba Taco e imediatamente Moricanhe. Dia 4 Moricanhe era evacuada para reforço de Amedalai. Dia 11, Mansambo era atacada e logo depois o Xime.

Regressámos a Mansambo.

A [, CCAÇ 2590,] futura CCAÇ 12 passou aqui nestes dias conturbados para iniciar a sua comissão [, em Contuboel]. [Mais concretamente, na manhã de 2 de Junho].





(ii) Três linhas telegráficas na história do BCAÇ 2852
por Luís Graça (**)




(...) Deixem-me só lembrar que, dois meses depois desta operação [, Lança Afiada,], o PAIGC retribuiu a visita das NT e apareceu às portas de Bambadinca em força: mais de 100 homens, três canhões sem recuo, montes de LGFoguetes, morteiros... 


Esse ataque ficou célebre: os camaradas de Bambadinca, segundo algumas versões que ouvi na altura, da "velhice",  e dados que confirmei mais tarde, teriam sido apanhados com as calças na mão, far-se-iam quartos de sentinela sem armas, não havia valas suficientes, houve indisciplina de fogo, etc.... Claro que no dia seguinte o Caco Baldé , alcunha por que era conhecido o Gen Spínola, deu porrada de bota a baixo, na hierarquia do comando do batalhão, do tenente-coronel (*Pimentel Bastos, o célebre Pimbas) até ao capitão da CCS (...).

A sorte da malta de Bambadinca (Comando e CCS/BCAÇ 2852, Pel Caç Nat 63, Pel Mort 2106 e Pel AM Daimler 2106, sem esquecer os civis...) terá sido, diz-se ainda hoje,  os canhões s/r, postados ao fundo da posta,  terem-se enterrado no solo e a canhoada cair na bolanha... Quando nós, periquitos da CCAÇ 2590 (futura CCAÇ 12), lá passámos, menos de uma semana depois, a 2 de Junho, a  vindos de Bissau e do Xime a caminho da nossa estância de férias (Contuboel, um mês e meio de paraíso... seguido depois de 18 meses de inferno...quando fomos justamente colocados... em Bambadinca), alguns dos nossos camaradas da CCS do BCAÇ 2852 ainda falavam com emoção deste ataque:
- Podíamos ter morrido todos - dizia-me o 1º cabo cripto Agnelo Ferreira, da minha terra, Lourinhã (...)

Na história do BCAÇ 2852, o ataque (ou melhor, "flagelação") a Bambadinca é dado em três linhas, em estilo telegráfico: "Em 28 [de Maio de 1969], às 00H25, um Gr In de mais de 100 elementos flagelou com 3 Can s/r, Mort 82, LGF, ML, MP e PM, durante cerca de 40 minutos, o aquartelamento de Bambadinca, causando 2 feridos ligeiros. " (...).



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > CCS/BCAÇ 2852 (1968/70) e CCAÇ 12 (1969/71> Uma jogatana de futebol, no campo de futebol do quartel, que ficava dentro do arame farpado... Ao fundo, as instalações de comando e, a seguir ao planalto de Bambadinca, a grande bolanha... A foto é tirada, do lado da pista, da direcção de onde terá partido o ataque de 28 de Maio de 1969, mal passava da meia noite.

 Foto: © Arlindo Roda (2010). Todos os direitos reservados.



(iii) Finete está a arder?
por Beja Santos (ex-Alf Mil, Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) (***)

 

(...) Em socorro de Finete...

Era precisamente meia noite e vinte e cinco [ de 28 de Maio de 1969] quando começámos a ouvir roncos em catadupa dos obuses, uma sinfonia de armas pesadas, rockets e morteiros, a terra tremia bem perto de nós, o negrume da noite deu lugar a riscos desses pequenos cometas que são as balas tracejantes a esvoaçar no éter. Ainda a limpar-me , subo ao abrigo onde Ussumane Baldé assiste deslumbrado ao foguetório e sinto o coração contricto quando lhe pergunto:
- Ussumane, é Finete que está a ser atacada? - A resposta é me dada pelo seu olhar súplice:
- Ah, meu alfero, eles vão partir Finete todinha!.

Os minutos passam e não vejo chegar resposta do fogo de Finete.
- Que é que leva aqueles gajos a demorarem tanto tempo a reagir? - A multidão cresce na parada, não há militar e civil que não esteja esgazeado a ver este ataque assustador, quer pelo porte, quer pela falta de reacção.

De vez em quando há fogachos em direcção contrária, mas quem domina nesta cantilena de morte são as armas pesadas e os sons que conheçemos ao armamento do PAIGC. O meu olhar mareja-se de lágrimas incontidas, de tudo me recrimino por não ter pensado que o PAIGC ia rapidamente embalar uma resposta à nossa aparição em Sinchã Corubal. O fogo atroador prossegue, todos lastimam a destruição de uma Finete e há quem já vaticine que está reduzida a escombros.

Pela última vez, no alto daquele abrigo que abre para Sansão e que numa grande angular permite ver tudo o que é floresta de 14 quilómetrs até Finete, vejo e olho e começo a sentir no ar a nuvem espessa de um fogo que devasta quem vive para aqueles lados do Geba. É então que grito que vou partir com os voluntários que se oferecerem , em auxílio de Finete. Para quem falou de prudência à hora do almoço, é exactamente o oposto o que se está a viver no frenesim na parada de Missirá: O Setúbal já faz roncar o Unimog 404 para onde vão saltar cerca de 20 voluntários armados até aos dentes.

No meio daquele desatino, ainda consigo seleccionar dois bazuqueiros, três apontadores de dilagrama e levo o morteiro 60. Sento-me ao lado do Setúbal e determino:
- Daqui até à entrada de Canturé podes ir a 100 à hora. Depois páras, iremos todos a pé os últimos 4 quilómetros.

A corrida desenfreada é digna de um filme: aos tombos dentro da caixa do Unimog, os meus soldados examinam as cartucheiras, as cavilhas das granadas, a posição em riste das metralhadoras; gritamos como num manicómio acerca de cuidados que sabemos que não iremos cumprir, zelos impossíveis de respeitar, apelo à serenidade que ninguém controla. E minutos depois, muitos minutos depois, o Unimog pára arfante onde começa a longa recta de Canturé, muito antes da curva que se orienta para Gambaná e daqui para Mato de Cão.

O Setúbal vai sozinho na viatura e de faróis apagados. Graças a uma nesga de lua, dez homens de cada lado flanqueiam a picada.O ar está empestado pela pólvora. Caminhamos à espera do pior. A prudência vai aparecer a dois quilómetros de Finete, onde o mato é denso e os poilões escondem o luar. De tanto gritar durante a viagem, como se estivéssemos a incutir coragem uns aos outros, damos agora com o silêncio sepulcral que nos envolve. Que raio de Finete é esta que não tem cubatas a arder, nem se ouvem tiros isolados, nem gritos dos agonizantes?

Com alívio, em marcha lenta, passamos os pontos onde era possível o inimigo estar emboscado. E do alto do alcantilado, que é essa inclinação abrupta que descemos e subimos para chegar ou partir de Finete, assobia-se aos sentinelas que respondem com entusiasmo. Aguarda-nos um quadro surreal: somos recebidos com entusiasmo, abraços, tudo quanto é sinal de boas vindas. Vejo Bacari Soncó avançar em passo lesto e abraçar-me. É a medo e com a voz embargada que lhe pergunto:
-Irmão, temos muitos mortos? - Um olhar coruscante precede o atónito da resposta:
- Mortos, mortos de quê?. Mortos só se for em Bambadinca, ali é que há manga de canseira!- Atónito estou eu:
-Bambadinca, então foi Bambadinca que foi atacada?

Os pormenores do ataque a Bambadinca, em carta enviada à Cristina

E o Unimog marcha aos tropeções pela bolanha de Finete. Quando chegamos à margem do Geba, o canoeiro Mufali vem buscar-nos. O rio está na vazante, entramos na canoa com lama até à cintura. Na outra margem aguarda-nos o Machado e as suas Daimlers. Enquanto subimos a rampa para o quartel, dá-me os pormenores do ataque.

