sábado, 12 de janeiro de 2008

Guiné 63/74 - P2435: PAIGC - Quem foi quem (6): Pansau Na Isna, herói do Como (Luís Graça)

1. Texto do editor L.G.:

PAIGC - Quem foi quem > Pansau Na Isna, herói do Como (1)

- Pansau Na Isna… Sabe quem foi ? – pergunto eu a um médico, guineense, meu aluno, filho de um antigo comandante da guerrilha, que actuou no Morés, entre 1963 e 1974.
- Sim, sei que é um dos nossos heróis nacionalistas.
- Sabe quando e onde morreu ? E em que circunstâncias ?
- Infelizmente, não sei…

Para a população, fracamente escolarizada da Guiné-Bissau (que tem quase 50 % de analfabetos) e sobretudo para os mais jovens (mais de 40% da população tem menos de 15 anos e apenas 3% tem mais de 65), população essa que já não têm quaisquer memórias da luta de libertação, Pansau Na Isna é apenas o nome de uma das principais avenidas da capital, Bissau (onde, por exemplo, a OMS tem a sua representação e onde fica o Hospital Nacional Simão Mendes, e a sede de diversas organizações nacionais e estrangeiras).

Eu também não sabia responder à pergunta, para vergonha minha… (Nunca ouvi o nome dele, no meu tempo de Guiné, 1969/71; também nunca estive no sul, do outro lado do do Rio Corubal). Só soube, há dias, através do episódio da série A Guerra, que passou na RTP 1, no dia 18 de Dezembro de 2007, que o Pansau Na Isna era um dos três comandantes do PAIGG que combateram os portugueses, na Ilha do Como, durante a Op Tridente.

De origem camponesa e de etnia balanta, lá encontrou a morte. Ele e outro comandante. Percebi isso do depoimento do único sobrevivente dos três, cujo nome não retive (Agostinho ?). Pansau Na Isna terá sido morto pelos fuzileiros navais. Os seus restos mortais repousam hoje, no Forte da Amura, ao lado de outros heróis da luta de libertação como Amílcar Cabral, Domingos Ramos e Titinha Silá.

A seguir à independência, Pansau Na Isna foi efígie de uma nota de 50 pesos (de que reproduzimos uma parte), moeda que hoje já não circula, substituída pelo CFA, uma moeda regional…

Foi também título de canção, criada e interpretada pelo popular conjunto musical, dos anos 70/80, Super Mama Djombo, no seu álbum Super Mama Djombo (2003, etiqueta: Cobiana). Este grupo musical, sob a liderança de Adriano Atchutchi, estilizou a música tradicional e deu ao conhecer ao mundo (e às gerações mais novas da população guiense), ao ritmo do estilo Gumbé, o que foi o sonho de Amílcar Cabral, a luta de libertação e a esperança dos guineenses no futuro... A origem do grupo remonta a 1973...

Diga-se, de passagem, que é (ou foi) um grupo carismático, mítico, cuja música merece ser conhecida por nós, ex-combatentes, cotas... Aqui fica uma cheirinho desse fabuloso grupo e do seu mítico álbum de 2003 (gravado em Portugal em 1979), que é obrigatório comprar e ouvir muitas vezes... Na canção sobre sobre Pansau Na Isna diz-se que ele foi um um homem grande... Sobre a importância do grupo pode ler-se aqui:

One of the great West African electric roots bands of the 70's and early 80's. With five interlocking electric guitars and several-part vocal harmonies, this fifteen-person orchestra blazes through fresh interpretations of traditional rhythms (...).

Retomando o 9º e último episódio da 1ª Série do programa A Guerra (1):

Do lado português, bem gostaria de ter ouvido o testemunho do meu querido amigo e nosso camarada Mário Dias, que tem três notáveis textos, na 1ª série do nosso blogue, sobre a Op Tridente (e que merece ser reproduzido, novamente, nesta 2ª série: como eu já escrevi na altura, o Mário Dias é o único dos membros da nossa Tabanca Grande que pode dizer "Eu estava lá") (2). Mas não, não ouvi. Joaquim Furtado e a sua equipa privilegiou os depoimentos dos militares portugueses de alta patente, a começar pelo homem, que comandou as nossas forças terrestres, o tenente-coronel Fernando Cavaleiro, hoje coronel de cavalaria na reforma. Na altura era também o comandante do BCAÇ 490.

A justificação para a mobilização de vastos meios terrestres, aéreos e marítimos, numa operação de dois meses e tal (14 de Janeiro de 1964 a 24 de Março de 1964) teria a ver com a necessidade de impedir, ao PAIGC, a autoproclamação da República Independente do Como

A ilha, o melhor, o conjunto de ilhas (Caiar, Como, Cantungo), era um intrincado puzzle de rias, braços de mar, bolanhas, lalas, ilhotas, floresta-galeria, tarrafo, de cerca de 200 Km, onde o PAIGC não teria mais do que 400 homens armados (300, segundo o Mário DIAS), controlando no entanto uma vasta população e os seus recursos.

A ilha do Como era farta em gado e arroz, como muito bem frisou o Almirante Ribeiro Pacheco. Talvez ainda mais importante, o Como era um ponto vital para as linhas de reabastecimento do PAIGC, dada a sua proximidade com a Guiné-Conacri. E o seu controlo afectava seriamente o reabastecimento das posições portuguesas na região de Tombali.

Outro oficial da Marinha entrevistado foi o comandante (?) José Luís Gouveia, dos Fuzileiros, que também participou na batalha do Como. Um dos mitos que caiu por terra era existência de bunkers, de cimento armado, onde os guerrilheiros do PAIGC se entrincheiravam e resistiam aos bombardeamentos da aviação e da marinha portuguesea. Não havia bunkers nenhuns… Dos meios navais, retive que eram compostos por uma Fragata (Nuno Tristão), 4 Lancha de Fiscalização, 4 LDP e 2 LDM.

Nino Vieira, que também é entrevistado, era o comandante militar da Região da Sul, mas não participou directamente na batalha do Como, por se encontrar hospitalizado, na Guiné-Conacri, segundo percebi. Ora, ele é muitas vezes apresentado como o herói do Como, o que não corresponde à verdade histórica... A haver um herói - e os movimentos nacionalistas e os povos que lutam pela sua identidade, emancipação e liberdade precisam, historicamente, de heróis e de mitos - foi o Pansau Na Isna e os seus guerrilheiros-camponeses... Nino Vieira, de qualquer modo, terá sido, à distância, o principal responsável pela estratégia de defesa da Ilha do Como. Enfim, os louros da vitória (a havê-la, para um lado ou para o outro) terão que ser analisados e discutidos, com objectividade e rigor, pelos historiadores.

Ao que parece, em balanta, Pansau Na Isna (ou N'Isna) quererá dizer a tabanca que está a morrer. Pansau era muito próximo de Amílcar Cabral, mas analfabeto. Também li algures que ele não morreu no Como, mas mais tarde, em Nhacra, num bombardeamento da aviação portuguesa. A ter morrido em Nhacra, morreu como ele teria gostado de morrer: vestido de maneira excêntrica, cheio de roncos, de cores garridas, muito ao gosto dos balantas... Enfim, provavelmente mais um lenda... De qualquer modo, a versão da morte do Pansau Na Isna em Nhacra, posteriormente à batalha do Como, não bate certo com o depoimento que ouvi no 9º episódio do programa da RTP...

Na batalha do Como, o grande inimigo dos portugueses foi a falta de água potável, as dificuldades de reabastecimento, as rações de combate, os mosquitos, o terreno… Muitos militares portugueses já não podiam com a intragável carne de vaca à jardineira, que faziam parte da invariável ementa das NT... Valeu-lhes, de alguma maneira, o suplemento de carne de vaca, porco e cabrito que abundava pela ilha, deixada para trás pelas populações em fuga estratégica...

A G3, que fez a sua estreia em combate, também não se portou muito bem: era muito sensível, às poeira, à areia, etc. ... A densa floresta-galeria com árvores de grande porte, seculares, frondosas, tornou praticamente inofensivos os bombardeamentos da aviação portuguesa, à parte o terror que as nossas bombas inspiravam, sobretudo nas mulheres, crianças e velhos…

Por outro lado, os guerrilheiros cedo aprenderam a defender-se dos bombardementos, escondendo-se atrás de bagas-bagas. Alguém confirmou que foram utilizados aviões da NATO (F86 e PV2 e 2-5), operando a partir de Cabo Verde. Não ficou claro o uso de napalm. A FAP fez cerca de 850 missões, largou mais de mil bombas.

O PAIGC terá perdido 150 homens e 6 armas. O Mário Dias fala apenas em 7 dezenas de mortos confirmados. Os mais de 1200 militares regressaram a Bissau, depois da mais cara e mais longa operação, levada a cabo na Guiné-Bissau. Os oficiais portugueses entrevistadaos consideram a um operação um sucesso absoluto.

O PAIGC, por sua vez, transformou em mito a batalha do Como. Luís Cabral considerou a Ilha do Como como a primeira região libertada (4). Usando as clássicas tácticas da guerrilha, o PAIGC evitou o confronto directo com as NT, pondo a sua população a recato.

Pelo lado do PAIGC também foi entrevistado o Comandante Gazela, recentemente falecido em Portugal. Também foi dado o testemunho do médico da CCAÇ 557, Rogério Leitão.

2. Comentário de Pezarat Correia a este último episódio, o nono, da 1ª série do programa RTP sobre a guerra colonial:

Creio que chegou ao fim a 1.ª série do programa “A Guerra”, de Joaquim Furtado, na RTP 1. Estamos já em condições de fazer um primeiro balanço e penso que a “expectativa positiva” que registei no meu “Giro do Horizonte 6” de 17 Out, se justificou. O programa, no conjunto dos 9 episódios, merece-me um julgamento favorável.

Encerrou bem com a “Operação Tridente” na ilha do Como, T.O. da Guiné, em que o confronto entre opiniões dos responsáveis portugueses e do PAIGC puseram em destaque um paradigma da guerra colonial. Tinham razão os primeiros quando, na sua perspectiva, diziam que a operação tinha sido um sucesso, pois cumpriram as missões atribuídas, apesar dos insignificantes resultados em baixas ao IN e material capturado. Mas foram ao objectivo e, naquelas operações, os objectivos não eram para se conquistarem, eram para se ir lá. Tinham também razão os segundos quando se congratulavam por, afinal, depois da operação as tropas portuguesas terem retirado e os guerrilheiros reinstalado no terreno, tornando insustentável a vida da reduzida guarnição portuguesa que lá ficou num extremo da ilha, sem poder sair do seu buraco.

Esta controversa foi paradigmática da guerra, disse eu, porque, de facto, esta foi, para nós, militares portugueses, um somatório de sucessos de operação em operação, até ao inevitável insucesso final.

Os sucessos que os responsáveis pelas três maiores operações nos três T.O. reclamaram, “Tridente” na Guiné, “Quissonde” em Angola e “Nó Górdio” em Moçambique, às quais poderemos acrescentar a “Mar Verde” na Guiné com a particularidade de esta ter ocorrido em território da Guiné-Conakri, foram, afinal, rotundos fracassos estratégicos.

Aqui reside o fulcro da questão guerra ganha/guerra perdida, que me parece que este programa ajuda a esclarecer. Este será um dos seus méritos.


