domingo, 25 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17511: In Memoriam (299): Dr. Alfredo Roque Gameiro Martins Barata (1938-2017), ex-Alf Mil Médico da CCAÇ 675, Binta e Guidaje, 1964/66 (José Eduardo R. Oliveira)



1. Mensagem do nosso camarada José Eduardo Oliveira (JERO) (ex-Fur Mil da CCAÇ 675, Quinhamel, Binta e Farim, 1964/66), com data de 19 de Abril de 2016, dando-nos conta do falecimento do ex-Alf Mil Médico, Dr. Alfredo Roque Gameiro Martins Barata, sepultado no passado dia 20 de Junho:

Caro Amigo Carlos

Assunto: In memoriam do Médico da CCaç 675

Votos de que esteja tudo bem contigo e com os teus.
Depois de longa ausência volto à tua presença com uma notícia sempre difícil de transmitir: - partiu desta vida o Alferes Alfredo Roque Gameiro Martins Barata, que foi Médico da CCaç 675, que esteve no Norte da Guiné (Binta e Guidage) entre Junho de 1964 e Abril 1966.
Depois de doença prolongada foi a sepultar no passado dia 20 de Junho corrente.
Contava 79 anos.

Além de admirável ser humano foi excelente médico não só na Guiné mas também depois do regresso a Lisboa , onde continuou a ser “Anjo protector” dos antigos militares da “675” e dos seus familiares, quando precisaram de apoio médico.

Junto um texto e uma foto.
Grande abraço de Alcobaça.
JERO


IN MEMORIAM

Dr. Alfredo Roque Gameiro Martins Barata (1938-2017)
Ex-Alferes Mil. Médico da CCAÇ 675

************

Médicos da Tropa!

Para situar o leitor há que referir que o Médico da nossa “estória” estava destacado no norte da Guiné já há cerca de um ano. Vinha de férias para a Metrópole e como o avião da TAP não fazia escala na “nossa guerra” tinha que utilizar alguns meios de transporte alternativos para chegar até Bissau.

Como o seu “Hospital” ficava em Binta, junto ao Rio Cacheu, a primeira fase para chegar a Lisboa obrigava a uma viagem de barco até à sede do Batalhão, que se situava em Farim.
Depois seguia-se uma viagem de “Dakota” (um velho avião da 2.ª Grande Guerra Mundial) que transportava passageiros e carga para Bissau, a capital da Província. Perto de Bissau, mais propriamente em Bissalanca, pousavam os “SuperConstelation” da TAP que nos transportavam para a Lisboa que ficava apenas a …9 horas de voo!
A partir daqui o registo é do”nosso Alferes Médico” e consta das páginas do Diário da CCaç 675, que prestou serviço na Guiné de princípios de Maio de 1964 a finais de Abril de 1966.


"…Estávamos em Binta havia 7 meses, nenhum barco tinha ainda sido atacado e, para ir à Metrópole como seria o meu caso dentro de pouco tempo, qualquer um de nós seria capaz de se meter a caminho nem que fosse a nado.
Porque apesar de todos os melhoramentos que tornam a vida menos dura em Binta, Binta é Binta e Lisboa é Lisboa.
Ora a primeira meta da viagem era precisamente Farim e foi fardado de «ronco» amarelo, de galões dourados e tudo, com máquina fotográfica na mão direita e o saco de bagagem na esquerda que embarquei, despreocupadamente, (e por que não?) certa manhã de Fevereiro numa ronceira LDM rumo àquela vila.
Não ia só. Comigo ia uma pequena multidão colorida e palradora: eram mulheres indígenas cuidadosamente sentadas no chão, com as saias bem enroladas entre as pernas, tendo a seu lado um estendal de tachos e meias-cabaças cheias de tomates e arroz, era um cabrito barulhento e saltitante, eram pretos acocorados fumando cachimbo ou mastigando cola, eram alguns companheiros de Binta (entre os quais o nosso Primeiro Santos) que na proa conversavam.
Toda esta feira flutuante dava uma nota colorida e alegre àquela austeridade cinzenta-bélica tão característica dos navios de guerra. Abandonada a um canto, uma metralhadora apontava para o ar e chamava-nos à verdade: estávamos em guerra. Uns tiros isolados podiam atingir toda esta gente amontoada...
Mas, logo a seguir, a nossa atenção saltava para a vida, para o Sol e para a natureza que nos envolvia.
Chegámos finalmente a Farim, onde, depois de umas horas de espera inútil soubemos que o voo do Dakota tinha sido adiado para o dia seguinte. Paciência só no dia imediato chegaria a Bissau.

Para não ter de dormir numa cama estranha, num ambiente estranho, numa terra estranha, aproveitando o transporte da LDM resolvi deixar a bagagem e voltar rio abaixo até Binta.
A viagem de regresso com os mesmos companheiros foi mais calma. Entardecia. A lancha empurrava as águas paradas, levantando com o seu barulho bandos de pássaros e macacos que na margem, escolhiam poiso para a noite.
No dia seguinte de madrugada, embarquei novamente a caminho de Farim, Bissau e Metrópole, desta vez só, sem o bulício da véspera.
O dia começava a amanhecer, cinzento e húmido; mais tarde viria o sol brilhante e quente. Agora pairava uma neblina ténue junto ao tarrafo que escondia os ramos mais altos e que pouco a pouco se ia desvanecendo com o romper da claridade.
No interior do barco a tripulação tomava a seu café. Em cima, o piloto olhava atento o rio pela vigia largamente aberta na cabine blindada, cortando curvas para abreviar caminho.

Encostado à torre da peça desguarnecida, passava os olhos pelas margens do rio sempre belo, pensando comigo mesmo: - Aqui é a foz do Caur, mais adiante Tambato Mandinga... Mas há aqui uma aberta nas árvores das margens... Se não me engano... Que deixa ver as moranças da tabanca... Sim, é ali. (Já lá tínhamos chegado e com efeito era ali).


De repente, ali mesmo, um clarão reluz, e outro e mais outro.
Antes que me pudesse aperceber do sucedido, caí, não sei se obedecendo ao instintivo "deitar" das instruções de combate, se por ter sentido uma pancada quente e indolor no flanco esquerdo que me puxava para o chão.
As ideias de baço, de hemorragia, de esplenectomia que passaram no espírito, desapareceram rapidamente logo que verifiquei que tudo não passava de um ferimento muscular parietal.
Entretanto a lancha virara de bordo, a fim de conseguir melhor posição de tiro.
O artilheiro subiu ao seu posto de combate e com umas rajadas potentes de calibre 20 mm "calou" o tiroteio inimigo.
Aproveitei para acenar para o local onde deveriam estar os terroristas para que eles, quando fizessem o relatório da "operação", não dissessem que tinham abatido um alferes da tropa de Binta... A lancha voltou ao seu primitivo rumo e continuou Cacheu acima, a caminho de Farim.
Fez-se o balanço da situação; quando souberam que tinha sido atingido de raspão os homens da lancha excederam-se em cuidados pondo ao dispor o material de enfermagem de bordo e oferecendo café quente que aceitei com agrado. Estava em jejum e à minha volta percebia um estranho cheiro a carne assada que depois vi que provinha das feridas.
Discutia-se o ataque; uns diziam que tínhamos sido atingidos com uma bazucada, outros, como eu, sustentavam que os rebentamentos ouvidos não passavam de granadas de mão lançadas da margem para "ronco".
Os malandros tinham visto um oficial a 80 metros, de pé, isolado na coberta da lancha, feito "pato" com as mãos cruzadas ao fundo das costas e esperaram que o alvo ficasse no enfiamento de tiro para abrir fogo.
Pouco depois desembarquei em Farim. O "Dakota" já tinha chegado e, quando a correr a1cancei o Comando, já o avião se preparava para deslocar.
Ainda não era dessa vez que ia para Bissau.
Teria que esperar mais um dia, talvez dois, e, à noite dormi numa cama estranha, num ambiente estranho e numa terra estranha.

Alferes Mil. Médico Alfredo Roque Gameiro Martins Barata".


************

O tempo passa e há poucos dias estive na festa de aniversário dos 70 anos do meu Médico.
Setenta anos. Continua jovem, tranquilo, amável e …distraído.
Como não podia deixar de ser recordámos a viagem acidentada do Rio Cacheu.
"Ah sim, lembro-me. Teve um bocado a ver com a guerra do Raul Solnado".
Os filhos a seu lado olhavam-no espantados pois não conheciam essa aventura de seu Pai.
Dei-lhes a ler a “estória” do Diário da CCaç 675, que aqui reproduzo.
De espantados passaram a… pasmados.