Em aerograma à Cristina, no rescaldo da manhã seguinte:

Os rebeldes vieram pela pista de aviação e cemitério, atacaram o quartel frente à porta de armas, perto da tabanca fula, onde o Almeida (Pel Caç Nat 63) tem a sua tropa, as morteiradas caíram perto da central eléctrica, residência de oficiais e sargentos. Todos, que nunca tinham sonhado em tal arrojo, encheram-se de pânico, e vieram para a parada onde desataram a fazer fogo desnorteado, e só não houve feridos e mortos por milagre.

O Capitão Neves foi para o morteiro enquanto a tropa do Almeida repelia os rebeldes que avançavam para a residência dos oficiais. Depois retiraram e entretanto o pesado morteiro de Bambadinca começou a reagir. Há muitos quartos esburacados e tectos desfeitos. Só há um ferido ligeiro: o apontador de morteiro do Almeida que ficara em Finete enquanto eu estava numa emboscada, ainda ontem. Esta é a resposta à grande operação do Corubal, de há dois meses atrás. Este o ajuste de contas....


A recordação mais impressiva dessa madrugada era a mulher do Tenente Pinheiro à porta do abrigo, enquanto as crianças dormitavam lá dentro. Ao amanhecer, verificámos a extensão dos danos, mas o meu lugar já não era ali. Ainda aproveitei para fazer compras de víveres, trazer algumas camas e fardamento. (...)



(iv) A verdade e a honra: Pimentel Bastos, um oficial português
por Luís Graça (****)


(...) O Beja Santos que,  como sabem,  veio a correr, como mais 20 voluntários, de Missirá em socorro de Finete (que ele julgava que estava a ser atacada) e que, chegado aí, descobriu que o ataque era a Bambadinca, e que foi o primeiro a chegar à sede do batalhão, nessa noite de 28 de Maio de 1969 (vd. post de 1 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1012: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (3): Eu e o BCAÇ 2852, uma amizade inquebrantável ), vem em defesa da honra do seu comandante e seu amigo (um homem culto e sensível), garantindo-me, sob palavra de honra, que o Pimbas não estava em Bambadinca, mas sim em Bissau, de férias ou talvez em serviço, tanto faz… Logo nunca poderia ter sido ele o protagonista da humilhante cena no corredor, nas instalações dos oficiais, com o 2º comandante, de pistola em punho, a gritar: - Ó Pimbas, não tenhas medo!...

Aproveitou, o Beja Santos, no telefonema que me fez, na manhã do dia 2 de Agosto [de 2006], antes de ir de férias, também para me corrigir o seguinte ponto: o major que tinha a mania de andar com pistolas Walther em punho, à cowboy, era o de operações, o Viriato (Viriato Amílcar Pires da Silva), e não o 2º comandante, major Bispo (Manuel Domingues Duarte Bispo)…

(...) Compulsando a história do BCAÇ 2852, constato o seguinte, relativamente à actividade das NT no mês de Maio de 1969:

(i) dia 1, o Cmdt (Pimentel Bastos) deslocou-se ao local da Op Cabeça Rapada III;
(ii) a 8 acompanha o major de operações em visita ao Xitole e à Ponte dos Fulas;
(iii) a 12, os dois estão em Fá;
(iv) a 14, o Cmdt acompanha o Cmdt do Agr 2957 (coronel Hélio Felgas) em visita a Mansambo, Ponte dos Fulas, Xitole, Saltinho, Quirafo, Dulombi e Galomaro;
(v) a 24, o Cmdt deslocou-se ao Agr 2957 (com sede em Bafatá);
(vi) a 25 o Cmdt Militar e o Cmdt Agr 2957 visitam Bambadinca;
(vii) a 28, o Cmdt do Agr 2957, visita Bambadinca (depois do ataque, obviamente)…

Com esta actividade toda, não me parece razoável que o Pimental Bastos estivesse de férias, embora provavelmente já as merecesse: O BCAÇ 2825 partiu no Uíge, a 24 de Julho de 1968, e na estação seca de 1968/69 teve uma intensa actividade operacional, incluindo a Op Lança Afiada, a qual, segundo o Beja Santos, marca o princípio da desgraça do nosso tenente-coronel…



(...) Como é timbre da nossa tertúlia e e de acordo com o nosso código de ética, temos o direito à verdade, devemos sempre prezar a verdade dos factos… Temos também que prezar a honra dos nossos camaradas e até daqueles que mandaram em nós (umas vezes bem, outras vezes mal, não vamos agora discutir isso)… E sobretudo temos a obrigação de respeitar a memória dos nossos mortos – de todos os nossos mortos - que, esses, já não podem infelizmente defender-se nem apresentar a sua versão dos acontecimentos… (...) (*****)
_________________


(*****) Último poste desta série > 28 de Maio de 2011 >Guiné 63/74 – P8343: Efemérides (47): Conferência “Presença Portuguesa em África” pelo TCor José Brandão Ferreira, em Lisboa, 9 de Junho de 2011

Guiné 63/74 - P8344: Convívios (345): Jantar/Convívio de ex-Combatentes da Guerra de África no Restaurante Marinhos, em 3 de Junho, no Porto



Jantar/Convívio de ex-Combatentes da Guerra de África

A gerência do Restaurante Marinhos, no Porto, em colaboração com um grupo de ex-Combatentes, vai assinalar os 50 anos do início da Guerra de África, com um jantar convívio no dia 3 de Junho, pelas 21h00.

Para além do convívio de quem sofreu e lutou pela Pátria, o jantar contará com um momento musical, uma mostra de fotos, e histórias contadas na primeira pessoa, como forma de mostrar o outro lado da guerra.

As inscrições estão abertas a todas as pessoas que queiram participar, mesmo não tendo participado directamente na guerra e podem ser feitas para o e-mail: bentomouramarinho@gmail.com ou pelo telemóvel 916 472 151.

O preço do jantar é 10 euros e inclui bebidas, o prato principal, sobremesa e café.
____________
Nota de M.R.:

Vd. último poste desta série:


Guiné 63/74 – P8343: Efemérides (68): Conferência “Presença Portuguesa em África” pelo TCor José Brandão Ferreira, em Lisboa, 9 de Junho de 2011


Camarigos,

Enviado pelo meu amigo TCor José Brandão Ferreira, recebi este convite e documento de "Introdução à Conferência" .