Extractos de: Blog a A25A > Pezarat Correia > 19 de dezembro de 2007 > Giro do Horizonte 17 - Guerra Colonial 2 (com a devida vénia...)
________________

Notas de L.G.:

(1) Vd. posts anteriores desta série:

30 de Setembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2142: PAIGC - Quem foi quem (1): Amílcar Cabral (1924-1973)

30 de Setembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2143: PAIGC - Quem foi quem (2): Abílio Duarte (1931-1996)

6 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2159: PAIGC - Quem foi quem (3): Nino Vieira (n. 1939)

18 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2190: PAIGC - Quem foi quem (4): Arafan Mané, Ndajamba (1945-2004), o homem que deu o 1º tiro da guerra (Virgínio Briote)

12 de Dezembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2343: PAIGC - Quem foi quem (5): Domingos Ramos (Mário Dias / Luís Graça)


(2) Vd. post de 23 de Dezembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2375: RTP: A Guerra, série documental de Joaquim Furtado (8): A Batalha do Como (Mário Dias / Santos Oliveira)

(3) Vd. o dossiê sobre a Operação Tridente, da autoria do Mário Dias, que participou nessa famosa operação:

15 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCLXXII: Op Tridente (Ilha do Como, 1964): Parte I (Mário Dias)

16 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCLXXV: Op Tridente (Ilha do Como, 1964): II Parte (Mário Dias)

17 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCLXXX: Op Tridente (Ilha do Como, 1964): III Parte (Mário Dias)

17 de Novembro 2005 > Guiné 63/74 - CCXXVI: Antologia (25): Depoimento sobre a batalha da Ilha do Como

(4) Vd. post de 1 de Julho de 2007 > Guiné 63/74 - P1907: PAIGC: O Nosso Primeiro Livro de Leitura (2): A libertação da Ilha do Como (A. Marques Lopes / António Pimentel)

Vd. também outros postes do Mário Dias sobre a Ilha do Como e a Op Tridente:

17 de Novembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCXCV: A verdade sobre a Op Tridente (Ilha do Como, 1964)

15 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCLXX: Histórias do Como (Mário Dias)

15 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLI: Falsificação da história: a batalha da Ilha do Como (Mário Dias)

Guiné 63/74 - P2434: Antropologia (4): Kassumai, bons augúrios na cultura felupe (Luís Fonseca / Pepito)

Guiné-Bissau > Bissau > AD - Acção para o Desenvolvimento > Foto da Semana > 17 de Dezembro de 2006 > As mulheres estão a mudar o rosto da Guiné... Elas são as portadoras do futuro... E isto é Kasumai, bons augúrios na cultura felupe: votos de paz, liberdade, felicidade... (LG).

Região do Cacheu > S. Domingos > "Maria de Lurdes é uma das mulheres de S. Domingos que decidiu aprender a ler e a escrever, como forma de melhorar a sua capacidade de intervenção numa vida profissional mais activa.

"Ela, conjuntamente com mais outros 45 pais filiados na Associação dos Afilhados de Elx, frequentam actualmente dois círculos de alfabetização que decorrem no Centro de Formação Rural (CENFOR) de S.Domingos todos os dias da semana.

"Inicialmente previsto para apenas 20 participantes, o interesse demonstrado pelas pessoas que não sabem ler acabou por ultrapassar todas as expectativas mais optimistas, sendo gratificante notar que, a nível da Guiné-Bissau, existe uma enorme procura de cursos de alfabetização funcional".


Foto e legenda: © AD - Acção para o Desenvolvimento (2007). Direitos reservados (Com a devida vénia...).


1. Mensagem do editor, L.G., ao Luís Fonseca (1), com data de 3 de Janeiro:

(...) Haveremos de nos conhecer pessoalmente... Até lá, diz-me como traduzes Kassumai... Abraço ?... Quero pôr a expressão na nossa lista de abreviaturas...

Contacta o Delfim Rodrigues que ficou com o livro [do pai do Pepito] que era para ti... Gostava que fizesses uma antologia de textos sobre os "costumes jurídicos dos felupes"... O Pepito decerto que nos dará autorização... Luís


2. Resposta do Luís Fonseca (4 de Janeiro de 2008),

Luis, acabo de ler a tua msg de ontem.

Se me permites vou dividir o suscitado no seu conteúdo em três passos:

1º - Kassumai: Tanto quanto me recordo significava uma saudação de amizade, do tipo "Bom dia", "Boa tarde", "Olá", "Passa bem". Todavia, recentemente, em ONG de cariz religioso descobri "Paz esteja contigo", "Desejo tudo de bom e o melhor para ti". Parecem-me frases demasiado longas e "complicadas" para aquela etnia.

2º - Delfim Rodrigues: Tomei a liberdade de pesquisar, mesmo antes de falar com ele, e vim a descobrir que a monografia foi editada pelo Centro Estudos Guiné Portuguesa, numa colecção denominada de Boletim Cultural que está a ser digitalizada pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas) em Bissau. Até ao momento digitalizaram até ao vol. XIV, nº 56, e o que nos interessa é, cinicamente, parte do vol. XV, nº 57. Não sei se uma palavra dada ao Pepito poderia ter algum resultado.

3º - Antologia de textos: Agradeço a tua confiança mesmo antes de eu ler a cópia, prometida pelo Delfim, com quem conto encontrar-me na próxima semana. Neste momento não sei o que me espera. Mas acho que sou capaz de realizar algo de positivo, para a Grande Tabanca e também para mim próprio. Falaremos dos detalhes mais tarde.

Por agora, Kassumai.
Luís Fonseca


3. Comentário do Pepito:

Amigo Luís

Claro que tudo o que diga respeito a um melhor conhecimento das etnias guineenses podem e devem ser difundidas por quem tem esse tipo de preocupações raras.

Já agora em relação à questão do termo-conceito kasumai (em crioulo escreve-se com apenas um só "s", como todas as palavras que se lêem "ss"), transcrevo o que o meu pai escreveu numa comunicação (que tenho intenção de reeditar este ano) que fez em 1963:

"O poder das crenças religiosas, uma liberdade ampla, uma vida comunitária sólida e uma igualdade de fortuna, mantêm a paz social e a felicidade do povo. Entre os Felupes, há uma palavra comum para designar LIBERDADE, PAZ e FELICIDADE: kasumai"

Um bom kasumai para ti e para todos os habitantes da nossa Tabanca Grande.
pepito
____________

Nota de L.G.:

(1) Vd. último poste de Luís Fonseca , ex-Fur Mil Trms, CCAV 3366/BCAV 3846 (Suzana e Varela , 1971/73):

6 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2410: Cusa di nos terra (13): Susana, Chão Felupe - Parte VIII: Onde se fala dum Tintin em apuros... (Luís Fonseca)

Guiné 63/74 - P2433: Em busca de ... (16): Pessoal da CCAÇ 4946/73, madeirense + Arsénio Puim, ex-capelão, açoriano, BART 2917 (Luís Candeias)

1. Mensagem do Luís Candeias (1):

Boa Noite, Luis Graça:

(i) Obrigado pela divulgação da(s) minha(s) pergunta(s). Recebi logo 2 e-mails com informações sobre o Coronel Morna (D. Conceição, do Funchal) e sobre a Guiné e o Controle Aéreo (Henrique - Algarve). Essa informação sobre a CCAÇ 4946/73 fez soar alguns alarmes no meu album de memórias. Acho que era isso mesmo.

Vamos ver se tenho a sorte de aparecer alguém. Os graduados eram todos do Continente e os soldados eram madeirenses. Esses ainda os vi no processo de desmobilização antes de partir para Ponta Delgada.

(ii) Quanto ao Arsénio Puim prometo que vou apertar com ele. O Arsénio é uma pessoa muito querida e respeitada aqui na nossa comunidade açoriana, principalmente entre os seus conterrâneos, os Marienses.

Ele foi meu professor de História no Liceu e sempre um bom amigo. Foi enfermeiro aqui no Hospital, em Santa Maria, casou com a Leonor, também
enfermeira, e acabou mudando a sua residência para Vila Franca do Campo, na vizinha Ilha de S.Miguel, terra de origem da Leonor. Tem 2 filhos já crescidotes, o Pedro e o Miguel, estudantes Universitários.

É hoje um Enfermeiro reformado e um Mariense muito empenhado na Cultura e História marienses, e sua divulgação, com intervenção permanente no jornal
O Baluarte de Santa Maria.

A sua lucidez, sensatez , serenidade e saber são características que sempre
admirei. Ele não gosta de luzes da ribalta, mas também concordo que o que falta da história da detenção e expulsão que sofreu são peças fundamentais de uma história que tem que ser continuada,completada e divulgada. Não duvido que ele compreende isso e que irá colaborar convosco.

Um grande abraço

Luis Candeias

2. Comentário do editor, L.G.:

Luís: Não esqueço a tua promessa de nos trazeres, até aqui, ao blogue, o nosso querido amigo Puim... Em troca desse favor e em reconhecimento do teu interesse e amor pela 'nossa Guiné' (aonde poderias ter ido parar, como nós...), ficas com a porta aberta, escancarada, da nossa Tabanca Grande... Se quiseres fazer parte deste grupo (que se recusa a ser tratado como um bando de saudosistas, de veteranos, de cotas, de velhos, etc.), manda-nos uma chata tua, actual, para pôr na fotogaleria... Se tiveres uma da tropa, também podes mandar...

O tratamento aqui é o tu-cá tu-lá... Como tu poderias ter sido nosso camarada da Guiné, não tens quaisquer privilégios em termos de tratamento. Recebe um abraço (Alfa Bravo) doutro Luís que conhece e ama a tua terra (Açores), mas não conhece a tua ilha (Santa Maria)... Um chicoração para o Puim.

PS 1 - Passei férias na Terceira (onde tenho amigos), São Miguel, Faial e Pico, o percurso turístico mais fácil...

PS2 - Tive há tempos notícias de alguém que me disse que o Puim já havia pedido a um dos filhos, aqui em Lisboa, para nos contactar... Acho que o Puim chegou a pensar vir ao último convívio, em 2007, em Setúbal, do pessoal do BART 2917... Terá decidido não aparecer, à última hora, por razões (talvez ainda dolorosas, para ele) que não quis dizer...

______________

Nota de L.G.:

(1) Vd. poste de 8 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2421: Em busca de... (15): Pessoal da companhia madeirense que esteve em Jemberem (1973/74) (Luís Candeia, amigo do Arsénio Puim)

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Guiné 63/74 - P2432: Diorama de Guileje (1): Geradores: Grupos Diesel Lister ou Frapil: fotos ou manuais, precisa-se (Nuno Rubim / Victor Condeço)

Um gerador de marca Lister, parecido com o que deveria existir em Guileje.

Foto: Nuno Rubim (2007).

1. Mais um pedido, urgentíssimo, do Nuno Rubim com data de 3 do corrente, e que já circulou pela Tabanca Grande. Devido ao ruído de fundo, o pessoal da caserna não ligou patavina ao nosso coronel... No tempo da outra senhora, na Metrópole, isto piava mais fino... Houve uma honrosa excepção, que eu saiba: o Victor Condeço , ex-Fur Mil Mecânico de Armamento, CCS / BART 1913 ( Catió, 1967/69)... Desta, como da outra vez , quando pediu informações sobre as cores dos bidões de combustíveis e lubrificantes (1)... Bem hajas, Victor!

Pessoal da ferrugem, pessoal do serviço de material, camaradas: como nos bons velhos tempos, na Guiné, na nossa Tabanca Grande, vamos lá desenrascar o nosso homem... É por uma boa causa: O diorama de Guiledje...