Além de excelente Médico foi “Anjo da Guarda” de muita gente - desde os tempos da Guiné até aos dias de hoje ajudou inúmeros ex-militares da sua Companhia e …passou ao lado de uma carreira de escritor.
Digo eu.
JERO

Nota: - Os desenhos que reproduzimos parcialmente são da autoria de seu irmão, Arquitecto José Pedro Roque Gameiro Martins Barata.

************

2. Comentário do editor:

Caro JERO,
Bonita esta tua homenagem ao Dr. Pedro Roque Gameiro Martins Barata, publicando esta estória tragico-cómica.
Para ti o nosso abraço solidário porque sabemos estás a sentir a partida deste teu companheiro das horas que ambos dedicaram a favor de quem precisava de cuidados sanitários. Como referes, continuou a dedicar o seu saber, ajudando os antigos camaradas, e seus familiares, quando dele precisassem.
À sua família enlutada apresentamos as nossas condolências.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 16 de maio de 2017 > Guiné 61/74 - P17362: In Memoriam (298): Agostinho Valentim Sousa Jesus (1950-2016), ex-1.º Cabo Mecânico Auto da CCS/BCAÇ 4612/72, Mansoa, 1972/74)

Guiné 61/74 - P17510: Blogpoesia (516): "Paz e a justiça..."; "Sermão da natureza" e "Raridade...", poemas de J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728



1. Do nosso camarada Joaquim Luís Mendes Gomes (ex-Alf Mil da CCAÇ 728, Cachil, Catió e Bissau, 1964/66) três belíssimos poemas, da sua autoria, enviados entre outros, durante a semana, ao nosso blogue, que publicamos com prazer:


Paz e a Justiça... 

Duas faces da mesma moeda. 
Numa, tem a bandeira. 
Na outra, a caravela. 
Foi cunhada na eternidade. 
Para correr no mundo. 
Seu estalão é a fraternidade. 
De cotação constante. 
O seu giro é a troca. 
Ela só faz feliz 
Quem a arrecadar... 

Berlim, 25 de Junho de 2017 
10h12m
Jlmg

************

Sermão da Natureza

Ó vós governantes desalmados deste País,
Ouvi bem a Natureza em altos berros:
Nem mais um só eucalipto nesta terra
E os que há sejam cortados rentes, um a um.
Vede bem o que fizestes,
Servindo o vil interesse de alguns mesquinhos
E esquecendo o bem geral, a troco de tudo que recebestes, ocultamente.

Muito antes da celulose está a pessoa de cada um.

Aprendei ao menos com esta lição.
Tantas vidas
Tantas casas e tantos sonhos.
Tanta dor que jamais se extingue.

Que os remorsos vos consumam
Até às cinzas.

Berlim, 24 de Junho de 2017
7h51m
Jlmg

************

Raridade...

É raro um céu sem nuvens
E um mar sem ondas.
Como a paz da alma.
Há sempre sombras.
Roubam a luz e a alegria.

Viver com pouco é uma arte.
O caminho certo
Que nos faz felizes.

Sorrir à sorte
Que está sempre à espreita
E lutar por ela,
Quando ela falta,
É o remédio santo
Que a faz voltar.

A que saberia a vida
Sem o sabor da esperança?...

Bar do Reichelt em Berlim, 19 de Junho de 2017
9h32m
Jlmg
____________

Nota do editor

Último poste da série de 18 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17483: Blogpoesia (515): "Coro dos pardais"; "Mergulho no passado" e "Não são precisas asas...", poemas de J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

Guiné 61/74 - P17509: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (43): o coronel médico, meu bisavô, Francisco Augusto Regalla (Aveiro, 1871 - Mindelo, 1937): pedido de utilização de foto da fortaleza da Amura de cuja guarnição ele fez parte em 1915 (Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto, Cascais)


Capa do livro de Ricardo Regalla Dias-Pinto, em preparação. Cortesia do autor



1. Mensagem do nosso leitor Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto

Data: 17 de maio de 2017 às 22:37
Assunto: Fotografia

Exmo. Senhor
Prof. Luís Graça

Estou a escrever um livro sobre a minha família.

O meu bisavô Francisco Augusto Regalla, combateu em 1915 na Coluna de Operações em Bissau pelo que gostava muito de pedir autorização para colocar uma vossa fotografia, mais propriamente a nº 3 da Fortaleza de Amura de cuja guarnição o meu bisavô fez parte durante algum tempo.

Naturalmente que, caso autorizem, terei o maior prazer em nomear o vosso blogue nos agradecimentos do referido livro que terá o título:

Família Regalla: A Hora da Verdade!

Agradeço desde já o tempo por vós dispensado aguardando com confiança a breve resposta.


Melhores e mais respeitosos cumprimentos,

Ricardo Moreira Regalla Dias-Pinto



 Guiné > Bissau >Fortaleza da Amura > Entrada do lado sul (frente ao porto e ao rio Geba).  Foto (º 3)  de Manuel Caldeira Coelho (ex-fur mil trms, CCAÇ 1589 / BCAÇ 1894, Nova Lamego e Madina do Boé, 1966/68)

Foto ( e legenda): © Manuel Coelho (2011). Todos os direitos reservados. (Edição:  Blogue Luís Graça &  Camaradas da Guiné)


2. Resposta do nosso editor, em 22 do corrente:

Ricardo:

Em primeiro lugar, obrigado pelo seu contacto.

Em segundo lugar, parabéns pelo seu projeto: todos temos o "dever de memória", e no seu caso acho lindo que esteja a escrever a história de vida do seu bisavô Francisco Augusto Regalla.

Será que é o coronel médico Francisco Augusto Regalla, nascido em 1871, em Aveiro, e falecido em 1937, no Mindelo ? Pai de Agnelo Augusto Regalla; Mário Augusto Monteiro Regalla; Armanda Monteiro Regalla; Crizanta Monteiro Regalla e Hélia Regalla ?

Alguns dos meus camaradas (e eu próprio) passaram por Galomaro, estiveram em Galomaro ou fizeram operações no regulado do Cossé. Boa parte dos meus soldados africanos (da CCAÇ 12) eram oriundos do Cossé (, outros de Badora).

Em 1969/71, esse seu bisavô já não era vivo. Em todo o caso, nessa altura, havia um comerciante, casado e com família, que dava pelo nome de Regala (ou Regalla)...Seria mais provavelmente seu avô ou um dos seus tios-avôs... Não me lembro do nome próprio, só do apelido de família. Tinha em Galomaro um café e restaurante muito frequentado pelo tropa portuguesa, e em geral com agrado...Naturalmente, não se livrava da suspeita de simpatia pelo PAIGC...

Vou pô-lo em contacto com alguns dos meus camaradas que conheceram pessoalmente esses seus parentes, o sr. Regala e a família de Galomaro...

Quanto ao pedido que me faz, não tenho qualquer objeção, pelo contrário, em satisfazê-lo. Pode usar a foto, com indicação da fonte (autor e blogue)... Mas tenho dúvidas quanto à foto em causa... Será esta a foto nº 3 (Fortaleza da Amura, Bissau, entrada do lado sul, frente ao porto e ao rio Geba) ?

Se sim, os créditos fotográficos são de Manuel Coelho, a quem vou dar conhecimento do seu pedido. Gostaria que ele também lhe desse o seu OK, como autor da foto.

Para já é tudo, embora eu gostasse de saber, muito sumariamente, a razão de ser do título do seu livro: "Família Regalla: A Hora da Verdade!"...E, se nos der autorização, gostaríamos de divulgar também, no nosso blogue, o seu pedido. Haverá com certeza mais camaradas nossos que conheceram o sr. Regala (ou Regalla) de Galomaro e que podem até ter fotos dele (ou com ele) que disponibilizem, digitalizadas, para o seu projeto.

Disponha sempre,

Boa saúde, bom trabalho. Luís Graça

3. Mensagem do Ricardo Regalla Pinto-Dias na sua página do Facebook, de 22/12/2016, sobre o livro que está a escrever com a história da família:

Este é já mais do que um desejo, é uma realidade que surgirá a público no ano de 2017.

Será o livro que contará a história da minha família e o seu contributo para a sociedade portuguesa desde o ano de 1670!

Família essencialmemte de médicos e militares mas também de alguns homens de direito que, por junto, maravcaram aqui e ali a vida de portuguieses e até mesmo de Portugal.