Um abraço do
Joaquim Mexia Alves
A PRESENÇA PORTUGUESA EM ÁFRICA

Introdução à conferência
A Comissão Executiva do XVIII Encontro Nacional dos Combatentes deci­diu prestar homenagem a todos os portugueses, civis e militares, que em Á­fri­ca se sacrificaram pela sustentação do Império, promovendo uma confe­rên­cia, em con­junto com a Direcção da Revista Militar e a Associação de An­tigos Auditores dos Cursos de Defesa Nacional, no dia 9 de Junho de 2011, no Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.
Para o efeito procedeu a convite a académicos eméritos para o tratamento dos temas que pareceram mais adequados aos fins em vista, e que irão pro­por­cionar a reflexão sobre os méritos do legado civilizacional deixado em Á­fri­ca pelos portugueses. Por razões evidentes da exiguidade do tempo foi da­da­ prioridade a Angola, Moçambique e Guiné, onde decorreram as últimas operações militares do Império, não esquecendo igualmente o preito de ho­me­nagem aos que defenderam a soberania naci­onal noutros territórios ultra­ma­rinos.
A Conferência terá duas partes, sendo a primeira dedicada à ocupação dos ter­ri­tó­rios na senda das Descobertas, que custaram muitas vidas de cidadãos nacionais, especialmente provocadas por doenças, assim como ao alarga­men­to progressivo do espaço em conformidade com as capacidades nacio­nais, sem prejuízo da manutenção das posições costeiras ameaçadas por for­ças estrangeiras, em particular europeias. A presença portuguesa neste espaço fez vingar os direitos históricos reivindicados por Portugal quando os apeti­tes das outras potências, muito mais poderosas, se tornaram ostensivos, prin­ci­pal­mente a partir do Congresso de Berlim de 1884/5. A reacção nacional ao Ultimato inglês veio provar que a tarefa ciclópica de construção de um Im­pério que aquela ocupação constituiu, de facto, um desígnio nacional.
Este andamento dos portugueses, funcionários, empresários, comerciantes, mi­li­ta­res e missionários, foi algumas vezes contemporâneo, noutras antece­deu, as migrações dos povos africanos. O processo da conquista deu origem a cho­ques, submissões, reconhecimento de direitos, típicos de processos se­mel­han­tes ocorridos ao longo da História em todas as partes do Mundo.
Importa-nos uma descrição objectiva das situações então ocorridas de acordo com os valores do tempo histórico, desmascarando enfoques que não visam a verdade, mas que se verificam, muitas vezes para denegrir a importância da presença portuguesa, num jogo de poder invisível.
Interessa reflectir sobre os encontros ocorridos entre os portugueses e os a­fri­ca­nos, traduzidos em negociações amigáveis, que constituíram verdadei­ros encontros civilizacionais. O legado mais importante deixado por Portu­gal foi o início da constituição de Nações nos territórios definidos à custa de vidas humanas e do reconhecimento internacional dos direitos históricos so­bre esses territórios. E é o resultado daqueles encontros e deste legado que tor­narão indestrutíveis os laços que actualmente unem Portugal a todos os paí­ses onde se fala a língua portuguesa.
A segunda parte da Conferência trata do esforço militar realizado por portu­gue­ses e africanos, civis e militares, indígenas e forças expedicionárias, nas lutas pela definição dos limites territoriais e pela consolidação da soberania, a partir dos finais do século XIX e durante a primeira década do século XX, assim como os novos problemas políticos que conduziram à Guerra do Ultramar.
José Brandão Ferreira
____________
Nota de M.R.:
Vd. último poste desta série:

28 de Maio de 2011 >
Guiné 63/74 – P8341: Efemérides (46): XXVIII Encontro Nacional de Combatentes, 10 de Junho de 2011, em Belém/Lisboa

Guiné 63/74 - P8342: O Nosso Livro de Visitas (112): Campelo de Sousa, ex-radiotelegrafista de rendição individual (Bafatá, 1970; Nova Lamego, 1971/72), relembrando a sua passagem por Bambadinca



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > CCS / BART 2917 (1970/72 > A parada do quartel de Bambadinca, a capela (que servia também de casa mortuária...)  e, à direita, a secretaria da CCAÇ 12 (1969/74)

Foto: © Benjamim Durães (2010). Todos os direitos reservados

1. Dois comentários, do nosso leitor Campelo de Sousa (de quem não temos o endereço de e-mail), ao poste CXXXI, da I Série do nosso Blogue (*):

 Data: 27 de Maio de 2011 17:38
Assunto: [Luís Graça & Camaradas da Guiné (I Série)] Novo comentário sobre Guiné 63/74 - CXXXI: As grandes operações de limpeza (*)
1. Eu também passei por Bambadinca, estive em Bafatá no Posto de Transmissões em 1970. Em 1971 fui para Nova Lamego, também para o Posto de Transmissões pois eu era Radiotelegrafista.

Estive em Nova Lamego até Setembro de 1972, tendo regressado a Lisboa em 14 de Outubro de 1972.

Parabéns pelo exelente Blog. 

2.  Esqueci-me de dizer que fui mobilizado em rendição individual que embarquei em Lisboa a bordo do barco Ana Mafalda , no dia 18 de Setembro de 1970, desembarquei em Bissau na manhã do dia 24 do mesmo mês e ano.

Também terei algumas histórias para contar, inclusive uma,  e talvez a mais marcante, passada em Bambadinca, quando entrei pela primeira e única vez na capela e estavam lá expostas três urnas com soldados mortos em combate !!
Mais uma vez parabéns pelo excelente Blog !!
Cumprimentos,
Campelo de Sousa


3. Comentário do editor:

Caro camarada Campelo: O Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande!... Conheces as regras do nosso blogue... Mandas duas fotos tuas, de tipo passe, uma do antigamente da guerra e outra actual, e constas uma história (por exemplo, a tua visita à capela de Bambadinca, naquele dia transformada em casa mortuária, como também eu a conheci)... Isso dá-te o direito de te sentares, para a eternidade, no bentém da nossa Tabanca Grande, sob o nosso secular, mágico, frondoso e fraterno poilão... que já dá sombra, protecção  e inspiração a mais de 500 amigos e camaradas da Guiné (Vd. coluna do lado esquerdo, estática, do nosso blogue). Escreve-nos para o endereço do blogue. De qualquer modo, obrigado pela tua visita. Que fica aqui devidamente assinalada. LG

PS - Faz hoje anos que Bambadinca foi atacada em força... 28 de Maio de 1969... Vinha eu no Niassa, prestes a chegar a Bissau... Também lá passei, a caminho de Contuboel, dois ou três dias depois... Ainda havia uma cheirinho de pólvora no ar...
____________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 31 Julho 2005 > Guiné 63/74 - CXXXI: As grandes operações de limpeza (Op Lança Afiada, Março de 1969) (Luís Graça)

(**) Último poste da série > 10 de Abril de 2011 > Guiné 63/74 - P8077: O Nosso Livro de Visitas (111): António Luiz Figueiredo procura saber notícias do pessoal que com ele conviveu na sua comissão

Guiné 63/74 – P8341: Efemérides (67): XXVIII Encontro Nacional de Combatentes, 10 de Junho de 2011, em Belém/Lisboa

10 de Junho de 2011
XVIII Encontro Nacional de Combatentes da Guerra do Ultramar
Camaradas,

Aproxima-se o dia 10 de Junho e as habituais cerimónias que comemorarão o XXVIII Encontro Nacional de Combatentes e decorrerão frente ao magnífico e majestoso Monumento Evocativo aos Combatentes do Ultramar, que se situa na margem direita do Rio Tejo, junto ao Forte do Bom Sucesso, em Belém, Lisboa.

Também como vem sendo costume, sugere-se aos tertulianos desta Tabanca Grande, que queiram encontrar-se ali, tal como ano passado, se concentrem em frente ao portão principal do Forte do Bom Sucesso, a partir das 12h00.

Lembra-se que a organização dispõe, no mesmo local da realização das cerimónias, para quem assim o pretender, de serviço de refeições a preços económicos, facto este que permitirá almoçar e permanecer por ali em ameno vonvívio, por mais uns bons momentos, cavaqueando e confraternizando.

Sobre o evento passamos a publicar os programas para o dia 9 e 10.


__________
Nota de M.R.:

Guiné 63/74 - P8340: As mulheres que, afinal, foram à guerra (14): Mais de um terço de uma amostra (de conveniência) dos nossos leitores tenciona ver o filme de Marta Pessoa, em breve no circuito comercial



Sondagem nº 3/2011, realizada entre 19 e 26 do corrente, sobre a intenção de ir ver (ou rever) o filme de Marta Pessoa. a estrear no cinema comercial, em Lisboa, Porto e Aveiro no dia 16 do próximo mês... Apesar do nº limitado de respondentes (n=54), e de se tratar sempre de um amostra de conveniência, constamos o seguinte: 


(i) um em cada quatro ainda "não sabe" se vai ver o filme, até porque há problemas de acessibilidade; 


(ii) 37% não vai ver ou não tenciona ver; 


(iii) outros 37% vão ver (ou tencionam ver). 


Compete-nos desejar bons augúrios para a estreia do filme, quer à realizadora (Marta Pessoa) quer à produtora (Real Ficção). E lembrar aos nossos leitores que é um produto made in Portugal, com técnicos portugueses, e com as "nossas" mulheres...