Hoje, se eu voltasse à guerra, à nossa guerra (cruzes canhoto!), eu se calhar daria muito mais importância, mais valor, aos gajos da ferrugem, aos mecânicos auto, aos tipos do serviço de material, das nossas unidades, etc. que eram vistos pelos operacionais, com alguma condescendência ou até sobranceiria...

Afinal, tanto na guerra como na paz todos somos úteis e importantes!... Nunca imaginei que (ou nunca me perguntei se) o gerador, em Bambadinca, podia bifar; nem nunca me preocupei se havia gasolina, gasóleo ou petróleo nos bidões (a não ser quando andava no mato, ou nas tabancas em auto-defesa, e sonhava com o meu uisquinho com 2 pedrinhas de gelo e água de Perrier)... Ou se tínhamos viaturas, em bom estado de conservação e de segurança, para fazermos, com sucesso, as nossas colunas logísticas e levar a bianda aos nossos camaradas de Mansambo, Xitole, Saltinho...

Hoje sei que, enquanto uns faziam a guerra, havia outros que se preocupavam com a logística, o material e até com o nosso bem-estar e conforto... Ontem como hoje... Confesso que o único mecânico de armamento que conheci na tropa foi... o nosso Victor Condeço. Ainda por cima, conhecimento virtual, já que ainda não fizémos o teste do quebra-costelas, como diria o nosso Paulo Raposo, o Almansor de Montemor-O-Novo, de quem já tenho saudades... (LG)

Caro Luís

Quando oportuno mais uma pergunta aos Camaradas do blogue. De uma relação existente em Guileje apurei a existência de :

-Atrelado 1 Ton (Estação de serviço móvel )
-Motor diesel marca Lister com alternador Frapil 20 KVA
-Motor diesel marca Lister com alternador Brush 1375 KVA

Julgo que este tipo de material estaria distribuído a outras unidades da Guiné (aliás lembro-me de haver em Mansabá um gerador de um destes dois tipos, 1965).

O que eu precisava: fotos ou eventualmente instruções ou manuais ilustrados destes equipamentos.

Obrigado

Um abraço

Nuno Rubim

2. Resposta do Victor Condeço, no dia 5 de Janeiro:

Meu caro camarada Nuno,

Depois de várias pesquisas na Net e consulta ao meu camarada Alf Mil do Serviço de Material, que era responsável pela manutenção dos geradores de Catió (1967/1969), consegui pouco, apenas o que a seguir transcrevo da resposta recebida e de onde se depreende que o Grupo de 1375 KVA dificilmente terá existido no Guileje (terá havido confusão com os de 7,5 KVA ou com os de 47,5 KVA):

"Infelizmente não posso ajudar grande coisa, pois não disponho de fotos nem de manuais, na minha posse.

"Em Catió, no quartel tínhamos 2 excelentes Grupos Diesel LISTER, refrigerados a ar, de 47,5 KVA – isto é seguro. Tenho quase a certeza de que os alternadores eram FRAPIL, mas a minha lembrança aqui já é menos segura.

"Estes Grupos de 47,5 KVA eram usados principalmente em sedes de batalhão, de certa forma pela sua potência e excelente qualidade eram ao tempo um luxo, e ainda para mais com reserva de 100%.

"Nas companhias mais pobrezinhas (Cachil, Ganjola) , fundamentalmente para fazer a iluminação da vedação, usavam-se uns Grupos de fabrico nacional – EFI, com alternador FRAPIL, penso que com uma potência de 7,5 KVA.

"Nas companhias mais importantes (Cufar, Bedanda), usavam-se os Grupos LISTER/FRAPIL de 20 KVA.

"Os Grupos referidos de 1375 KVA, ou seja 1 MW, isso já é outra fruta. É equipamento pesado de potência suficiente para alimentar uma pequena cidadela africana. Penso que seria equipamento para uma central civil de uma cidadela de alguma importância.

"Sendo a LISTER uma marca de referência no campo dos Grupos Diesel, e, estando estes tão difundidos em África, será que não conseguem arranjar localmente um manual?! O aspecto externo destes equipamentos não mudou muito.”


Nuno, das minhas pesquisas na Net encontrei este site, EAGLE POWER LTD - Used and New Diesel Generators: as fotos aqui mostradas são o que de mais parecido encontrei, assemelham-se muito com os grupos existentes em Catió, embora o gerador fosse menor e a cor original era um verde, ligeiramente mais claro.

Desculpa se não ajudei e te fiz perder tempo.

Um abraço e bom trabalho

Victor Condeço

3. Resposta do Nuno Rubim:

Caro Camarada Condeço:

Perder tempo ???... Ganhar é que foi, pois estamos sempre a aprender qualquer coisa ! A ajuda foi importante pois, a partir da informação do seu camarada do Serviço de Material (a quem peço que agradeça em meu nome), encontrei na Net uma foto de um grupo que me parece muito semelhante ao que havia em Guileje (vd. foto acima) e que já me vai permitir fazer uma miniatura.

O que me envia, parece ser coisa mais moderna, mas muito obrigado pela
sua colaboração.

Um abraço

Nuno Rubim

____________

Nota dos editores:

(1) Vd. postes de:

5 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2408: Sistema de cores dos bidões de Combustíveis & Lubrificantes, usados pelas NT no CTIG (Victor Condeço)

31 de Dezembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2394: Quem se lembra das cores dos bidões de combustíveis e lubrificantes ? (Nuno Rubim)

Guiné 63/74 - P2431: Operação Macaréu à Vista - Parte II (Beja Santos) (15): Oficial e cavalheiro em Bambadinca, às ordens de Dona Violete

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Espectacular vista aérea do aquartelamento, tirada no sentido leste-oeste, ou seja, do lado da grande bolanha de Bambadinca (vd. mapa da região)

Reconstituição feita, de memória, por Humberto Reis, Luís Graça e Gabriel Gonçalves (CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71)... Está disponível, noutro poste, o resto das legendas (1)...

O Beja Santos estava instalado em 6 (quartos dos oficiais) e a escola primária de Bambadinca e casa da senhora professora, Dona Violete, era em 19. O aquartelamento de Bambadinca(e posto administrativo do concelho de Bafatá) situava-se numa pequena elevação de terreno, sobranceira a uma extensa bolanha (a leste). Para a esuerda da escola, e já já ñão vísíveis na foto, ficavam o edifício dos correios, a casa do administrador de posto (que era um caboverdiano, na altura), e outras instalações que chegaram a ser utilizadas por camaradas nossos que trouxeram as esposas para Bambadinca (foi o caso, por exemplo, do Alf Mil Carlão, nosso camarada da CCAÇ 12).


Guiné-Bissau > Zona Leste > Bambadinca > 1997 : "O que resta da antiga escola... A professora portuguesa do nosso tempo chamava-se Dona Violeta (eu já não me lembrava do nome, o meu amigo Zeca é que mo indicou)".

Foto e legenda: © Humberto Reis (2005). Direitos reservados.


Guiné-Bissau > Zona Leste > Bambadinca> CCS do BCAÇ 2852 (1968/70) > Novembro de 1969 > O Beja Santos, tranferido para Bambadinca, com o seu Pel Caç Nat 52, em meados de Novembro de 1969, em frente às suas novas instalações,as dos oficiais... "Os primeiros tempos, Novembro de 1969... A adaptação não foi fácil, havia barulho em demasia, para quem vinha do fim do mundo,nos ermos do Cuor. Depois, a natureza da intervenção, fazendo de tudo um pouco, sem se verem resultados práticos. Mas vinha tonificado, depois de meses com idas diárias a Mato de Cão,sabia-me bem ter deixado um aquartelamento reconstruído,vinham comigo alguns dos melhores soldados da Guiné. A seguir deprimi, com patrulhamentos à volta da pista de aviação"...

Fotos: © Humberto Reis (2007). Direitos reservados.


Texto enviado pelo nosso camarada Beja Santos (ex-alf mil, comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), em 13 de Novemrbo de 2007´:

Luis, aqui vai novo episódio. Penso que podias usar a ilustração da escola. Reenvio-te uma fotografia minha, dessa época. Quinta feira reencontro o Pires que me telefonou dizendo-me que tem recordações desse tempo. Eu estava a adoecer e não sabia, agora é que dou conta do frenesim da nossa vida em Bambadinca, as operações com guias que desconheciam o terreno, a brutalidade dos nossos horários. Os livros seguem pelo correio. Um abraço do Mário.


Operação Macaréu à Vista > Episódio XV > A PRIMEIRA DAMA DE BAMBADINCA (2)

Beja Santos


(i) Uma dificílima carta de amor, entre o pretérito, o presente e o futuro

São 10h da manhã de um dia desse Novembro que caminha para o fim. Emboscámos na estrada para o Xime, sempre com a obrigação de andar às voltas perto do campo de aviação. Regressámos pelas 3h da madrugada, agora é necessário levar mantimentos à nossa secção que está em Sinchã Mamajai, iremos depois a Afiá levar doentes que vieram à consulta, mais alguns sacos de arroz, seguir depois com o correio para Bafatá, regressar e patrulhar nos Nhabijões, jantar e emboscar de novo. Tenho uma hora antes de partir para este dia de trabalho que começa com Sinchã Mamajai, escrevo à Cristina:

“Estou na mesma messe de oficiais de onde parti em 3 de Agosto do ano passado na companhia do Saiegh, Mamadu Camará, Adulai Djaló e Sadjo Baldé. O ambiente é o mesmo dessa época, tendo partindo todos os oficiais com a excepção do Machado, do pelotão Daimler.

Presentemente, as noites são suaves, joga-se bridge, xadrez e damas, uns chegam e outros partem, mas está tudo fechado quando regresso de madrugada. Os meus soldados africanos vivem na tabanca, alugaram quartos, compraram camas e colchões nas lojas do Rendeiro, do Zé Maria, do Amiro e dos irmãos Brandão, fui fiador de todos eles, não podes imaginar o que é o dia dos pagamentos com a lista de descontos, incluindo os empréstimos e as dividas entre eles.

Felizmente, para a segurança de todos que as caixas de munições, as bazucas e os morteiros estão no paiol do quartel. A tropa europeia fica em casernas, aqui perto de mim, por detrás da capela e da escola.

Este ritmo de trabalho tem o condão de me destruir o sono repousante, venho de madrugada, demoro imenso a conciliar o sono, estou sempre a pensar no disparate destes passeios na noite cerrada, à volta de uma pista de aviação iluminada, dois atiradores de qualidade dizimavam-nos em minutos. Depois, há o barulho das portas a abrir e a fechar, as casquinadas, o palavrão. Li o 'Requiem de Terizin', de Josef Bor, um testemunho pungente, um verdadeiro tratado de dignidade humana em que os judeus executam no campo de concentração o Requiem de Verdi para os seus carrascos, sempre que um dos músicos era gazeado, outro substituía-o.

Estou a pôr em ordem o meu caderninho sobre todos os acontecimentos do Cuor, espero um dia descrever o que ali vi e vivi. O capitão Neves, que aqui comandou a CCS, e depois foi punido, comanda agora o aquartelamento de Mansambo. Tive muita alegria em revê-lo, ele ajudou-me imenso com materiais que desviou para Missirá e Finete. Tenho notícias do Pina, ficou com o dedo inteiro, embora torto. Continuo sem saber se tenho direito a ir de férias, no princípio do ano.