_____________

sábado, 24 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17508: Convívios (815): XXXII Encontro do pessoal da Magnífica Tabanca da Linha, a realizar-se no próximo dia 20 de Julho, em Carcavelos (Manuel Resende)



C O N V I T E

Em mensagem de ontem, dia 23 de Junho de 2017, o nosso camarada Manuel Resende (ex-Alf Mil Art da CCAÇ 2585/BCAÇ 2884, Jolmete, Pelundo e Teixeira Pinto, 1969/71) convida o pessoal da Magnífica Tabanca da Linha para o XXXII Convívio, a realizar-se no próximo dia 20 de Julho, em Carcavelos
____________

Nota do editor

Último poste da série de 20 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17493: Convívios (814): os Pel Caç Nat 51, 52 e 54, em Poceirão, na casa do ex-fur mil João Vaz (ex-prisioneiro de guerra em Conacri) (José Manuel Viegas)

Guiné 61/74 - P17507: Memória dos lugares (361): Mindelo em plena II Guerra Mundial, visto por Manuel Ferreira (1917-1992) (João Serra)


Manuel Ferreira (1917-1992), cap SGE reformado, escritor, professor universitário 
(Foto: cortesia de João  Serra / Página do Facebook Antifascistas da Resistência)


 


Capa da 1ª edição de Morabeza: contos de Cabo Verde, Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1958.





João Serra

1. M
ensagem de João Serra, com data de 20 do corrente:


Caro Luis Graça,


Preparei este texto sobre o Manuel Ferreira no Mindelo, em complemento da publicação e apelo que fizeste recentemente na tua Tabanca (termo aliás também referido pelo MF nesta selecção que te envio). (*)


Se achares que vale a pena publicá-lo, fica à tua disposição. (**)


Segue também duas fotos das capas de Morabeza.

Um forte abraço,
João Serra



2. Mindelo 1941-1946, visto por Manuel Ferreira

por João Serra



Capa da 2ª edição, refundada
e aumentada (Lisboa, Ulisseia, 1965)

Data de 1958, a 1ª edição de Morabeza, o livro de contos de Manuel Ferreira, escrito no ano anterior, nas Caldas da Rainha, onde chefiava a secretaria do Regimento de Infantaria 5.

A obra foi em 1957 distinguida com o prémio Fernão Mendes Pinto e editada pela Agência Geral do Ultramar. Uma segunda edição, “refundida e aumentada”, saiu em 1965, com prefácio de José Cardoso Pires. Desta edição não constam os textos iniciais da primeira, uma espécie de crónica da chegada e encontro do autor, furriel miliciano do exército expedicionário português, com São Vicente e o Mindelo. 

Recorde-se que Manuel Ferreira permaneceu em São Vicente entre 1941 e 1947, ali concluiu o antigo curso liceal (secção de letras), casou [,  com Orlanda Amarílis,] e teve o seu primeiro filho.

O texto que se segue é uma pequena antologia sobre a experiência cultural de Manuel Ferreira nesses longínquos anos 40 do século passado, organizada a partir dos textos da 1º edição de Morabeza (e que não constam da 2ª).


(i) A primeira impressão: 
terra de solidão


A primeira impressão que se colhe quando se fundeia no Porto Grande de São Vicente é a de estarmos diante de uma terra áspera, ardente, dominada pela solidão e pela tristeza, como se tivesse sido colocada em meio do oceano para penitência perpétua. [p. 11]

Por assim dizer, terra sem árvores, a ilha de São Vicente, por onde os cicerones de ocasião rebentam por todos os lados, na esperança de magras moedas, encaminhando, muitas vezes, o turista a locais de amor duvidoso - não possui nenhuma daquelas atracções que prendem logo de entrada o visitante. Há nela um ar tristonho, baço, em certos dias; carregado de luz crua, noutros. Pensões improvisadas, casas de café e chá sem espavento; desguarnecida de pontos tornados aprazíveis pela arborização cuidada ou jardinagem de esmero - forasteiro que a percorra mais do que uma escassa hora encontra-se saciado e convencido de que Mindelo está visto - e Cabo Verde é aquilo. Terra de calor. De montes secos e requeimados. Terra de solidão. [p. 13]


(ii) Impressão corrigida: 
amorabilidade


Não, poderei agora afirmar. Cabo Verde não era apenas a terra de solidão. A terra de calor. Terra de còladera e rochedos vulcânicos talhados a pique sobre o mar. Não, não era, amigos.

E além do que procurei dizer, dando uma tosca ideia de alguns aspectos e anotando, ao de leve, vários episódios, há ainda qualquer coisa mais que me escapa e não saberei definir, concretizar. [...].

Mas aquilo que assinalei a esse encanto indefinível e lírico que anda esparso, ao cair de certas tardes macias, ao pôr do Sol, mesmo ao rés do mar, e ainda a simplicidade das gentes, formarão, de algum modo, aquele conjunto de elementos que me levaram a admirar a também a amar, de maneira estranha, a terra mestiça plantada a meio do oceano Atlântico. [p. 37]

Por isso se precavenha o passageiro apressado, o turista à procura de exotismo. Cabo Verde não será apenas aquilo que os seus olhos observam quando o navio fundeia no Porto Grande de São Vicente. Nem tão-pouco a pobreza que depois se depara na cidade. Mesmo que vá a Santo Antão e oiça a toada plangente do trapiche e dê uma saltada ao interior de Santiago para se surpreender com o batuque ou a tabanca, corra à Brava a admirar as belas mulheres de tez clara - está longe de saber o que é a terra mestiça.

Cabo Verde tem de grande, e isso deve ser motivo de orgulho, uma afectividade que nos amarra e seduz. É a "morabeza", sentimento intrínseco do povo crioulo. Amorabilidade, característica da raça e se traduz nos seus modos ternos, na sua dedicação, na afabilidade da sua gente simples:


Gente do Mindelo
Nô abri nô braço
Nô pô coraçon na mão
Pá nô dâ um abraço

Abraço de morabeza
De nôs de São Vicente
...

Xavier Cruz, Morna [p. 39-40]




(iii) Encontro e descoberta: identificação 

com a gente das ilhas


Mas certa vez, na pensão nha Camila confraternizava um grupo de rapazes, moços do liceu, que se reencontravam em São Vicente, regressados de férias nesse dia. Brindes, abraços, canções. E, pressentindo-nos desembarcados de recente data, quiseram que se lhes juntássemos e bebêssemos em comum. Violas, cavaquinhos, e violinos deliciaram-nos com sambas e mornas. Retribuir-lhes com fados, como propuseram, não foi possível. Nem com uma simples canção popular - o mais apropriado ao ambiente. [p. 19]

Muitos de vocês, nos seus verdes dezassete anos, viviam um período de curiosidade e alguns mesmo de autêntica inquietação.

Eram poetas esses rapazes que eu fui encontrar. Novos, todos alunos do liceu, estudantes de sonho, queiriam descortinar e interpretar o mundo que os rodeava, nesse tempo ensanguentado pelas invasões nazis. [p. 20]

Nada conhecia de Cabo Verde, e nesse tempo, muito longe andava se pensar que ali começava a germinar uma literatura característica, mas de feição universalista. [p. 22]

E, um belo dia, apareceram com três números de Claridade. Revelação que me deu fundo contentamento por verificar fenómeno de inteligência e sensibilidade tão eloquentemente documentado naquelas terras distantes. Pouco depois lia Arquipélago e Ambiente, do Jorge Barbosa, nesse tempo "na ilha tão desolada rodeado pelo Mar" [Ilha do Sal] a ver passar os barcos, ficando

"... por instantes
construindo
fantasiando
cidades
terras distantes
..."


T
udo isto me dava uma sensação íntima, o gozo de imprevista descoberta! [p. 24]

Em resumo: um mundo novo nascia para mim, ali no meio do mar nas ilhas solitárias:
...

que não são
San Sebastian, Carlton ou Palm-Beach
Tantas
quantos
os dedos compridos da mão
...
Atentas vigias do mar

Nuno Miranda, nº 1 da Certeza, [p. 26]


E
ntretanto lia Chiquinho em folhas dactilografadas, o bom romance de Baltasar Lopes da Silva. [p. 26]

Ouvia de António Aurélio Gonçalves novelas de sua autoria e recebia dele os primeiros e grandes conselhos sobre o fenómeno da criação literária, técnica de romance, factura do conto - a propósito de capítulos e pequenas histórias que lhe levava a casa, trémulo e feliz, nas tardes serenas e pacatas do Mindelo... [p. 26]

... Mindelo, cidade sem imprensa, sem tertúlias, sem rádio durante o dia - e, de noite, só quando a central Bonnoci se dignava. [p. 26]

Eis como descobrira a grande, a bela face de Cabo Verde: a sua espiritualidade. A sua vida criadora, a sua integração no mundo do progresso das ideias, a sua participação no domínio da Cultura. [28]

Durante a última guerra, com a presença da tropa, o ritmo da vida do arquipélago, em muitos aspectos foi alterado, e daí terem surgido várias mornas alusivas a factos que mais chocaram a população, principalmente a de São Vicente [Bèlèza, pseudónimo de Xavier Cruz, compôs uma morna intitulada “punhal de vingança” onde refere que as moças agora só se encantam com “furrié”]. [p. 30]