Quem vai à guerra, filme documentário da realizadora Marta Pessoa (Portugal, 2011) estreia no cinema comercial a 16 de Junho, em Lisboa (Cinema City Classic Alvalade), Porto (Zon Lusomundo Mar Shoping) e Aveiro (Zon Lusomundo Fórum Aveiro)... 


Vinte e uma mulheres, das viúvas às madrinhas de guerra, das ex-enfermeiras pára-quedistas às acompanhantes e ainda às vítimas, enquanto esposas, da Perturbação Pós-Stress Traumático (PPST) dos maridos,  falam da sua "experiência" ou "vivência" da guerra colonial, em diferentes TO (Angola, Guiné e Moçambique... e Portugal). 


Marta Pessoa é a também a realizadora de Lisboa Domiciliária, documentário já editado em DVD. (Vd. aqui entrevista da TVI com a realizadora, em Setembro de 2010).


Ler também aqui a entrevista que a realizadora deu à Agência Lusa, em 13 de Maio último.


Trailer do filme (genérico):


http://www.youtube.com/watch?v=sgECshCJbeE

_______________

Nota do editor:

Último poste da série > 27 de Maio de 2011 > Guiné 63/74 - P8333: As mulheres que, afinal, foram à guerra (13): O papel da CASA - Comissão de Assistência ao Soldado Açoriano, com sede em Lisboa e delegações nos Açores (Carlos Cordeiro)

Guiné 63/74 - P8339: VI Encontro da Tabanca Grande, dia 4 de Junho em Monte Real (5): As inscrições terminam no dia 31 de Maio



VI ENCONTRO DA TABANCA GRANDE


4 DE JUNHO DE 2011


PALACE HOTEL MONTE REAL



Caros camaradas e amigos tertulianos, 
O prazo para se aceitarem inscrições para o nosso Encontro termina no dia 31 de Maio, terça-feira da próxima semana.

Lembramos aos retardatários que devem inscrever-se a tempo e horas para facilitarem a vida ao camarada Mexia Alves.

Todas as informações sobre o Encontro do dia 4 de Junho estão no Poste 7840*. Acedem a este poste clicando na imagem do lembrete publicado no lado esquerdo da página.

Lembramos que na hora da inscrição deverão indicar o nome da acompanhante, se for o caso, de onde se deslocam e se necessitam de alojamento.

Prestem atenção à lista que se publica, porque pode haver camaradas que se julgam inscritos, quando não estão.


Lista dos 114 inscritos até à data

Agostinho Gaspar - Leiria
Alcídio Marinho e Rosa - Porto
Alvaro Basto, Fernanda e Rolando - Leça do Balio / Matosinhos
António Baia e Celeste - Amadora
António Estácio - Mem Martins / Sintra
António Graça de Abreu e Wang Hai - S. Pedro do Estoril / Cascais
António J. Pereira da Costa e Isabel - Mem Martins / Sintra
António J.R. Brito da Silva e Isabel - Madalena / V. N. de Gaia
António Marques e Gina - Cascais
António Sampaio e Maria Clara - Leça da Palmeira/Matosinhos
António Santos e Graciela - Caneças / Odivelas
António Soares e Maria Amélia - Perafita / Matosinhos
C. Martins - Penamacor
Carlos Pinheiro e Maria Manuela - Torres Novas
Carlos Silva e Germana - Massamá / Sintra
Carlos Vinhal e Dina - Leça da Palmeira/Matosinhos
David Guimarães e Lígia - Espinho
Delfim Rodrigues - Coimbra
Eduardo Campos e Manuela - Maia
Eduardo Moutinho Santos - Porto
Ernestino Caniço - Tomar
Felismina Costa, Cláudia e João Carlos - Agualva-Cacém / Sintra
Fernando Franco e Margarida - Amadora
Fernando Gouveia - Porto
Fernando Santos e Maria Antónia - Montijo
Francisco Silva e Maria Elizabete - Lisboa
Francisco Varela - Lisboa
Hélder Sousa e Natividade - Setúbal
Henrique Matos - Olhão
Humberto Reis - Alfragide
Jaime Brandão - Monte Real / Leiria
Jaime Machado e Manuela - Senhora da Hora / Matosinhos
Joaquim Carlos Peixoto e Margarida - Penafiel
Joaquim Mexia Alves - Monte Real/Leiria
Joaquim Sabido e Albertina - Évora
Jorge Cabral - Lisboa
Jorge Canhão - Oeiras
Jorge Narciso - Cadaval
Jorge Picado - Ílhavo
Jorge Rosales - Cascais
José Armando F. Almeida - Albergaria-a-Velha
José Barros Rocha - Penafiel
José Brás - Montemor-o-Novo
José Eduardo Oliveira (JERO) - Alcobaça
José Fernando Almeida e Suzel - Óbidos
José Manuel Cancela e Carminda - Penafiel
José Martins e Manuela - Odivelas
José Pedro Neves e Ana Maria - Lisboa
José Rodrigues e Luísa - Senhora da Hora/Matosinhos
José Romeiro Saúde - Beja
Juvenal Amado - Fátima / Ourém
Luís Graça e Alice - Alfragide/Amadora
Luís R. Moreira - Agualva - Cacém / Sintra
Manuel Amaro - Alfragide/Amadora
Manuel Domingos Santos e Maria Isabel - Leiria
Manuel Joaquim e Zé Manel - Agualva - Cacém / Sintra
Manuel Resende e Isaura - Cascais
Manuel Santos e Maria de Fátima - Viseu
Miguel e Giselda Pessoa - Lisboa
Mário Bravo e Maria Lília - Porto
Mário Fitas e Maria Helena - Estoril / Cascais
Osvaldo Colaço Pimenta - Coimbra
Paulo Santiago - Aguada de Cima - Águeda
Raul Albino e Rolina - Vila Nogueira de Azeitão / Setúbal
Rui Silva e Regina Teresa - Santa Maria da Feira
Semião Ferreira - Monte Real / Leiria
Silvéro Lobo e Linda - Matosinhos
Tomás Carneiro - Ponta Delgada / RA Açores
Vasco Ferreira e Margarida - Vila Nova de Gaia
Victor Barata - Vouzela
Victor Tavares - Recardães - Águeda
Xico Allen - Vila Nova de Gaia
____________

Nota de CV:

(*) Vd. poste de 22 de Fevereiro de 2011 > Guiné 63/74 - P7840: VI Encontro da Tabanca Grande, dia 4 de Junho em Monte Real (1) Marcada a data para 4 de Junho de 2011 (A Organização)

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Guiné 83/74 - P8338: Notas fotocaligráficas de uma viagem de férias à Guiné-Bissau (João Graça, jovem médico e músico) (12): 16 de Dezembro de 2009, a despedida matinal de Tabatô, a caminho do Gabu










Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Tabatô > 16 de Dezembro de 2009 > A tabanca, da etnia minoritária jacanca (leia-se, djacanca), da famíla de Kimi Djabaté (que aqui viveu até aos 21 anos), e onde se aprende e toca os instrumentos tradicionais (balafón, kora, djembé...) da música afro-madinga...  Depois de uma noite memorável,  a despedida do João Graça (*), médico e músico, membro da nossa Tabanca Grande, em viagem  pela Guiné-Bissau, em Dezembro de 2009. Nas fotos, alguns familiares do Kimi Djabaté.

Fotos: © João Graça (2009) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados


1. Continuação da publicação das notas do diário de viagem à Guiné, do João Graça, acompanhadas de um selecção de algumas das centenas fotos que ele fez, nas duas semanas que lá passou (*)...