Logo que haja notícias consistentes, escrevo-te. Peço-te o favor de ires visitar o Alcino no serviços de ortopedia, no Hospital Militar Principal. Tal como o Casanova, recusa-se a falar, está muito engessado devido às fracturas da bacia e do fémur. Este mês tenho que poupar dinheiro, vim de Missirá com a roupa toda destruída pela Binta, trouxe meias desirmanadas, camisas puídas, a nova lavadeira trouxe-me a roupa podre, exigindo renovação, enfim, mais despesas.

Não sei se não te ando a cansar com o meu dia-a-dia. Por exemplo, amanhã tenho que ir Amedalai, uma tabanca com um destacamento de milícias a caminho do Xime porque uma grua de 16 toneladas guinou para dentro da bolanha, toda a equipa de desempanadores vai para lá, e tenho que montar segurança. Ser oficial de dia é fazer o mesmo que fazia nos Açores: rondas, assistir às refeições e às formaturas, tomar nota das ocorrências, etc.

Sei que o Carlos Sampaio está aí de férias, ele certamente vai procurar-te. A última carta que recebi dele era de uma infinita tristeza. Interrompo aqui, Ussumane veio avisar-me que a coluna está pronta para partirmos. Prometo escrever em breve. Peço-te que me dês as tuas mãos, que estejas bem a meu lado, mesmo quando te trago sombras e egoísmo. Agora vou deixar este aerograma na secretaria, ele segue esta tarde para Bafatá, dentro de dois, três dias está na tua caixa de correio. Volto em breve e deixo-te esta promessa: temos uma vida inteira para construir.”


(oo) Uma conversa insólita com Jovelino Corte Real


Era inteiramente impossível passar-me pela cabeça que o comandante, homem de fala sóbria, incapaz de uma pitada de humor, me estivesse a preparar uma praxe de arromba. Quando Bala, o seu ordenança, me viu chegar de Amedalai e comunicou que o comandante me queria falar com urgência, suspeitei que houvera uma qualquer desgraça que exigisse a nossa intervenção imediata, talvez em Finete ou mesmo Missirá, ou, quem sabe, nas tabancas a caminho de Mansambo. Apresentei-me no gabinete, Jovelino Corte Real levantou os olhos dos papéis e mandou-me sentar. Eu não acreditava no que estava a ouvir. Um de nós estava a enlouquecer ou fora do tempo.
– Mandei-o chamar porque é um assunto que precisa hoje de ficar esclarecido. Temos que cuidar das relações protocolares no sector de Bambadinca, captar a confiança dos civis com mais prestígio. Reuno habitualmente com o administrador, com o chefe de posto, com os cantineiros, com certos agentes da segurança. O quartel tem que dar apoio a quem nos faz bem e é por isso que tenho procurado manter uma relação amistosa com a professora, a D. Violete, pondo-lhe um oficial às ordens. O Machado tem exercido essa missão, tem sido quase um estribeiro-mor, acontece que ele vai partir dentro de um mês, V. é o oficial em quem eu deposito mais confiança. É culto, tem boas maneiras, até fala de coisas que as senhoras gostam, como gastronomia e decoração. Vou nomeá-lo oficial às ordens da D. Violete.
– Meu comandante, sei o que é um estribeiro-mor, o Machado nunca me falou que era o oficial às ordens de D. Violete, para o caso não tem importância, eu não percebo é porque é que a D. Violete precisa de ter um acompanhante militar, ainda por cima com a vida que eu levo, que companhia é que quer que eu dê à senhora?
– Homem, é um encargo honorífico. A senhora quer ir a Bafatá, V. acompanha-a. A senhora vive com a mãe, é solteira, quer dar um jantar, V. faz-lhe companhia. A senhora quer ir dar um passeio ao Geba, temos para aí o Sintex, vai com ela, usando de todas as cautelas. A senhora tem primos no Xitole, pois ela vai numa viatura e V. defende-a se houver uma emboscada. D. Violete é uma senhora gentil, tem muito bons modos, ajuda-nos no ensino dos nossos soldados básicos, não se esqueça ela é professora de todas as crianças de Bambadinca, muitas delas até são filhos dos seus soldados.
– Meu comandante, desculpe mas estou confuso. Ainda ontem reunimos com os majores Cunha Ribeiro e Sampaio, vou em breve para a ponte de Unduduma, até lá tenho a escala completa para duas secções e tenho uma secção sempre em Sinchã Mamajai. Ora, não me parece correcto andar a explicar a minha vida à D. Violete, contraria o segredo militar, até parece que eu estou a fugir à companhia que o comando pretende que eu dê à senhora!
– Olhe, deixe-se de dramatismos. A senhora tem direito a andar acompanhada por um cavalheiro. E V. vai manter-se respeitador, amanhã aparece lá ao fim da tarde com um ramo de flores, vai com a farda n.º 2 de calça comprida, nada de andar a mostrar a perna, não quero insinuações de falta de respeito.
– Peço-lhe desculpa, mas há aqui um equívoco. Estamos a falar da mesma senhora que me ajudou a arranjar os professores para Missirá e Finete, com idade para ser minha mãe? Acha que eu lhe ia faltar ao respeito?
– A carne é fraca, nosso alferes. Se tem dúvidas sobre o que fazer e como se comportar, vá falar com o Machado. Agora deixe-me em paz, tenho papéis para assinar, daqui a um bocado vamos todos jantar.

Claro que saí dali e fui falar com o Machado que me surpreendeu com o seu laconismo, sim, acompanhava a senhora, de vez em quando ia lá a casa, etc., é muito delicada, com ela nunca se fala de guerra, lê livros românticos e toca piano. Amaldiçoei a minha sorte, começava a minha vida em Bambadinca a tarefar, só me faltava levar a D. Violete às compras!

O que interessa é que no dia seguinte pedi ao Domingos para informar D. Violete se podia visitá-la depois das aulas, para apresentar cumprimentos. O Domingos aproveitou logo para me perguntar se quando a tropa acabasse eu dava um jeito para ele ser professor em Finete. Disse-lhe que sim.

As minhas insónias continuam e aproveito para ler a História da Guiné, de João Barreto. De novo vem à baila a guerra do Oio, em 1897, em que saiu uma expedição terrestre de três mil homens, que contou com a colaboração de Infali Soncó. Quando as tropas foram atacadas pelos rebeldes, a gente de Infali Soncó coligou-se abertamente com os rebeldes e um lugar-tenente de Infali assassinou Quecuta Mané. Foi uma retirada penosa e humilhante para os portugueses e seus aliados. Quando cheguei à campanha de 1902, conduzida pelo governador Júdice Biker, contra os oincas, em que Infali se conluiou com os soninqués, adormeci profundamente.

(iii) D. Violete, está aqui o seu oficial às ordens!


À hora aprazada, saí do meu quarto e avancei para casa de D. Violete, ao lado da escola. Levava um ramo de flores que Tunca Sanhá, que fora jardineiro em Bafatá, me arranjara no mercado de Bambadinca. Noto, contudo, um movimento desusado no passeio junto dos gabinetes do comando, vários oficiais conversam amenamente e desejam-me boa sorte.

Bato à porta, quem abre é D. Violete da Silva Aires, cabo-verdiana de pele clara, um pouco amarelecida, pôs pó de arroz e carmim, o seu cabelo oxigenado está repuxado para trás, num quase carrapito, sorri e manda-me entrar numa casa de estilo português, numa sala onde está um piano velho, há cadeiras confortáveis, muitas fotografias, sinais de alguma abastança no passado. Abre-se um mosquiteiro numa ligação de outra divisão com a sala e surge D. Ema, a mãe, um senhora de idade indefinida. De pé, com a conversa estudada, vejo a anfitriã a arremelgar os olhos enquanto me apresento.
– Senhora professora, apresento-lhe cumprimentos do senhor comandante, que lhe envia estas flores. O alferes Machado vai partir em breve, a partir de agora sempre que precisar da minha companhia, faça o favor de dispor. Como deve imaginar, terei o maior gosto de lhe dar essa companhia, o batalhão agradece-lhe imenso o serviço que nos presta e às populações da região, a partir de agora, passo a ser o seu oficial às ordens.
– Estou encantada. No passado, tive bons amigos ali no quartel. É verdade que o alferes Machado veio aqui uma vez com uns bolos e até lhe pedi boleia para ir a Bafatá, mas nunca pensei que ia ter esta companhia. O alferes Almeida levava-me de bicicleta até Samba Juli, eu ia no quadro, as minhas costas apoiavam-se no braço dele. Ele era alto como o senhor alferes, um verdadeiro homem, uma senhora gosta sempre de ser bem tratada. Posso portanto pedir-lhe ajuda no futuro? E em que é que eu lhe posso ser útil?
– D. Violete, a senhora podia ajudar-me a conhecer a história desta região. Gostava muito de conhecer o passado do Cuor, de Badora, de Bambadinca, como era a população antes da luta armada, o comércio, os usos e costumes...
– Com muito gosto. Mãe, por favor, traga chá, vamos beber com o senhor alferes. Nós as duas somos desenraizadas. Antes da guerra, vivíamos em Fá. Não se esqueça que eu sou a filha do administrador Aires. Por dever de ofício, desloquei-me frequentemente a Sansão, a Canturé (Missirá não tinha importância nenhuma na altura e Finete tinha população flutuante, que vinha para a cultura do arroz), subia até Madina, pela estrada de Geba ia até Bucol. São essas as recordações que me interessam? Sente-se mais pertinho de mim, deixe-me ver a cor dos seus olhos.

Fomos bebendo chá, falámos dos alunos da D. Violete e, inevitavelmente, de livros. D. Violete desabafou:
-Vivo numa terra de brutos. Aqui ninguém lê Stendhal, Camilo ou Eça de Queirós. Os brancos são, de um modo geral, uns analfabetos. Não pode imaginar a solidão em que vivo.

O seu olhar era súplice, D. Violete ia-se aproximando de mim. É nesse preciso instante, sabendo agora que o Machado era tão oficial às ordens como eu régulo do Cuor que pressenti que tinha caído numa armadilha. As horas escoavam-se naquela penumbra suave, do lado das casernas fervilhava a barulheira da hora do rancho. Olhei o relógio, pretextei que era muito tarde, garanti que voltava ou quando as senhoras precisassem bastava que informassem Bala, o ordenança do comandante. E despedi-me:
-Minhas senhoras, senti-me muito bem na vossa companhia. Eu vou voltar, mais não seja para conversarmos e eu tirar notas sobre esta terra de que gosto tanto.

Este foi o primeiro encontro com D. Violete e D. Ema. Quando chego à messe, sinto no olhar de todos a zomba e a mofa mal contidas. Então vinguei-me, falando directamente ao comandante, bem alto para que todos ouvissem:
-A professora ficou encantada com a amabilidade do meu comandante, agradece ter um oficial às ordens e aceitou vir cá jantar em breve, mas antes vai convidar para sua casa o comando, ela tem muito apreço por pessoas da sua idade.

Sentei-me, não sem antes ter sentido no ar atónito de Jovelino Corte Real que o feitiço se virara contra o feiticeiro. Mas quem acabou por jantar em casa de D. Violete fui eu.



Capa do romance policial de Rex Stout, A Caixa Vermelha. Lisboa: Livros do Brasil. s/d (Colecção Vampiro, 55): Capa de Cândido Costa Pinto.