E houve um momento em que comecei a sentir a morna na própria carne, comunicando-me emoção profunda, virgem. Ouvia um fado - e ele pouco me dizia à minha saudade de emigrante. Ouvia uma morna e sentia a força emocional a dominar-me, a percorrer-me de alto a baixo, como se este canto trouxesse o mistério da minha raça. E então chegava à conclusão de que se assim acontecia era porque eu estava identificado com a gente das ilhas. É porque lhes sentia o sofrimento, os anseios, comungava das suas dores, vivia o seu drama e a sua luta. [p. 31]

Evidentemente que para esta identificação com o povo cabo-verdiano muito contribuiu também a sua hospitalidade, o convívio. [p. 33]

O cabo-verdiano faz questão de receber a gente do Continente. Sem subserviências, sem mesuras. De coração nas mãos. Ama as reuniões íntimas, com chá, com música, com historietas e conversas alegres, limpas de linguagem. É um povo comunicativo e expansivo. [p. 33]


_________________

Notas do editor:

(*) Vd. postes de:

21 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17499: Agenda cultural (568): Exposição comemorativa do 1º centenário do nascimento de Manuel Ferreira (1917-1992), a ser inaugurada em 18 de julho próximo, no Museu José Malhoa, Caldas da Rainha, e que deverá seguir depois, em setembro, para a terra natal do escritor e oficial do exército, Leiria (João B. Serra)

5 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17434: Efemérides (255): centenário do nascimento do escritor, investigador e professor de literatura africana de expressão portuguesa, o leiriense Manuel Ferreira (1917-1992), capitão SGE reformado, ex-furriel miliciano, expedicionário em Cabo Verde, São Vicente, Mindelo, mobilizado em 1941 pelo RI 7 (Leiria)...Também fez comissões na Índia (1948-54) e em Angola (1965-67). "Creio que se pode perceber que estamos perante uma trajectória humana singular" (disse-nos o seu biógrafo, João B. Serra)

Guiné 61/74 - P17506: Parabéns a você (1277): António Branco, ex-1.º Cabo Reabast de Material da CCAÇ 16 (Guiné, 1972/74) e Vasco Joaquim, ex-1.º Cabo Escriturário do BCAÇ 2912 (Guiné, 1970/72)


____________

Nota do editor

Último poste da série de 23 de Junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17503: Parabéns a você (1276): João Carvalho, ex-Fur Mil Enf.º da CCAÇ 5 (Guiné, 1973/74)

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17505: Notas de leitura (971): “A Colonização Portuguesa da Guiné 1880-1960”, por João Freire, 2016, edição da Comissão Cultural da Marinha (3) (Mário Beja Santos)


1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 13 de Junho de 2017:

Queridos amigos,
Prossegue a análise do trabalho de João Freire, estamos agora na Guiné Portuguesa enquanto província autónoma, vamos assistir à ocupação e aos seus refluxos, pelo menos até às campanhas do Capitão Teixeira Pinto.
Numa obra que tem a inovação de cruzar os olhares entre as instituições político-militares e a obra da Marinha na Guiné, veremos como desenvolvidamente o contributo da Marinha se revelou determinante na Monarquia, na I República e na Ditadura Nacional, a Marinha terá um papel de indiscutível importância nos levantamentos hidrográfico, o autor recenseia os navios da Armada e as embarcações do governo da província que prestaram serviços na Guiné.
Veremos a atividade nas capitanias dos portos, nas oficinas navais. A Marinha foi objeto e protagonista de importantes mudança tecnológicas, dois fatores técnicos e económicos diminuíram o seu papel na Guiné: o progresso das vias de comunicação terrestres e a aviação. Se o papel da Armada se revelar preponderante no período anterior às campanhas de ocupação, voltou igualmente a tê-lo a partir de 1963. Mas isso é outra história que não cabe aqui contar.

Um abraço do
Mário


A colonização portuguesa da Guiné, 1880-1960, por João Freire (3)

Beja Santos

“A Colonização Portuguesa da Guiné 1880-1960”, por João Freire, 2016, edição da Comissão Cultural da Marinha, foi uma das edições preeminentes do ano transato, no que tange à investigação guineense no período colonial. João Freire manipula expeditamente a heurística e a hermenêutica, por cada capítulo abordado tece conclusões, assume responsabilidades interpretativas, nunca deixa o leitor à deriva ou no território das especulações. É uma viagem cronológica onde os assuntos da Marinha colonial têm peso preponderante.

A Guiné Portuguesa passou a ser uma província autónoma diretamente dependente do Ministro da Marinha e Ultramar por lei de 18 de Março de 1879. O governo de Lisboa abriu os cordões à bolsa para a instalação da nova administração, que ficou com a capital em Bolama, e transferiu de S. Tiago para a Guiné o Batalhão de Caçadores n.º 1 da África Ocidental e anunciou-se a pretensão de adquirir alguns barcos a vapor, devidamente artilhados. O autor refere-se ao modo como se exerceu a administração colonial entre 1880 e 1910, aborda a legislação promulgada, os órgãos de governo e da administração, não esquece a justiça, os negócios eclesiásticos, a fazenda e alfândega. A questão de Bolama fora definitivamente superada, mas os litígios com as colónias francesas, a começar pelo Senegal, acentuaram-se, o Casamansa era cobiçado, o presídio de Ziguinchor na margem esquerda do rio Casamansa era o ponto mais desejado pelas autoridades francesas. Com a convenção luso-francesa de 12 de Maio de 1886 perdeu-se Ziguinchor e Casamansa e irão continuar as tensões para a definição das fronteiras na região de Cacine. E escreve:  
“As circunscrições administrativas da Guiné eram os presídios (aos quais ficavam adstritos os cadastrados do reino ali deportados, mas em liberdade), mas também existiam já câmaras municipais nas povoações onde se concentravam os europeus e comerciantes. Por estes anos 80, identificámos presídios em Ziguinchor, Farim e Geba, e munícipios em Bolama, Bissau, Cacheu, Buba e Bolola”.
A chegada de um governador era sempre um evento, saudada com salva de 21 tiros pela bateria de artilharia, guarda de honra pelo Batalhão de Caçadores, cortejo do cais até à igreja e celebração de um solene Té Deum, seguia-se a posse do cargo no Palácio perante as testemunhas, discursos, muitos cumprimentos e saudação final da janela ao povo presente, às vezes com foguetório. O autor recorda que a presença da igreja católica na Guiné era mínima ainda no século XIX, quer em termos de missionação, quer como administração eclesiástica do Estado. Num ofício datado de 31 de Dezembro de 1880 dirigido ao seu bispo, o Vigário-geral, Marcelino Marques de Barros, traça um cenário desértico da presença católica na província, sem qualquer esforço missionário e apenas assente nas paróquias urbanas de ocupação europeia, mas cheio de belas ideias e projetos de conversão de “todas estas raças altivas e sanguinárias”. Escusado é dizer que a Alfândega era uma das mais importantes instituições públicas da província, sempre interessada em taxar o que estivesse ao seu alcance. A partir de 1902, o governo de Lisboa atribuiu novas competências ao Banco Nacional Ultramarino, concedendo-lhe poderes alargados como banco emissor. João Freire procede a uma síntese das atividades dos sucessivos governadores, passando de imediato à análise das condições da população e à transição económica pós-escravatura, a economia guineense sofrera uma alteração de tomo, há muito que tinha ficado para trás a riqueza amealhada com o tráfico de escravos, estava agora a prosperar a economia das oleaginosas.

Estamos chegados à colónia republicana da Guiné, houve mudança de cadeiras, chegam novos militares, muda o secretário-geral, mais algum pessoal, em Lisboa dá-se a separação ministerial entre a Marinha e as Colónias, por exemplo um telegrama de Lisboa em Setembro de 1911 informa a Província da Guiné que o Dr. Celestino de Almeida é o primeiro titular do ministério das colónias. A I Guerra Mundial não chegou à Guiné, a despeito das restrições no aprovisionamento. Aos poucos, chegam os sinais da modernização, caso do telefone por fios e da telegrafia sem fios. Facto inédito ocorre em Novembro de 1920, uma parte do funcionalismo da colónia entrou em greve. A Guiné teve no final da primeira república um governador que passará à História, Jorge Velez Caroço, a administração ganha dinamismo, abrem-se estradas, as principais serão mesmo macadamizadas (compactação com areia e brita), constroem-se pontes e pontões, a força militar da Guiné foi reorganizada. Havia títulos completamente vazios, caso do quartel-general das forças navais de uma marinha que não disponha de um único navio de guerra em permanência. Velez Caroço encontrará uma contestação cerrada por parte do setor exportador, mas contará sempre com a confiança política em Lisboa. No anuário da Guiné de 1925 é mencionado que existem na colónia 12 estações telegráficas e 3 telefónicas.