(i) Nos cinco primeiros dias (de 6 a 10 de Dezembro de 2009) fomos encontrá-lo, como médico, voluntário, no Centro de Saúde Materno-Infantil de Iemberém;

(ii) O fim de semana, de 11 a 13 (6ª, sábado e domingo) de Dezembro de 2009, foi passado em Bubaque e Rubane, no arquipélago de Bolama-Bijagós, como simples turista;

(iii) Dia 13, domingo, à tarde, regressou a Bissau, ao bairro do Quelelé, onde se situa casa do Pepito e da Isabel, que lhe deram guarida;

(iv) É também aqui a sede da AD - Acção para o Desenvolvimento, cujos trabalhadores tiveram, na segunda feira de manhã, exame médico de vigilância... Viu 18,  de manhã (e no dia 17, viu mais 5);

(v)  À tarde, nesse dia 14,  segunda-feira, o João Graça foi, de carro, visitar, nos arredores de Bissau o Hospital de Cumura, gerido por um Missão Católica portuguesa...

(vi) Ao fim da tarde e noite, esteve no centro de Bissau...

(vii) E no dia seguinte, 15,  seguirá para o Leste (Bambadinca, Bafatá)... À noite de 15 para 16 foi passada em Tabatô, a já mítica meca da música afro-mandinga, terra natal do grande Kimi Djabaté...

(viii) Partida, de manhã, 16 de Dezembro, para Contuboel e Gabu... E regresso a Bissau, ao fim da tarde.(LG)


16/12/2009, 3ª feira, 12º  dia, partida de Tabatô...

12.10. Notícia da morte de uma prima (ou tia) do Demba, familiar de Tabatô.

12.11. Carpideiras. As mulheres começaram a chorar compulsivamente em [coro ? ilegível], longe dos homens, sentadas em círculo.

12.12. Vestiram os melhores fatos. Demos-lhes boleia para Gabú, onde íamos também. Todos na carrinha.

(Continua)

[ Revisão / fixação de texto / selecção, edição e legendagem de fotos: L.G

_____________

Nota do editor:


Guiné 63/74 - P8337: Bibliografia (36): 25 de Maio de 2011, lançamento do livro Amílcar Cabral (1924-1973) - Vida e Morte de um Revolucionário Africano, de Julião Soares Sousa, na Biblioteca Municipal D. Dinis - Odivelas (José Martins)


1. Mensagem de José Marcelino Martins* (ex-Fur Mil Trms da CCAÇ 5, Gatos Pretos, Canjadude, 1968/70), com data de 23 de Novembro de 2010, para a qual pedimos a atenção dos camaradas:

Boa noite, Camaradas
Consegui estar no lançamento do livro do Julião Soares Sousa. Aqui vai algo ao correr do teclado.

Um abraço
José Martins


PRESS RELEASE EDITORIAL

Sobre o livro:

Amílcar Cabral é um dos políticos africanos com maior renome internacional. Pertence à primeira geração de nacionalistas e, como tal, o seu nome ombreia com o de outros nacionalistas que, de uma forma ou de outra, ganharam notoriedade. Para além de político e dinamizador de massas, prerrogativas expectáveis em tais líderes políticos. Cabral posicionou-se ainda, e nessa qualidade tem sido lembrado, como um dos grandes intelectuais da África Subsariana. Estes e muitos outros aspectos relacionados com a história de vida, com o pensamento e com a acção política de Amílcar Cabral são exaustivamente tratados por Julião Soares Sousa ao longo desta obra. Para além dos conhecimentos que são apresentados ao leitor com a devida profundidade teórica e analítica, reputo ainda de particular importância o cuidado dispensado aos aspectos metodológicos. Trata-se de uma obra que (…) contribui decididamente para o aprofundamento do conhecimento sobre o nacionalismo africano nos espaços de colonização portuguesa e, numa acepção mais alargada, para o desenvolvimento dos Estudos Africanos em Portugal,
(in Prefácio de José Carlos Venâncio)

Título: "Amílcar Cabral"
Autor: Julião Soares Sousa
Nova Vega – Edição e Distribuição de Publicações, Lda.
Rua do Poder Local, n.º 2 - sobre loja A
1675-156 PONTINHA - Odivelas
Tel. 217 781 028 # Tel./Fax 217 786 295
E.mail: info@novavega.mail.pt
Horário de atendimento: 9:00 às 13:00 h e das 14:00 às 18:30 h.
Custo € 31,80 (IVA incluído)


O livro "Amílcar Cabral"

Biblioteca Municipal D. Dinis – Concelho de Odivelas

Como estava previsto, muita gente, onde predominavam os Guineenses, juntaram-se, numa das salas da biblioteca, para assistir ao lançamento do livro “AMÍLCAR CABRAL (1924-1973) – Vida e Morte de um Revolucionário Africano”, tese de doutoramento de Julião Soares Sousa, prefaciado por José Vasconcelos Venâncio, editado por Nova Vega.

O autor em amena conversa, antes do início da sessão.

Inicio da sessão - Na mesa, da esquerda para a direita: Francisco Fragoso, que fez a evocação da obra poética de Amílcar Cabral; Mário Máximo, vereador da Cultura, da Câmara Municipal de Odivelas; o nosso amigo Julião, autor da obra; João Carlos Alvim, representante da editora Nova Vega.

Aspecto da audiência.

A presença sempre agradável da nossa amiga Teresa Almeida.

Outro aspecto da sala.

A mesa já com a presença do apresentador da obra José Luís Hopffer Almada.

Houve a apresentação de um CD com imagens, declamação e canto, sobre poemas de Amílcar Cabral.

No dizer do apresentador, o livro será/é uma agradável surpresa, pela positiva, para quem aprecia a obra de Amílcar Cabral, não só nos aspecto politico, mas também no aspecto pessoal.

O encontro terminou com uma apresentação musical e vocal, ao vivo, por Guineenses.

Fotos e texto
José Marcelino Martins
Guiné 1968/70
____________

Nota de CV:

(*) Vd. poste de 11 de Maio de 2011 > Guiné 63/74 - P8260: Em busca de... (160): Procuro Camaradas do BART 6522/72 - S. Domingos -, 1973/74 (Cláudia Colaço/José Marcelino Martins)

Guiné 63/74 - P8336: Blogues da nossa blogosfera (44): Construção da Ponte de S. Vicente - Guiné Bissau, um Blogue formado por trabalhadores de uma empresa de construção civil, hoje com saudades da Guiné-Bissau (Hélder Sousa)

1. Mensagem de Hélder Sousa* (ex-Fur Mil de TRMS TSF, Piche e Bissau, 1970/72), com data de 22 de Abril de 2010:

Caros editores
Em anexo junto um 'post' do Blogue "Construção da Ponte de S. Vicente - Guiné Bissau", com o endereço http://psvicente.blogspot.com, tratando-se da última (mais recente) entrada lá, datada de 19 de Abril.

Já em tempos fiz referência a esta Blogue porque me pareceu muito interessante. Para além de outras coisas, nele aparece reflectido como elementos das novas gerações 'entraram', 'conheceram' a nossa Guiné. A partir dos relatos do quase dia-a-dia da construção da Ponte pelos elementos da "Soares da Costa", havia também artigos sobre a vivência e a interacção no ambiente e com a população.
São inúmeros os artigos que, sem deixar de serem críticos ao que lhes parecia mal, deixavam transparecer um 'olhar' simpático, quase cúmplice, com o que os envolvia.

A Obra acabou, a equipa desfez-se, uns foram para umas obras, outros para outras mas, apesar disso, o 'bichinho da Guiné' ficou inculcado na maior parte deles e disso se pode encontrar eco no jantar que fizeram no ano passado em que todos se juntaram.

Agora, em Abril deste ano, o principal contribudor do Blogue, Pedro Moço, publicou o post que anexo.