(iv) A inesquecível Virgínia Woolf


Esta semana reli A Caixa Vermelha, de Rex Stout. Nero Wolfe, o paquidérmico detective novaiorquino que nunca sai de casa e passa horas junto das suas orquídeas, recebe um cliente que lhe pede insistentemente para ir a uma casa de moda onde uma manequim morreu envenenada após ter comido um bombom. Para surpresa de Archie Goodwin, o seu secretário, Wolfe saiu de casa, foi ao local do crime, falou com o proprietário e outras manequins, nada descobriu mas todos começam a bater-lhe à porta, inclusive o inspector Cramer, que está às aranhas. A trama desenvolve-se, descobrem-se relações de parentesco entre o proprietário da loja de moda e outra manequim, esta tem dois apaixonados, um deles vai ser assassinado como o próprio proprietário. É aqui que se revela a inteligência fulgurante do mais pesado de todos os detectives, a caixa vermelha acabará por fazer justiça, lá dentro Nero Wolfe pôs uma ampola de cianeto de potássio e a maldosa do romance expia os seus crimes. Como quase sempre, a capa de Cândido da Costa Pinto é uma maravilha.


Capa do livro de Virgínia Woolf, Mrs. Dalloway. Lisboa: Livros do Brasil. s/d. (Colecção Miniatura, 38). Capa de Bernardo Marques.


A grande surpresa, no entanto, foi Mrs. Dalloway, de Virgínia Woolf. É um dia na vida de Clarisse Dalloway, uma senhora de meia idade que vai dar uma festa e que sai de casa com uma grande alegria de viver, num grande frémito. Vemos passar as horas, Clarisse percorre o centro de Londres, é assaltada por memórias, todo o seu passado é reavivado ao som de cheiros cores, sons. O seu casamento com Richard não é dos mais felizes e quando regressa a casa é surpreendida pelo aparecimento de Peter, uma velha paixão.

É um romance assombroso, cadenciado pelas badaladas do Big Ben, as horas passam chega-se à festa chegam as visitas, Mrs. Dalloway exulta com as suas memórias, por, na sua solidão, ainda tocar nos corações, ainda despertar a paixão. O romance começa por uma frase que ficou célebre: “Mrs. Dalloway disse que ela própria iria comprar as flores”. No final, é Peter quem fala: “Mas que terror é este? - pensou consigo. Que êxtase me assalta? Que é que me enche de tão extraordinária excitação? É Clarisse, descobriu. Pois ela estava ali.” E a capa de Bernardo Marques é um espanto de grafismo.

Vem aí o mês de Dezembro, iremos patrulhar tabancas e sueste de Bambadinca, patrulhar entre Mero e Santa Helena, até frente de Aldeia de Cuor, continua o jogo do gato e do rato, gente de Madina camba o Geba vem obter informações e abastece-se sempre que pode, nas nossas barbas. E depois iremos participar nas operações Lua Nova e Punhal Resistente. Nada que tenha passado à história, desgastou e fez perder a paciência.

______________

Notas de L.G.:

(1) Vd. poste de 27 de Abril de 2007 >Guiné 63/74 - P1704: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (43): Em louvor de Bambadinca, a nossa tabanca grande

(2) Vd.poste anterior, 4 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2407: Operação Macaréu à Vista - Parte II (Beja Santos) (14): O falso descanso em Bambadinca

Guiné 63/74 - P2430: Estórias do Juvenal Amado (1): Um dia negro, na estrada Galomaro - Saltinho (Juvenal Amado, CCS/BCAÇ 3872)



Juvenal Amado
Ex-1.º Cabo Condutor,
CCS/BCAÇ 3872
(Galomaro, 1972/74)





Foto 1> Guiné > Zona Leste > Galomaro> CCS do BCAÇ 3872 (1972/74) >Aquartelamento

Foto 2> Guiné > Zona Leste > Estrada (alcatroada) Bafatá-Bambadinca > Coluna logística

Foto 3> Guiné > Zona Leste > Galomaro> CCS do BCAÇ 3872 (1972/74) > Chaimites durante uma visita do General Spínola


Foto 4> Guiné >Zona Leste > Galomaro > CCS do BCAÇ 3972 (1972/74) > Da esquerda para a direita: Caetano, Aljustrel, Fur Claudino, Amado, Alcains, Fonseca, Pinto e Chapinhas


Foto 5> Guiné > Zona Leste > Galomaro > CCS do BCAÇ 3872 (1972/74) > Dentro do Abrigo> Da esquerda para a direita: Aljustrel, Ermesinde, Amado e Caramba

Fotos e legendas: Juvenal Amado (2008). Direitos reservados

1. Mensagem do nosso camarada Juvenal Amado (1), com data de 23 de Novembro de 2007:

Caros camaradas:

Estou a tentar recolher fotos e documentos entre Janeiro de 1972 e Abril de 1974, período em que o BCAÇ 3872, formado pela CCS (Galomaro) as Companhias do Saltinho, Dulombi e Cancolin, esteve na Zona Leste.

Entretanto envio um relato meu lido na Antena 1 , no programa História de Vida, em 27 de Junho de 2007.

Saudações
Juvenal Sacadura Amado


Guiné, 15 de Novembro de 1972

Tinha as virilhas e a parte interna das coxas cheias de bolhas, provocadas pela micose que me afligia praticamente desde que desembarcara na Guiné. A comichão era intensa, e já a fórmula 8 LM usada nestes casos pouco efeito sortia para além do momento em que se aplicava e da dor que provocava.

A coluna militar em direcção ao Saltinho, tinha partido de Galomaro ainda o céu estava escuro para efectuar a recolha de Páras, que tinham sido largados na zona, se não estou em erro dois dias antes. Faziam segurança à coluna o pelotão do PEL REC (Pelotão de Reconhecimento e Informação), reforçado por milícias africanas.

A picada tinha sido abandonada já algum tempo, pois era mais seguro, embora muito mais longe, abastecer a Companhia do Saltinho, através de picadas onde beneficiávamos do apoio das Companhias que faziam parte do Batalhão de Bambadinca, que estavam aquarteladas ao longo do percurso. Normalmente o Esquadrão de Cavalaria de Bafatá também participava com as Chaimites.

Como era uso, uma Berliet, carregada de sacos de areia e os pneus cheios de água por causa das minas, seguia à frente e as ordens eram para se manter distância, desde que não se perdesse o contacto visual com a viatura que seguia na frente.

A picada estava em mau estado pois não era usada há bastante tempo, mas o pior era o capim que tinha crescido de tal forma que nos encharcava com o cacimbo abundante nessa altura do ano. Embora normalmente com um clima escaldante, não era nada agradável aquela hora.

A coluna parou numa aldeia abandonada, que mais parecia que os seus habitantes tinham desaparecido por artes mágicas, pois o povoado estava em perfeitas condições e as palhotas não estavam degradadas pelo abandono. Aí, após um breve descanso, veio a ordem de que o Pelotão de Reconhecimento e Informação (PEL REC) devia formar em duas filas indianas, uma de cada lado da picada, mas de forma a que uma começava onde a outra acabava e guardando uma distância de segurança entre cada uma, que caso houvesse um rebentamento de mina não fosse atingido mais ninguém para além do infeliz que a pisasse.

A minha Berliet, que até a essa altura tinha funcionado como rebenta-minas, passou para trás dessa coluna apeada, onde os soldados passariam a ter as funções de proceder à picagem à frente dos próprios pés do terreno que todos iriam pisar.

Não eram funções para que o Pelotão estivesse bem treinado, na verdade tinham feito alguns ensaios, mas a prática era quase era nula. Acrescento que os milícias se recusaram a fazer semelhante serviço.

Eram na grande maioria meus amigos chegados os homens daquele pelotão, não será demais afirmar o risco que eles iam correr, era uma realidade atroz.

A coluna começou a progredir na direcção do nosso objectivo, o Aljustrel, soldado mecânico, tinha-se oferecido para esta missão, talvez por solidariedade ou talvez porque lhe apeteceu pisar o risco. Na verdade, como meu companheiro da cama ao lado da minha, havia entre nós uma grande amizade, talvez as minhas conversas sobre este tipo de viagens e o facto dele nunca ter ido ao Saltinho tenham influído na sua decisão.

A velocidade de progressão da coluna é ao ritmo dos homens que vão espetando uma vara com uma ponta de ferro no chão, pois no caso de lá haver uma mina a terra fofa facilmente será ultrapassada pela ponta e esta, ao embater num objecto enterrado, transmite ao seu utilizador o que facilmente é de prever.

O Aljustrel é que ia a guiar, utilizando o acelerador de mão e eu sentado no extremo oposto. Agradecia o favor, pois era muito chato e requeria muita atenção fazer aquele tipo de condução, pois à nossa frente, nunca é de mais lembrar, seguiam homens a pé.

Trinta e três anos passados, a certeza sobre o tempo em que a coluna progrediu não está já muito presente na minha memória, mas penso que nem uma hora foi, até que um forte rebentamento se fez ouvir, e o que vi foi tudo negro, terra e fumo no ar.

Atirei-me da viatura e procurei abrigar-me longe dela. Deitado no chão junto do Ivo, e sem saber o que tinha acontecido, logo começámos a ouvir os gritos lancinantes e tivemos a certeza que alguém estava gravemente ferido.

À nossa frente, as folhas rasteiras estavam todas salpicadas de sangue, e à minha esquerda metro e meio recuada, estava um pé descalço, amputado, com um pedaço de perna, era branco e estava estranhamente limpo.

Os gritos e o choque entravam fundo em nós, e foi Aljustrel ou o Silva que disse que tinha sido o Teixeira a pisar uma mina antipessoal.

Junto dele estava o maqueiro, devido à cor do cabelo conhecido pelo Russo, tentava minimizar o sofrimento e estancar o sangue das feridas, do camarada que tinha as duas pernas decepadas, e o que restava era uma mistura de tecidos, com restos de farda, e o preto da explosão era a cor dominante.

Foi pedida evacuação, todos esperávamos talvez um milagre e, ao vermos o nosso camarada, o terror em mexermos os pés do sítio em que estávamos era enorme.

Os gritos foram abrandando, a vida escapava daquele jovem de 22 anos que nem uma hora antes estava pleno de vida, na terra tinha namorada, pais, talvez irmãos como a maioria de nós.

O rosto ficou sereno e a luz que iluminava os seus olhos apagou-se, deixando-os baços e opacos a olhar para nós sem nos ver. Ali ficou deitado junto buraco, que a explosão havia aberto, até que o heli passou por cima nós, e foi a última vez que o vi quando o levaram para local mais aberto, onde foi enfim recolhido.

Foi necessário retomar a marcha, e não é de mais lembrar que é da mesma forma que se vai continuar, ou seja, os nossos camaradas do PEL REC a pé, picando à frente dos seus pés, pois podia haver mais minas. É talvez uma visão da verdadeira coragem, vê-los a caminhar à minha frente depois do que tínhamos acabado de presenciar, e que podia acontecer novamente a qualquer momento.

O regresso foi feito em silêncio pesado, voltámos a passar no sítio e não pude evitar olhar para o buraco, que tinha a dimensão de meio bidão de duzentos litros, e nos obrigava a sair da picada para o contornarmos.

Segui para Nova Lamego (Gabu) com os Pára-quedistas, e nesse mesmo dia regressei a Bafatá, desejoso de estar junto dos meus camaradas, facto que só se veio verificar no outro dia.

Nessa noite bebi até ficar dormente mas não consegui dormir. Na minha cabeça a recordação do acontecido era demasiado presente, via a coluna de fumo, e ainda sentia o cheiro a explosão, e os gritos martelavam sem parar.

Este foi um dia como outros na Guiné-Bissau. Para este camarada como para centenas de outros, a guerra acabou tarde de mais.