No período da Ditadura Nacional, a ação governativa ficou reduzida ao mínimo. João Freire debruça-se sobre a cobrança do imposto de palhota e as contradições que a mesma suscitaram, passando depois para a evolução da economia, em que a expressão principal assenta no desenvolvimento agrícola.

Estamos agora chegados à análise da Marinha na ocupação efetiva, o autor disserta sobre a geografia, bacias hidrográficas e condições de navegação, o modo de funcionamento dos serviços da Marinha até à queda da monarquia e no período posterior, chama à atenção para a importância dos levantamentos hidrográficos, ilustra profusamente o seu trabalho mostrando-nos patachos, lanchas, caíques, chalupas, lugres, lugres-escunas, brigues, iates, galeras, lanchas canhoneiras e muito mais; dá-nos um quadro acabado sobre o funcionamento dos serviços da Marinha colonial na primeira república e no Estado Novo e naturalmente que superlativa a missão geoidrográfica da Guiné.

A investigação é enriquecida com vários apêndices: a Marinha nos arquipélagos de Cabo Verde e S. Tomé; a caça aos navios negreiros em Angola.
Chegamos agora à parte final do trabalho orientada para a política do Estado Novo (1930-1960).

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 19 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17487: Notas de leitura (970): “A Colonização Portuguesa da Guiné 1880-1960”, por João Freire, 2016, edição da Comissão Cultural da Marinha (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P17504: (In)citações (108): Incêndios florestais - Catástrofe nacional anual, até quando? (Coutinho e Lima, Coronel Art Ref)

(Imagem editada)
 

1. Em mensagem do dia 22 de Junho de 2017, o nosso camarada Alexandre Coutinho e Lima, Coronel de Art.ª Reformado (ex-Cap Art.ª, CMDT da CART 494, Gadamael, 1963/65; Adjunto da Repartição de Operações do COM-CHEFE das FA da Guiné entre 1968 e 1970 e ex-Major Art.ª, CMDT do COP 5, Guileje, 1972/73), enviou-nos este texto onde exprime a sua opinião sobre o tema Incêndios Florestais, muito falado, infelizmente, nos últimos dias em Portugal.




INCÊNDIOS FLORESTAIS – CATÁSTROFE NACIONAL ANUAL
ATÉ QUANDO?

1. ANÁLISE DA SITUAÇÃO

1.1- INTRODUÇÃO

O objectivo do texto que se segue resulta da recolha de alguns elementos sobre os Incêndios Florestais (IF) e a constatação do que vem acontecendo, há décadas, neste domínio, perante a INCOMPETÊNCIA manifestada de todos os Governos, para tentar minimizar as consequências nefastas dos IF, a mais grave das quais é a perda de vidas humanas, como se tem verificado em diversos anos.
Perante o que se tem visto, não posso calar a minha profunda INDIGNAÇÃO. Com este documento pretendo dar a minha contribuição para que este assunto possa ser estudado em profundidade (isto não significa que não existam já muitos estudos, mas que não têm sido convenientemente explorados e implementados), e seguidamente sejam adoptadas as medidas adequadas, a CURTO/MÉDIO PRAZO.

1.2 - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS IF

1.2.1 – OS IF E OS GOVERNOS ANTERIORES AO ACTUAL

OS IF são uma realidade, praticamente em todos os Países com áreas florestais significativas. Em Portugal este fenómeno tem atingido, nas últimas décadas, tais proporções que pode considerar-se uma verdadeira CATÁSTROFE NACIONAL ANUAL.
E o que têm feito os sucessivos Governos? Não quero ser injusto, mas não posso deixar de afirmar, convictamente, que as soluções adoptadas, aliás pouco divulgadas, se têm mostrado grandemente ineficazes. Deflagrados os incêndios, os Governos accionam o dispositivo de combate aos mesmos, pois que, se assim não acontecesse, seria totalmente inaceitável.
A actuação dos Governos anteriores, porque se trata do PASSADO, apena interessa para que sejam corrigidos os erros cometidos,  porque a governação não pode voltar para trás.

1.2.2. -  OS IF E O ACTUAL GOVERNO
Lendo o Programa do actual Governo ( que tomou posse em 26 de Novembro de 2015), disponível na internet com 138 páginas, as referências relacionadas com este assunto são:
    
“IV – PROMOVER A COMPETITIVIDADE DA FLORESTA NACIONAL
          ................
11. PROMOVER O VALOR DA FLORESTA NACIONAL
          .................. 
11.2 – INVESTIMENTO FLORESTAL MAIS SEGURO  (pág. 59) 
. Intensificar os esforços ao nível da defesa da floresta contra incêndios, nomeadamente ao nível da sensibilidade, criação do programa nacional de fogo controlado e a execução das redes primárias e de faixas de gestão de combustível na defesa da floresta contra incêndios, concluindo até 2019 as localizadas em áreas públicas ou sob gestão do INCF;
          .................
11.3 – REFORÇAR A INVESTIGAÇÃO E INFORMAÇÃO PARA O SECTOR E PARA O PÚBLICO EM GERAL (pág. 60)
         ..................
. Divulgar, junto da população escolar e das comunidades, a importância da  floresta, da sua gestão e do consumo de produtos florestais, em particular dos certificados;
. Valorizar as acções de sensibilização para a prevenção dos fogos, com envolvimento alargado de agentes, seja através da administração, seja de programas como o Portugal pela Floresta ou a acção do Movimento Eco.”

Considero que o programa do Governo (transcrições acima), é paupérrimo.Com efeito, as medidas concretas definidas são:
. Intensificar os esforços ao nível da defesa da floresta contra incêndios
Se se pretende intensificar é porque os esforços já existem; sendo assim, convinha fazer a sua divulgação, porque não são do conhecimento geral.
. criação do programa nacional de fogo controlado
Fico à espera deste programa nacional, para ter conhecimento do que se trata; devo referir que, passado mais de  um ano e meio (em termos de IF), tal plano ainda não foi sequer anunciado.
. Execução das redes primárias e de faixas de gestão de combustível na defesa da floresta contra incêndios, concluindo até 2019 as localizadas em áreas públicas ou ob gestão do IINCF;
O Governo só se compromete concluir até 2019 (último ano da sua legislatura), as redes primárias e as faixas de gestão de combustível nas áreas públicas ou sob gestão do INCF, isto é, as menos numerosas que, por serem propriedade do Estado deveriam ser as primeiras, quanto mais não fosse por uma questão de bom exemplo;  e as outras quando serão executadas?  Será que ficarão para o próximo Governo?
O Senhor Primeiro Ministro, tendo mostrado muito pouca sensibilização para este problema, nomeadamente no seu programa de Governo, anunciou no passado mês de Agosto, no auge dos incêndios deste ano, a criação de uma Comissão Interministerial para tratar do assunto. Em vez de agir sob pressão dos acontecimentos, não teria sido mais adequado e oportuno ter criado tal Comissão, logo após a tomada de posse? Se assim tivesse acontecido, poderiam ter sido implementadas algumas medidas, que teriam, eventualmente, minimizado as consequências dos IF do  ano passado.