Nele podem aperceber-se melhor o que pretendo dizer quanto ao efeito emocional que a Guiné produziu na generalidade dos elementos da equipa da Soares da Costa.
Li o artigo, li o primeiro comentário dum dos elementos da equipa, li a resposta que Pedro Moço lhe deu e não hesitei em intervir também. Fiz os meus comentários, os meus considerandos e convidei o Pedro Moço a visitar-nos e, caso gostasse do que visse, a efectuar contacto. Pois respondeu ao meu comentário revelando que conhecia o Blogue já há muito tempo e confessando mesmo que o utilizou para obter prévio conhecimento do que podia esperar, antes mesmo de iniciar a deslocação para a Guiné.

É por isso que (re)digo que a responsabilidade que temos vindo a contrair está cada vez mais acrescida. Nem fazemos ideia de quem nos lê e da utilidade que lhes proporcionamos. Teremos que porfiar no caminho do rigor que temos procurado manter.

Se acharem interessante, acho que podem publicar, talvez integrado na série "Blogues da nossa blogoesfera".

Abraço
Hélder Sousa


O EFEITO GUINÉ



Terça-feira, 19 de Abril de 2011


Bissau - Quase três anos volvidos

Caros
No meu caso, quase três anos são volvidos desde a última vez que pisei o solo do Aeroporto Internacional Osvaldo Vieira, em Bissau. Já calcorreei umas obras mais e uns locais mais: Túnel da Madalena do Mar, na Madeira e a Concessão Transmontana entre Vila Real e Quintanilha.
A "familia" Soares da Costa que esteve junta na Ponte de S. Vicente (para mim, ainda é esta a designação) está quase por completo na obra da Transmontana. Quando estamos juntos, a conversa foge, quase invariavelmente, para a Guiné-Bissau.
Não tenho dúvidas que este país, esta obra, a todos marcou positivamente. Não tenho dúvidas que em todos há, pelo menos, uma "pontinha" de saudade.
É um belo país, um bom povo. Lá, quase todos acabamos por nos sentir em casa. Será por ser África o Berço da Humanidade? Teremos gravado nos genes essa pertença ancestral de um local de nascimento? Talvez.
Sei que nenhum de nós lamenta o tempo que aí passou. Sei que todos desejamos um futuro melhor para a Guiné-Bissau e para o seu povo. Sei que todos ambicionamos um dia fazer o nosso jantar anual de confraternização em Bissau. Sei que todos reveríamos com prazer as terras e as gentes que também foram nossos durante o período que a obra durou.
Sei que esta vivência comum nos uniu.
A foto ilustra a azáfama da Avenida Amílcar Cabral num dia de movimento mediano. A estação era a das chuvas e, olhando a foto, quase sinto o calor húmido da Guiné-Bissau a envolver-me.
Bem hajam.

4 comentários:

Eduardo Martins disse...
...Sei que todos nós lá ficamos. Um ano após a conclusão da obra, houve a necessidade de lá voltar, e constatei que todos nós ainda lá estavamos. O nosso suor, a nossa determinação, o nosso profissionalismo, a nossa vontade, A NOSSA OBRA...tudo lá estava. Mas o mais impressionante, os nossos nomes fluiam das vozes daquelas gentes como se ainda lá estivessemos... e estavamos! ...Sei que ainda lá estamos, enquanto a memórias não se apagarem... sei que iremos lá ficar. Obrigado a TODOS.
Pedro Moço disse...
Eduardo Concordo que perduraremos por aquelas paragens durantes mais uns tempos... enquanto as memórias não se apagarem. Quem sabe, um dia os nossos nomes não serão citados por um qualquer ancião, a contar histórias em volta da fogueira aos mais novos. Sei que enquanto lá estivemos, tentamos fazer a diferença e, nalguns casos, conseguimos. Bem hajas. Abraço Pedro Moço
Hélder Valério disse...
Caro Pedro Moço Já algumas vezes intervi neste vosso espaço que encontrei quando procurava coisas sobre a Guiné. E fi-lo porque encontrei nos vossos escritos e imagens o reflexo daquilo que percorre os sentimentos de boa parte daqueles da minha geração, que estiveram lá em tempos de guerra, e que são a imensa nostalgia dos tempos passados, que leva alguns a fazerem o que já se chama "turismo de saudade". Recorda-se o clima, as frutas, as chuvas, as crianças, etc.. Esta 'entrada' de Abril de 2011, revela bastante dos sentimentos que vocês, os que estiveram lá em tempos mais recentes produzindo Obra, construção, mas que viveram todas as outras coisas que nós, também têm relativamente ao que tiveram oportunidade de 'viver' e só ganharam porque souberam envolver-se emocionalmente. Pedro, convido-o, a si e aos seus colegas que nutrem pela Guiné os sentimentos que estão consignados neste artigo, a visitarem o Blogue "Luís Graça e Camaradas da Guiné", lugar de encontro de antigos militares (mas não só, cabem lá também à sombra do nosso imenso poilão vários 'amigos de Guiné') para poder verificar que, afinal, as gerações passaram mas os sentimentos são comuns. Se gostar do que encontrar contacte pelos meios lá indicados os editores. Felicidades para os vossos trabalhos e que consigam um dia satisfazer o objectivo de realizarem o vosso 'jantar' junto à vossa obra. Abraço Hélder Sousa
Pedro Moço disse...
Caro Hélder Posso dizer-lhe que o vosso blogue não me passou despercebido. Aliás, mesmo quando estava na Guiné-Bissau, já o consultava. Os vossos posts foram dos primeiros escritos que li sobre este belo, mas vilipendiado país. Foi pelo vosso blogue que fiquei com a primeira impressão sobre o que me esperava. Foi-me e é-me bastante útil. Acho que nos une um sentimento comum. As circunstâncias foram diferentes, mas o apego ao país é bastante semelhante. Um dia hei-de registar-me no vosso blogue. Abraço Pedro Moço

OBS:- Transcrição do Poste com a devida vénia ao amigo Pedro Moço e à restante equipa do Blogue "Construção da Ponte de S. Vicente - Guiné Bissau"
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 22 de Abril de 2011 > Guiné 63/74 - P8152: 7º aniversário do nosso blogue: 23 de Abril de 2011 (13): O Blogue faz parte da minha identificação (Hélder Sousa)

Vd. último poste da série de 28 de Fevereiro de 2011 > Guiné 63/74 - P7876: Blogues da nossa blogosfera (43): Falando de Brasões, de Escudos de Armas e de ironias históricas (José Belo)

Guiné 63/74 - P8335: Notas de leitura (242): O Meu Testemunho, uma luta, um partido, dois países, por Aristides Pereira (6) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem de Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 20 de Maio de 2011:

Queridos amigos,
Se dúvidas subsistissem sobre a grande importância dos depoimentos dos entrevistados, terá ficado esclarecido, com estas recensões, como é complexo esperar que se publique nos próximos anos uma história do PAIGC, há inúmeros pontos de encontro sob a génese do movimento de emancipação, múltiplas são as interpretações de eventos sucessivos, há silêncios inabaláveis, registos desaguados em autênticos labirintos.
Posso imaginar o pesadelo do trabalho com que os historiadores se irão confrontar para atinar com uma linha interpretativa largamente consensual… serão trabalhos de Hércules.

Um abraço do
Mário


O testemunho de Aristides Pereira* (6):
Rafael Barbosa, Silvino da Luz, Vítor Robalo e Elisée Turpin

Beja Santos

Conclui-se hoje um ciclo de recensões em torno de um vasto acervo de entrevistas que acompanham o tomo monumental “O Meu Testemunho” de Aristides Pereira, Editorial Notícias, 2003. Não é de mais salientar que se recomenda a leitura do testemunho de Aristides Pereira mas o fundamental da obra, por paradoxal que pareça, reside em entrevistas da maior importância e no próprio apenso documental, como mais tarde se fará referência.

Rafael Barbosa é uma personalidade que cabe perfeitamente num romance de John Le Carré, tal a riqueza da sua complexidade. Amado e odiado ao extremo, aquele que foi presidente do Comité Central do PAIGC e o herói sem reservas dos primeiros e decisivos recrutamentos para a luta armada, Barbosa soube cultivar o mito, deixou na bruma e no labirinto dos equívocos uma gama de atitudes que podem constituir a grandeza e a miséria do combatente que viveu à beira do vulcão o emaranhado das dúvidas e das certezas.