Dedico este relato aos meus camaradas do BCAÇ 3872, e mais precisamente aos que viveram aquele dia comigo, pois vamos para a guerra e nunca retornamos dela.

Juvenal Nataliel de Almeida Sacadura Amado
Ex-1.º Cabo Condutor 11199771
CCS/BCAÇ 3872(Galomaro, 1972/74)


2. Comentário do editor:

Parabéns, Juvenal. Ouço às vezes o programa A História Devida, da Antena 1... Têm aparecido alguns boas histórias passadas no Ultramar. Não me lembro da tua. Mas fiquei muito sensibilizado pelo facto de a teres escrito, de a teres dedicado aos teus camaradas que estavam contigo nesse dia negro e também de teres querido partilhar com os nossos amigos e camaradas da Guiné que fazem parte deste blogue. Todos nós sabemos, por experiência própria ou por formação na tropa, quão terríveis eram (são) essas coisas das minas e armadilhas, sabemos do horror (e do terror) que esses engenhos explosivos nos causavam... Muitos de nós ainda temos pesadelos como os teus... Como tu dizes, e muito bem, "vamos para a guerra e nunca retornamos dela"... Conto contigo para mais histórias (e estórias) das tuas andanças pela Zona Leste...
____________________

Notas do editor

(1) Vd. post de 6 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2413: Tabanca Grande (50): Juvenal Amado, ex-1º Cabo Condutor da CCS/BCAÇ 3872 (1971/73)

(2) Programa A História Devida, Antena 1: Todos os dias às 17:20h, com repetição às 21:20h e 03:20h, na Antena 1. As histórias (que devem ser curtas) podem ser enviadas para Produções Fictícias, Travessa da Fábrica dos Pentes nº27 R/C 1250-105 Lisboa ou para o seguinte e-mail.

Guiné 63/74 - P2429: Bibliografia (13): Lançamento do meu/nosso livro: 6 de Março de 2008, na Sociedade de Geografia, com Lemos Pires e Mário Carvalho (Beja Santos)

Lisboa > Círculo de Leitores > Capa do livro do Mário Beja Santos, Diário da Guiné 1968-1969: Na Terra dos Soncó. Ainda no prelo, irá ser lançado em 6 de Março de 2008, na Sociedade de Geografia de Lisboa.
Foto: Círculo de Leitores (2008). (Gentileza da Dra Isabel Mafra, da Editora Temas e Debates)

1. Mensagem do nosso camarada e amigo Beja Santos, com data de 9 de Janeiro:

Luís e tertulianos:

Reuni hoje com a Drª Guilhermina Gomes, do Círculo de Leitores e Temas e Debates, para saber da data de lançamento do primeiro livro. Está confirmada a data para 6 de Março, pelas 18:30 horas, na Sala Algarve, da Sociedade de Geografia de Lisboa, Rua Portas de Santo Antão, 100 (edifício do Coliseu dos Recreios) (1).

Os apresentadores serão o General Lemos Pires (2) e o escritor Mário de Carvalho (3).

Venho pedir com veemência a presença de todos, a despeito de se tratar de dia de semana. Este livro nasceu neste blogue e pertence a todos. As receitas de uma das suas edições reverterá para uma obra que os tertulianos designarão, a seu tempo.

Gostava igualmente de saber se a malta pretende reunir num convívio, nesta tarde e nestas instalações, pois nessa circunstância temos que pedir a competente autorização à Direcção da Sociedade de Geografia.

Um abraço do
Mário Beja Santos
_______________

Notas de L.G.:

(1) É um belíssimo sítio - do ponto de vista cultural, histórico, institucional e... gastronómico - para o lançamento dum livro sobre a guerra colonial/guerra do ultramar e para um encontro tertuliano.

Segundo a Wikipédia portuguesa, a Sociedade de Geografia de Lisboa é "uma sociedade científica criada em Lisboano ano de 1875 com o objectivo de em Portugal promover e auxiliar o estudo e progresso das ciências geográficas e correlativas. A Sociedade foi criada no contexto do movimento europeu de exploração e colonização, dando na sua actividade, desde o início, particular ênfase à exploração do continente africano".

(2) Mário Lemos Pires, nascido em 1930, é mais conhecido da opinião pública como o último governador militar de Timor (18 de Novembro de 1974 a 27 de Novembro de 1975). Autor de Descolonização de Timor: Missão Impossível ? (Lisboa: Dom Quixote. 1994).

(3) Mário Carvalho é hoje considerado como um dos maiores escritores portugueses. Na página da Editorial Caminho, pode ler-se o seguinte:

Mário de Carvalho nasceu em Lisboa, em 1944. Licenciou-se em Direito, em 1969. O serviço militar foi interrompido por prisão em Caxias e, posteriormente, em Peniche, por actividade política contra a ditadura, ainda nos tempos de estudante. Mais tarde exilou-se em França e na Suécia. Regressa após o 25 de Abril de 1974. Dominando soberbamente a língua, o estilo de Mário de Carvalho não se reconhece em nenhuma escola, e o seu registo é ao mesmo tempo de uma grande modernidade. A crítica aponta-o unanimemente como um dos mestres do romance português contemporâneo. Vários dos seus livros foram traduzidos no estrangeiro: A Paixão do Conde de Fróis, Os Alferes, Era Bom que Trocássemos umas Ideias sobre o Assunto, Um Deus Passeando Pela Brisa da Tarde.Vencedor, em 2004, do Grande Prémio de Literatura ITF/DST. (...)

(4) A sugestão de Beja Santos muito nos honra e iremos fazer tudo para que este dia seja uma festa e uma grande oportunidade de convívio tertuliano da malta do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Aliás, já o tínhamos dito há seis meses, atrás... Vd. post de 27 de Julho de 2007 > Guiné 63/74 - P2002: Blogoterapia (29): O Mário escreve com a mesma teimosia, perseverança, paixão e coragem com que ia a Mato Cão (Luís Graça)

(...) É claro que vamos fazer uma festa... Até já há sugestões: 3º encontro da tertúlia e almoço na Sociedade de Geografia (um sítio central e simbólico), em Lisboa, e depois, às 18h, lançamento do livro, com direito a.. um bom espumante português (que os temos até melhores que o champanhe francês!)...
O Mário Beja Santos já tem três livros publicados no Círculo de Leitores, de temática relacionada com o consumo e os direitos dos consumidores...Espero com isso que ele nos abra a porta, do Círculo de Leitores, para outras iniciativas editoriais nossas... O Mário faz questão de fazer reverter uma parte dos direitos de autor para o funcionamento do nosso blogue e para apoio a iniciativas nossas na área da cooperação e ajuda com a Guiné (Não aceito que ele prescinda da totalidade dos direitos de autor!) (...).

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Guiné 63/74 - P2428: Guiledje: Seminário Internacional (1-7 de Março de 2008) (7): Programa

Banner da página oficial de Guiledje: Seminário Internacional (1 a 7 de Março de 2008, Bissau, Guiné-Bissau).

Para conhecimento dos amigos e camarada da Guiné que visitam o nosso blogue, aqui ficam os links directos para uma informação, mais fácil e detalhada, do ambicioso e estimulante programa deste evento (1), que se insere no âmbito do Projecto Guiledje, o qua tem tido desde praticamente o princípio da sua divulgação, em Outubro de 2005, o nosso mais entusiástico e fraternal apoio (2).

Programa

1º dia - Sexta-feira, 29 de Fevereiro

2º dia - Sábado, 1 de Março

3º dia - Domingo, 2 de Março

4º dia - Segunda-feira, 3 de Março

5º dia - Terça-feira, 4 de Março

6º dia - Quarta-feira, 5 de Março

7º dia - Quinta-feira, 6 de Março

8º dia - Sexta-feira, 7 de Março

____________

Notas dos editores:

(1) Vd. post anterior:

9 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2423: Guiledje: Simpósio Internacional (1-7 de Março de 2008) (6): Como inscreveres-te ?

(2) O nosso primeiro post, sobre o Projecto Guileje, é de 5 de Outubro de 2005 > Guiné 63/74 - CCXXXI: Projecto Guileje (1): o triunfo da vida sobre a morte (Luís Graça / Jorge Neto)


(...) Notícias do nosso amigo Jorge Neto (um tertuliano de fresca data, e que trabalha, vive e sobrevive em Bissau).

Boa tarde a todos. Recebi na caixa de correio informação sobre uma ONG [Organização Não-Governamental] guineense que tem um projecto de reabilitação/restauro do histórico quartel de Guiledje [na região de Tombali, no sudoeste, na fronteira com a Guiné-Conacri]. Se alguém tiver interesse em conhecer o projecto bem como ver algumas fotos do que era e do que é, aqui fica o link.

http://www.adbissau.org/projectoguiledje.php (...)

(...) Comentário de Luís Graça:

Acabei de ler o documento, em formato.pdf, de seis páginas, intitulado 'Guiledje, ideias para um projecto de reabilitação'. Gostei, desde logo da citação: 'Salvaguardar a memória é a única forma da vida triunfar sobre a morte'.

Mais do que uma citação, é um programa de acção! Li e fiquei entusiasmado com as ideias apresentadas, a sua fundamentação, a sua metodologia de acção. E disse logo cá para mim mesmo: Ora aqui está um projecto à nossa medida, à medida destes ex-combatentes da guerra colonial da Guiné e dos demais amigos desta tertúlia.

Sinto que podemos fazer alguma coisa de concreto para viabilizar este projecto. Para já, podemos divulgá-lo e dá-lo a conhecer em Portugal. Penso que é um projecto, de grande interesse (histórico, cultural, económico, social e ambiental) para os guineenses, mas também para nós. Daqui uns anos os nossos netos e bisnetos irão aprender, na escola, onde ficava Guileje e discutir a sua importância para dois países que hoje se tratam como irmãos: Portugal e a Guiné-Bissau (...).

Guiné 63/74 - P2427: O Nosso Livro de Visitas (2): Pedro Mesquita, 29 anos, ex-fuzileiro naval, leitor do nosso Blogue

1. Mensagem do Pedro Mesquita, com data de 9 de Janeiro de 2008

Permitam-me que me apresente, sou um jovem de 29 anos, chamo-me Pedro e sou um frequentador assíduo do vosso blog.

Como é óbvio não vivi de perto o conflito do Ultramar, pois nessa altura ainda não era nascido, o meu pai, esse, sim, tal como vocês, foi militar português, mas na ex-província portuguesa de Moçambique.

Segundo posso constatar pelas vossas histórias, acabou por ter mais sorte, uma vez que era Primeiro Cabo Escriturário e nunca passou do Quartel General das Forças Armadas na cidade de Nampula, onde cumpriu a sua comissão.

Eu sou um interessado por esta parte da nossa história, também fui militar português já lá vão 10 anos, cumpri o meu serviço militar obrigatório, primeiro na Escola de Fuzileiros em Vale Zebro, onde fiz a recruta/especialidade (Curso Formação Básica Praças) e depois passei uns meses na Base Naval do Alfeite.

Nunca vivi obviamente o que vocês viveram, mas em alguns aspectos compartilhei dos mesmos sentimentos que vos uniam, como a camaradagem, as grandes amizades que fiz, o espírito de grupo e ainda hoje guardo enormes saudades desses tempos.

Como já disse anteriormente, sou um interessado por esta parte da nossa história, que tanto marcou as gerações passadas e que na minha opinião nunca deverá cair no esquecimento das gerações vindouras, uma vez que faz parte da nossa história nacional.