No jornal Diário de Notícias do passado dia 12 de Setembro, pode ler-se:
“ O primeiro ministro, António Costa, assumiu ontem uma “agenda intensa” para as próximas semanas  com dois Conselhos de Ministros extraordinários...e outro “dedicado exclusivamente” à política florestal. Segundo o primeiro ministro, o país não se pode “conformar a ver todos os anos a floresta a arder”.
Ao ler a última frase do Sr. PM, lembrei-me do ditado popular: “ Só se lembram de Santa Bárbara quando troveja”.
O que é extraordinário é o Senhor Primeiro Ministro só ter proferido a última afirmação, depois de ter visto “o país a arder”, este ano. Então os IF dos últimos anos não foram suficientes para o sensibilizar para o problema? Parece que não; mais uma vez, foi a reboque dos acontecimentos. Ficamos à espera do que sairá do Conselho de Ministros sobre a política florestal, em Outubro. Findo o mês, nenhuma notícia sobe este assunto. Continuamos à espera.
Sobre o Conselho de Ministros extraordinário “dedicado exclusivamente à política florestal”, anunciado pelo Sr. PM, em 12 SET p. p. , pode ler-se no jornal Diário de Notícias do dia 28 de Outubro passado, com o título “Banco de terras com propriedades abandonadas”:
“Florestas – Hoje é um dia histórico para a floresta portuguesa, disse o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, no final do Conselho de Ministros extraordinário, realizado na Lousã. Na reunião, dedicada ao sector floresta, foram aprovadas medidas legislativas para a floresta como a criação de um banco de terras que integrará as propriedades do Estado e os terrenos privados sem dono reconhecido. O ministro da Agricultura salientou que a reforma visa promover o seu reordenamento e prevenir os incêndios, limitando a plantação de eucaliptos e o avanço das espécies invasoras, como as mimosas. Na opinião de Capoulas Santos, o conjunto de propostas legislativas vai dar “início a uma reforma profunda” do sector florestal. A gestão do futuro banco de terras irá pertencer à Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural”.
Gostaria de partilhar o optimismo do Sr. Ministro da Agricultura ao afirmar “Hoje é um dia histórico para a floresta portuguesa”. Para mim será um dia histórico quando começar a ser implementado, no terreno, um verdadeiro Programa Nacional  de Prevenção, Detecção e Combate dos Incêndios Florestais (PREDECIF). Porque as decisões deste Conselho de Ministros, nomeadamente no aspecto legislativo, vão demorar tempo a concretizar, bem poderia o Sr. Ministro determinar o início, desde já, das medidas concretas do PREDECIF nas propriedades do Estado, porque estas, não têm que estar à espera da criação do banco de terras. O Sr. Ministro sabe bem  que, iniciado o 2º. Ano do actual Governo, tem-se constatado muito pouca sensibilidade para este grave problema dos Incêndios Florestais.

1.3. – OS INCENDIÁRIOS E OS IF
Parece não haver qualquer dúvida que, grande parte dos IF são provocados por incendiários: alguns por motivo de doença, que deve ser tratada e muitos outros por outras razões, algumas de natureza criminosa. Sem pretender apontar qualquer crítica ao poder judicial quando tem que se pronunciar sobre casos de infracções, neste âmbito, (embora a opinião pública tenha dificuldade em compreender alguns factos difundidos na comunicação social, como por exemplo um Sr. Juiz, perante um incendiário, detido em flagrante delito, seja mandado em paz), sou de opinião que os Senhores Juízes podiam adoptar “soluções criativas”, como por exemplo aplicar sanções que implicassem, com maior frequência, a colocação de pulseiras electrónicas e condenar os comprovados delinquentes na prestação de trabalho comunitário; seria perfeitamente adequado serem empregues nos trabalhos de limpeza das matas e abertura de itinerários.
Pelo menos durante a “época dos incêndios”, anualmente definida pelo Governo, os incendiários que, certamente estão referenciados, deviam ser objecto de vigilância especial: colocação de pulseira electrónica (para aqueles que ainda não a tivessem) e obrigatoriedade de apresentação semanal à autoridade judicial da área da sua residência.

1.4 – PROGRAMA PRÓS E CONTRAS – RTP1
Este programa, transmitido no dia 12 de Setembro p.p., tratou deste problema dos IF. Foi pena que, por motivos compreensíveis, o referido programa tenha tido uma duração (50 minutos), muito inferior ao habitual. Estavam presentes, entre outros, o Sr D. João Almeida, Secretário de Estado do anterior Governo, o Sr. Eng.º e também Sapador Florestal Tiago Oliveira, o Sr. Secretário de Estado da Administração Interna, Sr. Dr. Jorge Gomes e o Sr. Presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Sr. Dr. Jaime Mata Soares. Este último resumiu a situação actual dos IF, da seguinte maneira: o diagnóstico está feito, as soluções apontadas e o tratamento que requer antibióticos de qualidade, tem sido feito com aspirinas fracas. Referiu também que o actual Sr. Ministro da Agricultura, está ciente do problema, há muitos anos.
O Sr. Eng.º Tiago de Oliveira, especialista da matéria, afirmou que tem alertado e apresentado o problema, a várias entidades; o poder político tem reagido “atirando” legislação sobre os IF.
O Sr. Dr. João Almeida referiu que a Autoridade Tributária, conhecedora dos proprietários de áreas florestais, através do IMI, podia fornecer esses elementos à GNR, entidade com a missão de intimar os proprietários parra a necessidade de limpar as suas matas, mas esta interligação entre as duas en- tidades nem sempre é fácil. 
O Sr. Secretário de Estado da Administração Interna actual, referiu que em Outubro, a Comissão Interministerial apresentaria ao País, medidas concretas sobre os IF.. Disse ainda que este assunto nos obriga a todos, como cidadãos e não como políticos. Só lhe ficam bem estas palavras,  que se espera tenham como consequência a apresentação das referidas medidas concretas; se assim não for, tudo não passará de palavreado, sem qualquer sentido.
Todos foram unânimes em afirmar que todos os Governos têm feito muito pouco. Ninguém apontou a razão de tal procedimento.

1.5 – A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA E OS IF
A Assembleia da República (AR) tem tomado, ao longo dos anos, diversas iniciativas sobre os IF: legislação, criação de grupos de trabalho e comissões eventuais ou de acompanhamento, resoluções ou propostas de resolução, além da discussão de propostas apresentadas pelos deputados ou grupos parlamentares. Muitas vezes, no final dos trabalhos, são formuladas recomendações, enviadas ao Governo. Este nem sempre tem dado a essas recomendações, a atenção que lhes era devida. A este propósito, o artigo do GOOGLE  Expresso/Relatório sobre fogos ignorado”, de 13 de Agosto de 2016, é elucidativo. Transcrevem-se alguns extractos deste texto:
“ A aposta na prevenção parece ser unânime entre aqueles que lidam de perto com a realidade no terreno e também do Parlamento, como se conclui a partir do último relatório da Assembleia da República sobre incêndios florestais. O socialista Miguel Freitas, relator do documento diz que “ basta olhar para as primeiras quatro recomendações” para perceber esta realidade. Aprovado por unanimidade em 2014 aponta, por exemplo, para a necessidade de concentrar numa única entidade a prevenção e o combate.
...............
O negócio florestal tem um retorno de capital muito longo  e esta actividade só é viável se houver incentivos fiscais.
.............
“Se não se insiste na produção florestal e os resultados da prevenção são de médio e longo prazo (não imediatos), então o que tem acontecido é um investimento no combate. Erradamente.”
............
Miguel Freitas deixa um alerta para que o Governo olhe de novo para o relatório da Assembleia da República para “ rectificar os erros que estão a ser constantemente cometidos e pôr fim a este ciclo vicioso da floresta portuguesa”.
Jaime Marta Soares, Presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, concorda com a ideia de se delinear uma nova estratégia a nível nacional,....mas lamenta que o lado da prevenção seja sempre ” à moda do caracol: devagar, devagarinho parado e de marcha atrás.”
..........
Miguel Freitas diz que é num momento como este que se pode redefinir a forma como a prevenção deve ser feita....
............
O ex deputado não acredita no modelo que está a ser seguido e coloca o desafio de se apostar na intermunicipalidade como acontece na associação intermunicipal Terras do Infante( que junta Aljezur, Lagos e Vila do Bispo), onde “não arde um hectare há 10 anos.”

As transcrições apresentadas merecem-me o seguinte comentário:
A necessidade de concentrar numa única entidade a prevenção e o combate” ,
é justificada pelo facto de a prevenção ser da responsabilidade do Ministério da Agricultura e o combate do Ministério da Administração Interna.
Se os Governos (o anterior e o actual), tivessem seguido a recomendação da AR, já poderiam ter alterado a situação, criando ou um Ministério para tratar da  Prevenção, Detecção e Combate dos Incêndios Florestais” que, sem qualquer dúvida, teria muito que fazer, ou, no mínimo, incluir no Governo, um Secretário de Estado, na dependência directa do Ministro Adjunto da Presidência do Conselho de Ministros.
O facto de nenhum dos dois Governos ter acatado esta recomendação da AR é tanto mais de estranhar quanto a mesma foi aprovado por unanimidade
1.6 – PREVENÇÃO, DETECÇÂO E COMBATE DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS
1.6.1 - PREVENÇÃO DOS IF

Não obstante haver muita legislação sobre esta matéria, é voz corrente que a prevenção dos IF se encontra numa fase muito incipiente. É imperioso incrementar medidas que passem por:
. limpeza da floresta a nível nacional; é incompreensível e inaceitável que o Estado, possuindo uma pequena percentagem (2/3%) da área florestal, não proceda à limpeza do que lhe pertence;
.abertura generalizada de itinerários que permitam o acesso às equipas de combate aos incêndios;
.implantação de uma rede de bocas de incêndios de 5 em 5 quilómetros;
. criação generalizada de redes primárias e de faixas de gestão de combustível (incluída no programa do actual Governo);
. outras medidas consideradas adequadas.