A entrevista que concedeu a Leopoldo Amado em Maio de 1995 é aliciante. Fala com autoridade dos diferentes movimentos para a independência que antecederam o PAIGC (PAI), com todos os nomes. Descreve as circunstâncias em que foi criado o PAI, como ele igualmente foi fundador do MLG, como surgiram as desavenças entre os dois movimentos, como ele aderiu sem tibiezas ao PAI e se tornou no mais estrénuo activista e recrutador. Conta a sua prisão em 1962. Enuncia os nomes de todos aqueles que enviou para a luta. Quando lhe perguntam o número de pessoas que enviou, ele responde com simplicidade: “Quase toda a malta que saiu aqui de Bissau fui eu que a mandei. E mesmo depois que saí da segunda prisão – já depois do célebre discurso que provocou o meu afastamento do cargo de presidente do Comité Central – mandei mais de 50 ex-presos, de um total de 93 que foram postos em liberdade”.

A sua versão quanto aos motivos que foi afastado do altíssimo cargo que tinha no PAIGC é mirabolante: terá ingerido droga através da mancarra, ficou com a cabeça baralhada, foi aliciado a ler um discurso em que repudiava todo o seu passado político. E declara: “Perguntem ao Malam N´Djai, locutor de língua mandinga, ele assistiu a tudo. Eu, a metade do discurso, perdi o sentido. Foi obrigado a repetir a leitura… Mas não parei com a luta. Escrevi uma carta para Amílcar Cabral em que lhe dizia que estava disposto, no dia em que eu conseguisse sair da Guiné, a apresentar-me no tribunal militar para ser julgado, tive aquela falha. Ele escreveu-me uma carta, tenho-a no meu processo”.

Durante a entrevista, Barbosa revela-se indignado com o comportamento dos dirigentes do PAIGC para com ele. Diz não ter recebido nenhum dinheiro do Spínola, só materiais para a construção da sua casa que também não aceitou. Foi adepto da guerrilha urbana. Quando rebentaram bombas em Bissau, voltou a ser chamado à PIDE. Em todas as circunstâncias é peremptório, identifica-se sempre como militante do PAIGC. Especula sobre o que esteve por detrás da morte de Amílcar Cabral, não hesita na importância do conflito entre cabo-verdianos e guineenses e exonera qualquer responsabilidade pessoal no assassínio, mesmo quaisquer ligações com os executores do crime. É um documento espantoso, fica-se a perceber que o lutador não morreu no político esquecido e abandonado.

Silvino Manuel da Luz faz um depoimento de alto quilate. Descreve o seu percurso de iniciação na política, na ilha de S. Vicente, como desertou na Nigéria, ele que era oficial em Angola. Oferece-nos um quadro de grande valia sobre a preparação teórica dos quadros do PAIGC de extracção cabo-verdiana. O que salta à vista é a coerência das atitudes, a força das convicções, a luminosidade dos ideais. Silvino da Luz irá com Vitor Saúde Maria às conversações secretas que tiveram lugar em Londres em Março de 1974. Dá-nos um quadro do que era o PAIGC em finais de 1973, princípios de 1974: “Cabral já pensava numa aviação. Ele mandou gente para se formar na aviação. Esses jovens dos helicópteros e dos MIG na Guiné-Bissau saíram da escola piloto durante a luta armada. Cabral estava a pensar num tipo de aviões que foram utilizados na guerra do Biafra. Aviões pequenos, capazes de voar a baixa altitude e difíceis de detectar pelos radares (…) Com Cabral, fiz uma missão à Líbia pra expor ao presidente Kadhafi a nossa necessidade dos chamados red eye, tipo de foguete antiaéreo portátil, de fabrico ocidental”. Fala-se em hesitações sobre a participação dos cabo-verdianos na luta armada, não omite as tensões interétnicas e quanto às razões da morte de Cabral diz abertamente: “problemas de diversa natureza. O chamado fenómeno do cabo-verdiano na direcção da luta, o problema dos cabo-verdianos, algum cansaço devido a uma guerra prolongada, o trabalho da PIDE, etc. etc. (…) A acção subversiva dos portugueses é ligada ao cansaço com uma luta que não parecia ter fim. Alguns tiveram a miragem de um fim rápido que despertou um aparente ódio profundo ao cabo-verdiano e ao mestiço”. Como se sabe Silvino da Luz é hoje um dos políticos mais prestigiados da República da Guiné de Cabo Verde. Será de lamentar se este homem de elevada cultura e de grande humildade intelectual não deixar as suas memórias sobre a sua participação e visão da luta armada.

O rol de entrevistas culmina com dois entrevistados de vulto, Vitor Robalo e Elisée Turpin. Sobressaem nestas confissões dados excepcionais sobre o passado da luta, olhares sobre os primórdios da luta, estes dois velhos políticos aludem às mortandades praticadas nos anos 40, era governador da Guiné Vaz Monteiro, terei sido um tempo de grande prepotência e humilhações. Registam as acções de rebeldia desde os anos 50, as disparidades entre os grupos de libertação e o papel determinante de Amílcar Cabral. São testemunhos singelos, gente que não tem nada a perder e que se considera defraudada quanto à forma como se enviesou a actividade política do PAIGC. Confessa o leitor que estas três entrevistas são indispensáveis para centrar nos bastidores numa peça cujo desfecho ainda não está esclarecido.

O apenso documental é riquíssimo, comporta peças como os primeiros estatutos do PAIGC, a criação de um movimento de libertação da Guiné, os apontamentos datados de 17 de Janeiro de 1963, da autoria de Costa Pereira, chefe da delegação da PIDE em Bissau sobre a Guiné portuguesa e os territórios vizinhos, inclui igualmente cartas de Amílcar Cabral e na parte final temos o acervo das actas dos encontros ocorridos em Londres e Argel, a seguir ao 25 de Abril. Vale a pena dedicar alguma atenção a esta riqueza documental desde o início até ao termo da luta armada.
____________

Notas de CV:

(*) Vd. postes de:

20 de Abril de 2011 > Guiné 63/74 - P8141: Notas de leitura (230): O Meu Testemunho, uma luta, um partido, dois países, por Aristides Pereira (1) (Mário Beja Santos)

28 de Abril de 2011 > Guiné 63/74 - P8176: Notas de leitura (234): O Meu Testemunho, uma luta, um partido, dois países, por Aristides Pereira (2) (Mário Beja Santos)

3 de Maio de 2011 > Guiné 63/74 - P8209: Notas de leitura (235): O Meu Testemunho, uma luta, um partido, dois países, por Aristides Pereira (3) (Mário Beja Santos)

17 de Maio de 2011 > Guiné 63/74 - P8286: Notas de leitura (239): O Meu Testemunho, uma luta, um partido, dois países, por Aristides Pereira (4) (Mário Beja Santos)

20 de Maio de 2011 > Guiné 63/74 - P8304: Notas de leitura (240): O Meu Testemunho, uma luta, um partido, dois países, por Aristides Pereira (5) (Mário Beja Santos)

Vd. último poste da série de 24 de Maio de 2011 > Guiné 63/74 - P8318: Notas de leitura (241): Porque Perdemos a Guerra, de Manuel Pereira Crespo (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P8334: Tabanca Grande (289): António Luiz Figueiredo, ex-Fur Mil TRMS TSF (Pirada, Teixeira Pinto e Bissau, 1972/74)

1. Mensagem de António Luiz Figueiredo*, ex-Fur Mil TRMS TSF, Pirada, Teixeira Pinto e Bissau, 1972/74, com data de 25 de Maio de 2011:

Olá Carlos Vinhal
Peço desculpa pela demora, mas creio que reuni os requisitos primários para poder integrar a família TABANCA GRANDE.
Espero ter conseguido.