Bom... mas esta conversa toda, só para vos dar os parabéns pelo excelente blogue que organizaram, por tornarem possível a quem não viveu de perto o conflito, ter uma noção do que passaram, do que sentiram e do que viveram naqueles tempos difícies.

Com os melhores cumprimentos

PEDRO

2. Comentário do co-editor CV:

É com algum orgulho que sabemos que somos lidos por alguém da sua geração.

O nosso orgulho não está naquilo que fizemos e descrevemos, porque, vivendo em ditadura, não tínhamos alternativa, mas sim, por conseguirmos fazer chegar aos mais novos o eco do esforço de uma geração que ao longo de 13 anos participou numa guerra que, como todas, nunca deveria ter começado.

A alternativa que nos restava era deixar tudo (estudos, emprego e família) e fugir.

Saberá como militar que foi, que a guerra é o último recurso, quando se esgotam as possibilidades de negociação ou diálogo. No caso português, praticamente nem diálogo houve.

Para si será incompreensível, como o regime de então, não se tinha apercebido de que a solução para o fim da guerra seria a descolonização. Inevitável, quanto mais não fosse, por analogia ao acontecido com outros países europeus em relação às suas ex-Colónias de África.

Quando finalmente se fez o 25 de Abril, as gerações seguintes livraram-se deste pesadelo.

Caro Pedro, muito obrigado pelo seu contacto, que muito nos honrou.

Guiné 63/74 - P2426: Estórias cabralianas (32): Nanque, o investigador (Jorge Cabral)

1. Mensagem do Jorge Cabral, ex-Alferes Miliciano de Artilharia, foi o comandante do Pel Caç Nat 63, Fá Mandinga e Missirá, Sector L1 - Bambadinca, Zona Leste, 1969/71.

Autor da série Estórias Cabralianas, é advogado e docente universitário, na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, sendo o coordenador do curso de pós-graduação em Criminologia.


Querido Amigo!

Ao ver a série C.S.I. na Televisão, lembrei-me do Nanque. Grande Investigador!...

Aí vai estória.

Forte Abraço
e um 2008 em Glória.


Comentário de L.G.:

Obrigado, amigalhão. É sempre com grande expectativa, avidez e gozo que eu leio as tuas estórias. Ninguém melhor do que tu, no nosso blogue, para descrever, em traço grosso, numa frase, numa linha, numa parágrafo, uma situação-limite, uma fantasmagórica personagem de carne e osso, um hilariante ambiente de caserna, um garboso chefe militar da tropa-macaca, um episódio grotesco mas sempre humaníssimo da nossa (co-)vivência na Guiné, a saudável loucura, própria dos seres humanos que são condenados ao absurdo, à irrisão de uma guerra...

O Jorge nunca acentua o lado do bestiário da guerra que há no Homo Sapiens Sapiens, mas sim o da sua humaníssima, frágil, quase tocante, condição de primata, de primus inter pares na ordem zoológica do mundo... Desde o início que eu tenho feito a apologia das estórias cabralianas, como sendo um hino à idiossincrasia lusitana, à plasticidade comportamental dos nossos soldados, à enorme capacidade de resistência, de imaginação e de adaptação da nossa gente...

Jorge, este ano quero um livro teu, publicado com as tuas/nossas estórias cabralianas... Vamos à procura de editor! Até lá preciso mais de 15 a 20 estórias... O livro já tem título (provisório): Guiné 69/71: Humor em tempo de guerra ou Cabral, só há um, o de Fá e mais nenhum!

L.G.


2. Estórias cabralianas > Ainda o Nanque, mas desta vez, Investigador de … Cocós (1)


O Alferes era calmo. Afável, prazenteiro, nunca se irritava. Naquela tarde porém explodiu. É que constatou que as valas estavam a ser utilizadas como retretes.

Reuniu o pessoal e, no mais puro vernáculo de caserna, descompôs o Pelotão, furriéis, cabos, soldados, brancos e negros… Que vergonha! Pois não haviam assistido à valente piçada que ele sofrera, na semana passada, quando o Major Eléctrico (2), visitara o Quartel, e criticara tudo, desde a limpeza das panelas ao comprimento do seu bigode!?

Findo o discurso, logo o Nanque se apresentou, oferecendo-se para descobrir os malandros dos cagadores. Protegido do Cabral, como seu feiticeiro privativo (2), ele era detestado por quase todos, que não suportavam os banquetes de macaco, o ar arrogante de grande senhor, e o seu estatuto privilegiado, com dispensa de operações, patrulhamentos e sentinelas.

Embora o Alferes nada tivesse respondido ao seu oferecimento, o Nanque iniciou de imediato a investigação, e assim munido de uma vara, andou até ao fim do dia, mexendo, decompondo, analisando e cheirando os vários corpos de delito.

Já noite apareceu, e muito sério, expôs os resultados:
- Dezanove cocós de soldados, todos fulas, quatro por duas vezes, e um por três.
- Cinco cocós de brancos, dois do furriel Amaral e três do cabo Monteiro.

Agradeceu o Alferes tão preciosa informação. Então ele à laia de conselho – conclusão - , acrescentou, ufano:
- Agora, Alferes, é mandá-los para a prisão!

____________

Nota de L.G.:

(1) Vd. lista das estórias até agora publicadas:

20 de Abril de 2007 > Guiné 63/7 4- P1682: Estórias cabralianas (1): A mulher do Major e o castigo do Alferes (Jorge Cabral)

Quando de Missirá me deslocava a Bambadinca, seguia sempre a mesma rotina. Primeiro visitava o Bar do Soldado, até porque aí tinha que liquidar as despesas alcoólicas efectuadas pelo meu Soldado Ocamari Nanque, que se encontrava preso. (...)

23 de Abril de 2007 > Guiné 63/74 - P1688: Estórias cabralianas (2): O rally turra (Jorge Cabral)

Numa tarde de tédio convenci o motorista da viatura existente em Missirá, um humilde Unimog, a dar um passeio. Pretendia visitar o Enxalé, seguindo pela estrada de Mato Cão, pela qual não passava qualquer veículo há muito tempo. (...)

23 de Abril de 2007 > Guiné 63/74 - P1689: Estórias cabralianas (3): O básico apaixonado (Jorge Cabral)

O Pel Caç Nat 63 esteve quase sempre em Destacamentos. Comigo em Fá e Missirá. Antes no Saltinho, e depois no Mato Cão. Para os Destacamentos eram mandados os especialistas que a CCS [do Batalhão sediado em Bambadinca] não queria. Assim, tive maqueiros que não podiam ver sangue, motoristas epilépticos e até um apontador de morteiros cego de um olho. Tudo boa rapaziada, aliás! (...)

18 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLVIII: Estórias cabralianas (4): o Jagudi de Barcelos.

Dos quatro Comandantes de Bambadinca que conheci, apenas o Polidoro Monteiro me mereceu consideração. Dos outros nem vou dizer o nome, e de dois a imagem que guardo é patética . Assim, no rescaldo do ataque ao Batalhão, lembro o primeiro, à noite, de G-3 em bandoleira, pedir-nos:- Se houver ataque, acordem-me (...).

23 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXXV: Estórias cabralianas (5): Numa mão a espingarda, na outra...

Penso que, já em 1971, apareceu no Batalhão [de Bambadinca], um Alferes de secretariado, corrido de Bissau, por via de uns dinheiros. Chegou acompanhado de uma dama, sobre a qual corriam os mais variados boatos. Dizia-se, calculem, que ela tinha sido uma prenda de aniversário ao Alferes, enviada pelo pai, milionário do Porto. (...)

13 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXXIV: Estórias cabralianas (6): SEXA o CACO em Missirá

Poucos dias faltavam para o Natal, e a tarde estava quente. Todo nu no meu abrigo, fazia a sesta, quando sou despertado por enorme algazarra misturada com os ruídos do helicóptero.-Alfero, Alfero, é Spínola! - gritam os meus soldados (...).

17 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXXXIX: Estórias cabralianas (7): Alfero poi catota noba

Finda a comissão, calculem (!), fui louvado. O Despacho do Exmo. Comandante do CAOP Dois referia, entre outros elogios, a minha “habilidade para lidar com a tropa africana e populações”, a qual me havia “granjeado grande prestígio”. Esquecido, porém, foi o essencial – evitei a dezenas de Bajudas o repúdio matrimonial e a consequente devolução do preço. Essa tão meritória actividade, sim, teria merecido, não um simples louvor, mas uma medalha (...).

13 de Abril de 2006 > Guiné 63/74 - DCC: Estórias cabralianas (8): Fá Mandinga no Conde Redondo ou o meu Amigo Travesti

Na década de 80, dava aulas nocturnas numa Escola na Duque de Loulé e costumava descer a Avenida para tomar o Metro. Eis que uma noite, me vejo perseguido por um Travesti que me grita:- Meu Alferes! Meu Alferes! Alferes Cabral!... Tomado de terror homofóbico parei, negando conhecer a criatura, de longas pernas e fartíssimos seios. (...)

20 de Abril de 2006 > Guiné 63/74 - DCCXVII: Estórias cabralianas (9): Má chegada, pior partida

Com destino à Guerra, viajei no Alfredo da Silva, quase um cacilheiro, durante doze dias. Em primeira classe, sete oficiais e uma dona puta em pré-reforma habitavam um ambiente de opereta, jantando de gravata, com a estafada dama na mesa do comando. Depois havia a valsa… Cheirava a mofo, a decadência, ao fim do Império (...).

3 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P836: Estórias cabralianas (10): O soldado Nanque, meu assessor feiticeiro

Desde que cheguei, e durante o primeiro ano, o Pel Caç Nat 63, foi pluriétnico. Mandingas, Fulas, Balantas, Manjacos, Bigajós, estavam representados. Pluriétnico e plurirreligioso, com um Manjaco, Pastor Evangélico, um Marabú Mandinga Senegalês, vários adoradores de muitos Irãs, e até alguns crentes na Senhora de Fátima, vivendo todos em Paz ecuménica, sob a batuta do Alferes agnóstico com tendências panteístas, que pensava que nada o podia surpreender (...).

4 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P936: Estórias cabralianas (11): a atribulada iniciação sexual do Soldado Casto

À noite, após o jantar, nós os nove brancos do Destacamento, continuávamos à mesa, conversando. Falávamos de tudo, mas principalmente de sexo, mascarando a nossa inexperiência, com o relato de extraordinárias aventuras que assegurávamos ter vivido. O nosso motorista havia até desenhado num caderno as várias posições, indagando de cada um:- E esta, já experimentaram? (...)

20 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P974: Estórias cabralianas (12): A lavadeira, o sobretudo e uma carta de amor

No dia seguinte a ter ocupado Fá Mandinga, apresentaram-se no quartel as lavadeiras, cinco ou seis bajudas, todas alegres e simpáticas. Uma, Modji Daaba, chamou-me logo a atenção pelo seu porte e beleza. Bonita de cara e perfeita de corpo, possuía um ar nobre e altivo que me cativou. Imediatamente a contratei como minha lavadeira exclusiva, tendo acordado uma remuneração superior na esperança de algumas tarefas suplementares… (Periquito, ainda não sabia, que com as bajudas mandingas era praticamente impossível ir além de algumas carícias peitorais…). (...)