Para executar as diversas medidas preventivas, são necessários meios materiais e humanos; para estes, há uma fonte praticamente inesgotável, que é o elevado número de desempregados. A prevenção, se for levada a efeito a nível nacional, como deve ser, criará muitos milhares de postos de trabalho, diminuindo o desemprego e o respectivo subsídio e contribuindo, em consequência, para a melhoria da economia, que tão necessária é.
Os resíduos florestais, resultantes da limpeza da floresta, em vez de serem pasto das chamas de centenas de incêndios, que se vêm verificando, seriam um óptimo combustível para a indústria de biomassa. Que bom seria vermos as nossas estradas, em todo o País, serem percorridas por camiões carregados de resíduos florestais, a caminho das respectivas fábricas que, provavelmente, seriam insuficientes, obrigando à construção de novas infra-estruturas.
Os meios financeiros necessários à implantação das medidas preventivas constituem um investimento (e não uma despesa), que seriam compensados pela diminuição das verbas gastas no combate. Parece-me que, com um plano devidamente estruturado e com a indicação de objectivos concretos a atingir, não seria difícil obter fundos comunitários, para este efeito.
A execução da prevenção deveria ser descentralizada ao nível dos municípios e das freguesias, pois estas são as entidades que melhor conhecem a sua área florestal e, por isso, estão em melhores condições para rentabilizar os meios investidos.

1.6.2 – DETEÇÃO DOS IF

Se a prevenção é “muito falada”, mas “pouco executada”, a detecção ainda está numa fase mais atrasada, porque é “muito pouco falada”. Parece consensual que, uma detecção precoce, seguida da implementação de meios rápidos de primeira intervenção, contribuiria não só para diminuir a intensidade e propagação dos IF como, em consequência directa, para uma significativa redução das áreas ardidas.
Num documento disponível no GOOGLE, sobre o Plano Nacional – Defesa da Floresta contra incêndios,  pode ler-se:
As formas de vigilância podem organizar-se do seguinte modo:

  .Vigilância terrestre
      . fixa
      . tradicional (rede nacional de postos de viga)
      . por sensores
      . manual
      . automática
      . móvel

  .Vigilância aérea
      . aeronaves
      . vigilância armada
      . vigilância por aeronaves
      . satélite

.Vigilância passiva
      . populares
      . detecção acidental por aeronaves comerciais

A Rede Nacional de Postos de Vigia (RNPV) era constituída por 237 postos de vigia (PV), sendo a grande maioria pertencente à DGRF (Direcção Geral de Recursos Florestais) e 18 a Centros de Prevenção e Detenção (CPD); para 2005 esperava-se a criação de mais 15 postos. A maior parte dos 237 PV estavam    
implantados no Norte e Centro do País.
Verificaram-se várias deficiências relativamente aos recursos humanos utilizados nos PV, nomeadamente na qualificação do pessoal e de formação, bem como grande burocracia na sua contratação.
Verificaram-se também dificuldades nas radiocomunicações (essenciais para informar as detecções), em alguns casos inexistentes. Foram registados baixos níveis de detecção: 28% em 1999; na região do Ribatejo e Oeste, em 2013 esse registo foi de 8%.
A detecção durante a noite é significativamente baixa; em contrapartida, segundo os dados difundidos pela comunicação social, é no período nocturno que se registam muitas ignições, com muita probabilidade de grande incidência de carácter criminoso.

A vigilância terrestre móvel pode ser feita por:
   . sapadores florestais
   . guardas florestais
   . GNR
   . Rede Nacional de Postos de Vigia
   . brigadas militares
   . brigadas autárquicas de voluntários
   . outras
É apontado um caso de sucesso, em que a articulação das diversas entidades envolvidas na detecção resultou: aconteceu no Distrito de Coimbra. No ano de 2004, um Batalhão de Tropas Especiais (do Centro d Instrução de Tropas Especiais – Lamego), efectuou acções de vigilância, em conjunto com exercícios militares. Verificou-se uma forte articulação entre os grupos de vigilância e primeiras intervenções. Os resultados foram positivos. O distrito de Coimbra, com uma área ardida média da ordem dos 7.000 hectares, nesse ano de 2004 registou uma área ardida de 466 hectares; o número de ignições decresceu de uma média de 661 (1999 a 2001), para 820 em 2000 e 348 em 2004.

A Agência Lusa, em 7 de Outubro de 2014, informou o que se passou no sistema de detecção de incêndios no Parque Nacional Peneda Gerês (PNPG).
O sistema “ Forest Fine Finder” (FFF), foi adquirido pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) à empresa portuguesa “NGNS Ingenuous Solutions”, através de um contrato por ajuste directo, de um montante de um milhão de euros, para a detecção de incêndios no PNPG.
O FFF, montado em Julho de 2013, é constituído por 14 câmaras com sensores ópticos, distribuídos pela área do parque, emitiu entre JUL/AGO de 2013, 1.323 falsos alarmes e 228 alarmes verdadeiros, ou seja apenas 1,72% de alarmes a que corresponderam incêndios florestais!!!
A empresa NGNS disse que o número de alarmes falsos “esteve sempre dentro dos limites operacionais   previstos no contrato e que se devem a causas externas. A natureza é muito complicada e tem sempre factores não esperados. Neste caso estamos a detectar fumo orgânico, que existe em chaminés de fábrica, chaminés de casas ou nas nuvens quando passam por outros incêndios. Todos estes dados necessitam de tempo para ser analisados e de condições, ou seja, a existência de incêndios, para podermos aferir a sensibilidade dos incêndios”, explicou à Lusa um dos sócios da NGNS.

Em 25 de Abril de 2013, o semanário Sol, publicou um artigo com o título “ Sensores ópticos vão detectar incêndios no Gerês”.

O sistema a instalar, explicou à Lusa em 2012, fonte da ANPC, consegue distinguir o fumo dos incêndios “ de outras fontes”, como por exemplo o proveniente de indústrias, decidindo “de forma completamente autónoma, até uma distância de 15 quilómetros, se há motivo para enviar um alerta de incêndio”.

A minha constatação é que há uma evidente discrepância entre a fonte da ANPC (recorda-se que foi esta entidade que fez o ajuste directo do sistema a instalar) e o sócio da empresa NGNS, o que é INACEITÁVEL. Salienta-se a afirmação deste último que era necessária a “existência de incêndios, para poderem aferir a sensibilidade dos incêndios”, podendo concluir-se que o sistema montado não era fiável e a NGNS aproveitou, os avultadíssimos meios financeiros  do erário público, para aperfeiçoar a sua tecnologia, o que é INCONCEBÍVEL. Mas, se tudo se passou como fica relatado, parece-me INCOMPREENSÍVEL, como a ANPC aceita um contrato de um milhão de euros, com uma diminuta percentagem de sucesso na detecção de incêndios no PNPG, onde no ano de 2016, não obstante estar instalado o FFF, se terem verificado incêndios muito importantes.
Deve referir-se que a instalação do sistema de detecção de incêndios, com um considerável investimento público, deveria ser precedida ou, no mínimo, coincidir no tempo, com a adopção das medidas de prevenção adequadas, nomeadamente a limpeza da área florestal do PNPG, o que não foi feito.

O que é certo é que, igualmente segundo a Agência Lusa , a NGNS já recebeu 60% do contrato, faltando receber340.000 euros (à data de 7 OUT 2014) da adjudicação do contrato, o qual é renovado anualmente.
Contactada pela Lusa, a ANPC informou, por escrito, que “a apreciação desse sistema de vigilância fará parte da avaliação final do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais- DECIF 2014”, escusando-se a dizer quantos alarmes é que o FFF produziu, desde a sua instalação. A avaliação final do DECIF 2014 está prevista para depois de Outubro. Seria interessante ter conhecimento desta avaliação.

A Lusa referiu ainda que a NGNS fez a   proposta à ANPC e ao Ministério da Administração Interna (MAI) para a instalação do sistema, tendo o Tribunal de Contas autorizado o contrato por ajusta directo.
“O lançamento do procedimento por ajuste directo teve como fundamento a protecção de um direito exclusivo de que a empresa NGNS é detentora, esclarece o MAI, indicando que o mesmo foi feito com base na alínea e) do nº. 1 do artigo 24º. do Código dos Contratos Públicos”.
A alínea em causa refere que, “por motivos técnicos, artísticos ou relacionados com a prestação objecto do contrato só possa ser confiado a uma entidade determinada”.

Face ao que fica escrito, parece-me lógico tirar a seguinte conclusão:
   . foi tudo legal, com todas as garantias dadas à NGNS;
   . já “ardeu” um milhão de euros;
   . com um “eficiente ?” sistema de detecção de incêndios instalado, o Parque Natural da Peneda Gerês    
     continua a arder, como se verificou no ano passado e já neste ano, e continuará nos próximos, desde que não sejam implementadas (ontem já era tarde), as medidas preventivas adequadas.
        