Estarei ao dispor para fornecer outro tipo de dados.
Este blogue é fantástico.

Um abraço
Luiz Figueiredo


GUINÉ - 1972-1974

António Luiz Silva Figueiredo - Fur Mil TSF

Em Abril de 1972 lá fui eu até à Guiné.
Divisas novas e reluzentes de oiro sobre os ombros, transmitiam coragem e jactância suficientes para desvanecerem a ansiedade de quem vai pisar um palco de guerra. Sim, era um mistério que se avolumava.

Como seria “viver” num clima de guerra? Como seria África? Como seria a Guiné? Mas não havia medo. Somente a doutrina do patriotismo alertava a minha mente. Era preciso continuar Portugal.

Embarquei no Figo Maduro num avião militar, que julgo ter sido um DC-6. Barulhento e com muita tremideira. Grandes afundanços nos poços de ar que nos tiravam o fôlego.
Ao fim de algumas horas aterrava na Ilha do Sal em Cabo Verde. Pela primeira vez sorvia o éter africano. Gostei. E para refrescar lá foi uma “bejeca” S. Jorge.
Ao fim de uma horita retomámos a rota para a Guiné. E aí o calor matava. De tal modo que quase não dei pelos “pios” com que os velhos camaradas “residentes” nos brindaram à chegada. A praxe estava instituída. Compreendia-se.

Aí estava Bissalanca ao fim de uma tarde abafada, com um pôr-do-sol magnífico. No momento em que pisei o solo africano pedi a bênção dos Céus. Simplesmente inebriante.

Um autocarro levou-nos até à cidade de Bissau, ao Agrupamento de Transmissões.

No dia seguinte apresentei-me ao Comandante de Companhia. Com um sorriso profundamente arrogante, o capitão disse-me que eu ia substituír o furriel que tinha cessado a comissão de serviço, num local que era uma autêntica colónia de férias: Pirada.

 Localização de Pirada, no Norte da Guiné, junto à fronteira com o Senegal

Aquilo não me dizia nada. Ele ficou a olhar para mim de sorriso cínico até às orelhas. Parecia um cow-boy, de pistola no coldre e cinturão descaído. Estava de oficial-de-dia. Os meus camaradas mais velhos quando souberam, pintaram a manta: Pirada era um potencial alvo do inimigo. Um dos piores locais da Guiné, lá bem juntinho ao marco 69, na fronteira com o Senegal.

Após uma ou duas semanas de estágio, um avião Nordatlas levou-me até Pirada. Não me pareceu tão mau como diziam. Pista de aviação, quartel com instalações recentes, razoável messe e muitas tabancas na periferia. O posto de rádio do STM que eu ia chefiar era um autêntico “bunker”.

A minha especialidade era TSF. Sabia umas “coisas” do código Morse, essa bela linguagem de traços e pontos, mas a trabalhar com a chave era um autêntico “pato-bravo”. Em contrapartida tinha quatro radiotelegrafistas que operavam com saber, destreza e dedicação. Eram fantásticos. Eu zelava pela operacionalidade dos equipamentos, pela manutenção das instalações e pelo bem-estar dos meus subordinados. E tudo correu bem.

Depressa estabeleci amizades no seio do batalhão ali sediado, que era o BCAV 3864, próximo do fim de comissão.

Até que havia de chegar o dia do meu “baptismo” de guerra.

Por vezes, depois do jantar, eu e mais dois camaradas, íamos até às tabancas e conversávamos com a população. Se esta estivesse recolhida, era um sinal de perigo e regressávamos ao quartel. Eram cavaqueiras agradáveis.

Numa noite calma de junho, sem indícios de perigo para nós e para a população, estalou o verniz.

Cerca das 22 horas ouvimos um rebentamento. Em simultâneo, bolas de fogo começaram a passar por cima das nossas cabeças em direcção ao quartel. Perdi de vista os meus camaradas. Também deixei de ver os africanos. Ouvi alguém dizer para me deitar no chão. Estava indeciso: deitar-me no chão ou fugir para o quartel? Alguns nativos rastejavam a meu lado.

O bombardeamento acelerava. Ouvia vozes, masculinas e femininas, a dizerem: “furriel deixa-te estar deitado”. O gado berrava. Algumas tabancas começaram a arder e um clarão iluminava o aldeamento.

Pensava muito nos meus pais e nas minhas irmãs e julgava que não mais os voltaria a ver. Tentei levantar-me mas logo senti mãos que me obrigavam a permanecer deitado. As portas do Inferno estavam escancaradas. Era aterrador.

Pensei: o inimigo entrou no aldeamento e não tarda nada apanha-me à mão. Então, num impulso tresloucado ergui-me e comecei a correr a toda a velocidade para o quartel. Se contasse para os jogos olímpicos, estaria depois no pódio com uma medalha de ouro ao peito. As bolas de fogo sobrevoavam a minha cabeça. Comecei então a ouvir o nosso obus a argumentar. Na porta de armas não ouvi nem vi nenhuma sentinela. Se ela dissesse: quem vem lá, pare. Eu não teria ouvido nada, pois o barulho era ensurdecedor. E poderia ter sido baleado. Atirei-me para a guarita da sentinela em êxtase. A respiração estava descontrolada. Alguém me levou para o posto médico, quase a desfalecer. E comecei a ressuscitar.

Os obuses calaram o inimigo. Eu estava todo arranhado, mas vivo. E assim foi o meu baptismo.

Em agosto levei com a segunda dose, mas mais uma vez os deuses estiveram do nosso lado.

Em novembro vim de férias. Não voltei a Pirada. Fui deslocado para Teixeira Pinto.

Em agosto vim de férias. E fiquei em Bissau até maio de 1974. Sou militar no activo durante o 25 de abril. O meu substituto chegou a Bissau de cabeleira farta e cravo na lapela. Viva Portugal.


2. Comentário de CV:

Caro Luiz Figueiredo, bem aparecido de novo na Tabanca. Já por cá passaste duas vezes, mas à terceira resolveste juntar-te à tertúlia. Fizeste bem, porque tens cá um pequeno grupo de camaradas das TSF, sendo o mais antigo, ou pelo menos um dos mais antigos, o Hélder Sousa. Se mais não for, só por isto já te sentirás em família.

Tinha eu poucos de dias de Guiné, conheci na Messe de Sargentos de Mansoa um camarada que tinha vindo de Pirada. Isto em 1970. Nunca na minha vida voltei a ver alguém tão apanhado do clima como ele. Porque não mais me esqueci desse camarada, quando me falam de Pirada imagino logo o pior.

Terás muito que contar já que estiveste em três locais diferentes. Tendo cada um as suas particularidades quanto a guerra e condições de serviço, ficas desde já convidado a escrever as memórias que retens desses locais. Hás-de ter aí por casa umas fotos guardadas que julgavas não servirem para nada a não ser para tu as veres de vez em quando. É chegada a hora de elas serem famosas. Digitaliza-as e manda-as para nós as publicarmos.

Não quero terminar sem antes te deixar um abraço de boas-vindas em nome da tertúlia e dos editores que esperam te sintas bem entre nós.

Carlos Vinhal
____________

Notas de CV:

(*) Vd. postes de:

20 de Março de 2011 > Guiné 63/74 - P7968: O Nosso Livro de Visitas (108): Luiz Figueiredo, Fur Mil TSF, Pirada, Teixeira Pinto e Bissau, 1972/74
e
10 de Abril de 2011 > Guiné 63/74 - P8077: O Nosso Livro de Visitas (111): António Luiz Figueiredo procura saber notícias do pessoal que com ele conviveu na sua comissão

Vd. último poste da série de 26 de Maio de 2011 > Guiné 63/74 - P8328: Tabanca Grande (288): Apresenta-se o José Manuel Carvalho, Fur Mil Trms da CCS do BCAÇ 4612/74, Cumeré, Mansoa e Brá, 1974