28 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1128: Estórias cabralianas (13): A Micá ou o stresse aviário (Jorge Cabral)

Terminada a especialidade de Atirador de Artilharia, permaneci como aspirante, em Vendas Novas, na respectiva Escola Prática. Aí me atribuíram variadas funções, Justiça, Acção Psicológica e Cultural, Revista Literária, etc, etc, pelo que quase nunca fiz nada. Quando me procuravam num lado, estava sempre no outro…Na Justiça, creio que apenas dei andamento a um processo, enviando uma deprecada para Angola, a perguntar se o Furriel Patacas possuía três mãos. (...).

24 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1313: Estórias cabralianas (14): Missirá: o apanhado do alferes que deitou fogo ao quartel (Jorge Cabral)

Julgo que aconteceu em Março [de 1971]. O dia decorrera em Alegria. Chegara a Missirá uma arca frigorífica a petróleo, oferta do Movimento Nacional Feminino, e cedo começaram as libações.Seriam três ou quatro da manhã, sou abruptamente despertado. Tiros (?). Rebentamentos (?). Fogo! Saio do abrigo nu, e deparo com meio quartel a arder.Ataque nunca podia ser! O Tigre [Beja Santos] já estava na Metrópole, Missirá era agora um oásis de paz, vigorando um tácito pacto de não-agressão (...).

14 de Dezembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1344: Estórias cabralianas (15): Hortelão e talhante: a frustração do Amaral (Jorge Cabral)

Chamavam-lhe, os africanos, o furriel Barril, não sei se pela sua compleição física, se por via da fama e do proveito que ganhara como bebedor quotidiano e calmo. Estou a vê-lo ao serão, bebendo à colher, com paciência e estilo, enquanto o alferes declamava, e o maqueiro Alpiarça escrevia a uma das dezenas das madrinhas de guerra. (...)

14 de Dezembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1369: Estórias cabralianas (16): As bagas afrodisíacas do Sambaro e o estoicismo do Sousa

Aos Domingos vestíamo-nos à paisana e dávamos longos passeios à volta da parada, imaginando praças, avenidas, ruas, adros de igreja e até estações de comboio. Depois entrávamos na Cantina e invariavelmente pedíamos 'Um fino e tremoços' (...).

10 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1419: Estórias cabralianas (17): Tirem-me daqui, quero andar de comboio (Jorge Cabral)

Creio que foi em Fevereiro de 1971, que em Missirá, recebi a ordem de Bissau – um dos furriéis passava a ser Professor, com dispensa de toda e qualquer actividade operacional. Ponderada a situação, optei pelo Amaral , cujo porte rechonchudo e as maçãs do rosto vermelhuscas, lhe davam um ar prazenteiro e bonacheirão, nada condizente com as funções de comandante de secção combatente (...).

26 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1463: Estórias cabralianas (18): O Dia de São Mamadu (Jorge Cabral)

Entre os dez militares metropolitanos do Destacamento de Missirá, apenas o Alferes era do Sul e de Lisboa – um rapaz de Alvalade, passeante da Praça de Londres e frequentador do Vává. Todos os outros, furriéis, cabos, e adidos especialistas, vinham do Norte ou das Beiras. (...).

18 de Fevereiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1534: Estórias cabralianas (19): O Zé Maria, o Filho, Madina/Belel e um tal Alferes Fanfarrão (Jorge Cabral)

Bambadinca era então para o Alferes, feito nharro de Tabanca, a Cidade. Para lá ir, fazia a barba, aprumava o seu único camuflado apresentável, munia-se de alguns pesos e, acima de tudo, preparava o relim verbal sobre ficcionadas aventuras operacionais, que iriam impressionar o Comandante. Antes de entrar no Quartel, habituara-se a abancar no Gambrinus local, o tasco do Zé Maria, bebendo, petiscando e conversando. Um dia encontrou o Senhor Zé Maria, muito preocupado. O filho adolescente que estudava em Lisboa, ia chumbar. (...)

20 de Abril de 2007 > Guiné 63/74 - P1679: Estórias cabralianas (20): Banquetes de Missirá: Porco turra e Vaca náufraga (Jorge Cabral)

Em Missirá comíamos, praticamente todos os dias, arroz acompanhado ora de pé de porco, ora de atum ou cavala, com muito pão e sempre altas doses do insípido vinho quarteleiro, o qual, segundo se dizia, era cortado com cânfora, para diminuir os ímpetos...

24 de Abril de 2007 > Guiné 63/74 - P1696: Estórias cabralianas (21): O Amoroso Bando das Quatro em Missirá (Jorge Cabral)

Nos Destacamentos em que vivi, todos eram bem recebidos, à boa maneira da gente da Guiné, cuja cativante hospitalidade foi muitas vezes confundida com subserviência ou portuguesismo. Djilas, batoteiros profissionais, artesãos, doentes, feiticeiros, alcoviteiros, parentes dos soldados, visitavam o aquartelamento e às vezes ali permaneciam, fazendo negócios, combinando casamentos, tratando-se ou tratando, ou simplesmente descansando. Desconfio mesmo que alguns guerrilheiros terão passado férias em Missirá (...)

12 de Maio de 2007 > Guiné 63/74 - P1752: Estórias cabralianas (22): Alfa, o fula alfacinha (Jorge Cabral)


No final do ano de 1970, apresentou-se em Missirá um soldado fula – chamemos-lhe Alfa – vindo da prisão de Bissau, onde cumprira pesada pena. Razão da punição – ausência ilegítima durante cento e oitenta dias, quando após intervenção cirúrgica no Hospital Militar Principal, desaparecera em Lisboa. Impecavelmente fardado, com blusão e tudo, usava uma vistosa popa e farfalhudas patilhas, conservando sempre um palito dependurado ao canto da boca. Falava um calão lisboeta e aparentava ser um verdadeiro rufia alfacinha.(...)

5 de Junho de 2007 > Guiné 63/74 - P1816: Estórias cabralianas (23): Areia fina ou as conversas de Missirá (Jorge Cabral)

Conheci muito bem o Alferes que esteve em Missirá nos anos de 1970 e 1971. Diziam que estava apanhado, mas penso que não. Era mesmo assim. Quem com ele privou em Mafra e Vendas Novas certamente o recorda, declamando na Tapada: No alto da Vela / Fui Sentinela / de coisa nenhuma / Quem hei-de guardar / Quem irei matar… (...).

19 de Junho de 2007 > Guiné 63/74 - P1857: Estórias cabralianas (24): O meu momento de glória (Jorge Cabral)

Manga de ronco, Pessoal! Spínola veio a Fá, visitar os Comandos Africanos e praticamente toda a população das Tabancas vizinhas compareceu. Homens e Mulheres Grandes, belas Bajudas, e muitas, muitas crianças. A Pátria, pois então… E uma Guiné melhor. O Caco entusiasmou-se. Tanto, que optou por ir de viatura para Bambadinca. E lá partiu em coluna, comandada pelo Capitão João Bacar Djaló (...).

29 de Junho de 2007 > Guiné 63/74 - P1900: Estórias cabralianas (25): Dois amores de guerra e uma declaração: Não sou pai dos 'piquinos Alferos Cabral' (Jorge Cabral)

E o Amor, existiu? Não falo de mulheres grandes a partir catota, nem de bajudas a partir punho, e muito menos das rápidas e alcoolizadas visitas às casas de prazer, para... mudar o óleo. Amor mesmo, paixão, dele para ela, dela para ele. Difícil, raro, mas aconteceu. Contaram-me que uma bajuda que tivera um filho do Furriel X, o seguiu até Bissau, e na hora da partida do navio entrou na água com o bebé, tendo morrido ambos…

27 de Setembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2135: Estórias cabralianas (26): Guerra escatológica: o turra Boris Vian (Jorge Cabral)

Fá Mandinga fora sede de Batalhão e de Companhia, possuindo muitas e boas instalações. Chegados em Julho de 1969, optámos por ocupar apenas dois edifícios. Quanto aos restantes, convenci o Pelotão, que o respectivo acesso estava minado, razão porque só eu lá poderia entrar. É que vislumbrara duas belas e isoladas vivendas, as quais intimamente destinara a uso próprio. Uma serviria para encontros amorosos. Na outra, utilizaria a casa de banho, lendo e meditanto... E assim se passou (...).

22 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2204: Estórias cabralianas (27): Turra desenfiado encontra Alferes entornado (Jorge Cabral)

Já é noite cerrada e o Alferes de Missirá continua em Bambadinca. Numa mão o copo, na outra, o pingalim, encostado ao balcão do Bar, declama. Trata-se do longo poema de Jacques Prévert, “L’orgue de Barbarie” (2). É interrompido, engana-se, esquece-se, volta atrás, mas não desiste. Moi je joue du piano / Disait un / Moi je joue du violon / Disait l’autre (...).

14 de Dezembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2350: Estórias cabralianas (28): O Hipopótamo, as Formigas e o Prisioneiro (Jorge Cabral)

Nem me lembro qual o Periquito que se apresentou naquele dia em Fá. Mas sei que ao anoitecer, saiu, equipado e armado, cumprindo a minha ordem. Objectivo: caçar um hipopótamo (...).

16 de Dezembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2354: Estórias cabralianas (29): A Festa do Corpinho ou... feliz o tuga entre as bajudas, mandingas e balantas (Jorge Cabral)

Porque estamos no Natal, recordas o teu de 1969 e um ataque a Bissaque. Eu passei o meu em Fá, e dias antes, noite dentro, quando já o comemorava por antecipação, acorri a defender a Tabanca de Bissaque, guiado pelo Marinho.
Este era um velho, seco e pequenino, guardião das instalações de Fá, desde os anos 50(...).


21 de Dezembro de 2007 >. Guiné 63/74 - P2369: Estórias cabralianas (30): Um Natal em Novembro (Jorge Cabral)

Amanheceu igual, só mais um dia em Missirá. Para o Mato Cão, vai o Alferes, uma secção, e o maqueiro Alpiarça. É lá chegar, esperar, ver o barco e voltar. Não há tempo para o sonho – do outro lado nem Gaia, nem Almada…Já estamos de regresso, ouvimos restolhar. Vem aí gente. Neste lugar só podem ser os turras. Claro que, como sempre, o Alferes empunha apenas o seu pingalim e, em vez do camuflado, enverga camisa branca e calções de banho (...).

28 de Dezembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2386: Estórias cabralianas (31): As milagrosas termas de Missirá (Jorge Cabral)

A fim de prevenir abusos, a segurança à Fonte, no banho das bajudas, pertencia em exclusivo ao Alferes, o qual nos primeiros tempos guardou uma prudente distância, depois foi-se aproximando e acabou no meio delas, esfregador e esfregado com sabão vegetal, após o que branqueava os dentes com areia. Diziam que aquela água possuía propriedades terapêuticas, curando todos os males de pele, não havendo lica que lhe resistisse (...).

(2) Vd. postes de:

9 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1161: O nosso Major Eléctrico, 2º comandante do BCAÇ 2852 (Beja Santos)

15 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1076: O álbum das glórias (Beja Santos) (4): eu e o coronel Cunha Ribeiro, o nosso 'major eléctrico'

Nota de L.G.: (...) "Major do BCAÇ 2852 [Bambadinca, 1968/70]. Substituiu em Setembro de 1969 o major Viriato Amílcar Pires da Silva, transferido por motivos disciplinares. Foi vítima de acidente grave com um jipe. Era mais conhecido, na caserna - e nomeadamente pela malta da CCAÇ 12 - como o 'major eléctrico', devido à sua energia" (...).

É hoje Coronel, na reforma. Seu nome completo, Ângelo Augusto da Cunha Ribeiro. Já compareceu a alguns convívios do pessoal do BCAÇ 2852.