1.6.3 – COMBATE DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS

O combate dos IF, em virtude do brutal volume de incêndios que, ao longo de décadas se tem verificado, penso ser a área em que os diversos executantes têm adquirido maior experiência. Sem me alongar mais sobre este assunto, quero referir um aspecto que considero importante: a utilização dos meios aéreos.
No Semanário SOL, publicado no dia 27 de Agosto de 2016 e num artigo de opinião, da autoria de Francisco Guerreiro, pode ler-se:

Em Portugal existe “uma indústria de incêndios” que tem no negócio dos helicópteros um grande sorvedouro de dinheiro do Estado: 348 milhões de euros foi o montante deslocado nos últimos 10 anos para assegurar esta prática, 17 vezes mais do que se investe na prevenção de incêndios”.

Há algum tempo, foi noticiado que o Sr. Director da ANPC (Autoridade Nacional da Protecção Civil) apresentou a sua demissão, na sequência de notícias publicadas sobre um inquérito (que, tanto quanto se sabe, ainda não foi concluído), sobre a utilização de aviões no combate dos IF.

O emprego dos meios aéreos é um importantíssimo complemento do combate levado a efeito no terreno; no entanto tem sido objecto de muita controvérsia e pouca transparência. Esta situação não pode continuar.

Por que é que os Meios Aéreos que o Estado possui para este efeito (6 meios pesados e 3 ligeiros), não são entregues à Força Aérea Portuguesa (FAP), após adequado protocolo entre os Ministérios da Defesa e da Administração Interna. Parece-me que a FAP com a sua estrutura, especialmente de manutenção, e depois da preparação conveniente e da atribuição dos meios necessários, poderia fazer uma gestão dos meios aéreos de combate dos fogos florestais, com maior eficácia e, seguramente, com um dispêndio muito inferior de meios financeiros, em comparação com a atribuição dessa tarefa a empresas privadas. Quando houvesse necessidade de reforço dos meios aéreos, estes seriam entregues também  à FAP.

1.7 -   CASOS DE SUCESSO

Felizmente, também há boas notícias, relativamente aos IF.

Conforme se pode ver no número 1.5, na “associação intermunicipal Terras do Infante (que junta Aljezur, Lagos e Vila do Bispo), não arde um hectare há 10 anos”.

Li algures na comunicação social que, no Concelho de Mação e em algumas freguesias do Concelho de Águeda, estão em curso actuações positivas.

Naturalmente que haverá outras zonas onde se verificam casos de sucesso. É pena que todos estes não tenham tido a conveniente divulgação, não só para serem do conhecimento geral, como poderiam servir de incentivo para que as respectivas técnicas fossem aplicadas noutras áreas.

1.8 – O QUE FAZER?

No artigo de opinião, já referido, publicado no semanário SOL, no dia 27 de Agosto do corrente ano, com o título “Fogos: cooperar para prevenir”, o Autor, Sr. Francisco Guerreiro, escreveu:

Há que encontrar um compromisso colectivo, político e cívico, de longo prazo. É necessário incentivar a cooperação, é preciso ouvir os peritos, os políticos, os proprietários, envolver a sociedade civil numa estratégia de proximidade que valorize efectivamente o contributo de cada um e de todas as posições. Mais do que inflamar posições de acusação e de atribuição de culpas que só reforçam as políticas da desinformação, é necessário reunir recursos e competências para criar estratégias que resultem na efectiva extinção destes eventos dramáticos.
Todos estamos de acordo quanto à urgência de encetar uma abordagem diferente, com uma forte aposta na prevenção que passa pela alteração de hábitos. Bem sabemos que demora tempo, porém é a prazo que se alteram consciências e se encontram novas formas de trabalhar.”

Concordando inteiramente com a transcrição anterior e tendo em conta o que consta nos números anteriores, formulo a seguinte proposta.


2. PROPOSTA CONDUCENTE A TENTAR RESOLVER O PROBLEMA DOS INCÊNDIOS FLOTRESTAIS

Considerando que:
- Todos os Governos (incluindo o actual), têm sido incapazes de adoptar medidas com o objectivo de diminuir, de forma significativa, o número de IF, ao longo de décadas.
. Que a Assembleia da República (todas, incluindo a actual), não têm conseguido que os diversos Governos tenham adoptado as suas várias iniciativas sobre este assunto.
. Que os Tribunais, outro Órgão de Soberania, embora sejam chamados a interferir neste assunto, nomeadamente no julgamento de actos com indícios de índole criminal,  não têm, nesta assunto,  mais competências do que isso

Resta o Órgão de Soberania – Presidente da República, que em minha opinião, pode dar o seu contributo importantíssimo, relativamente aos IF.
Nestas condições, proponho:

2.1 – Que o Sr. Presidente da República, se assim o entender, tenha uma iniciativa presidencial, que consiste no convite a uma personalidade, para presidir a um GRUPO DE TRABALHO (GT), que estude o assunto em toda a profundidade. Este grupo de trabalho, seria o mais alargado possível, incluindo representantes: dos peritos na matéria, dos políticos (partidos e Assembleia da República), dos proprietários,  das organizações florestais e departamentos governamentais apropriados, bem como ainda da sociedade civil e outros que fossem considerados importantes, isto é, seria tão abrangente quanto possível.

A MISSÃO deste GT seria a apresentação do PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO, DETECÇÃO E COMBATE DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS (PREDECIF), PARA OS PRÓXIMOS 20 ANOS.

Para isso disporia do tempo considerado necessário e levaria a efeito as medidas que achasse convenientes. A título de exemplo, aponto o estudo da situação do histórico dos IF ( com a apresentação das estatísticas existentes), casos de sucesso, quer a nível nacional, quer internacional, campanha de sensibilização para o assunto, em todos os órgãos de comunicação social, entrevistas, participação em programas existentes (  Prós  e Contras e outros), apelar à participação da população, com as suas sugestões (não esquecendo a maneira prática desta colaboração) e outas iniciativas conducentes que possam dar o seu contributo para o cumprimento da MISSÃO. Para terminar, apresentaria o PREDECIF, com as medidas consideradas adequadas.

O PLANO NACIONAL seria, em termos de execução, escalonado no tempo (4/5 anos, coincidindo com a duração do Governo), com metas concretas a atingir no final de cada período.

2.2 – O GT terminaria a sua função, com a apresentação formal do PLANO NACIONAL na AR e seria então dissolvido. Dele sairia uma Comissão de Acompanhamento do PREDECIT, com carácter permanente, com a MISSÃO de monitorizar a execução do Plano.

2.3 – Dado o carácter abrangente do GT e a metodologia seguida, com ampla participação e debate, o PREDECIT será, certamente, aprovado pela AR, com a eventual introdução de  alguns melhoramentos, sem todavia descaracterizar o documento, como um todo.

A AR, na sua competência legislativa, tomaria as diligências necessárias para que o PREDECIF passasse a ser um diploma legal.

2.4 – O Governo em funções, com base nesse instrumento legal, apresentaria o seu Plano, para execução até ao final do ano em curso. Esse Plano serviria de base para os Planos Municipais.

2.5 – Em SET/OUT, todos os anos, o Governo apresentaria, na AR, o seu Plano , bem como os Planos Municipais, para o ano seguinte.
No mês de MARÇO, de cada ano, elaboraria e apresentaria na AR, o Relatório de execução, relativo ao ano findo.

2.6 -  A Comissão de Acompanhamento, independentemente das iniciativas que entendesse tomar, durante o ano, apresentaria, na AR, no mês de ABRI, o seu Relatório referente ao ano findo.

2.7 – Quando se verificasse alteração da composição da AR, resultante de eleições legislativas, haveria obrigatoriamente, uma actualização do PREDECIF, seguindo-se os procedimentos indicados atrás, no que respeita ao Governo e à Comissão de Acompanhamento.

2.8 – Quando terminar a execução do PREDECIF inicial (ao fim de 20 anos), seria elaborado novo PLANO de Médio/Longo prazo, até se atingir um estado considerado estável e controlado dos IF.

Para terminar, porque não podemos continuar a  assistir, impávidos e serenos, à delapidação de recursos e perda de vidas humanas, resultantes dos Incêndios Florestais, é imperioso passar das palavras aos actos e enfrentar, sem mais delongas, com determinação, firmeza, perseverança e vontade este FLAGELO NACIONAL que, esperamos seja atacado de forma global, por forma a diminuir, drasticamente, esta TRAGÉDIA a que temos assistido, ano após ano, há décadas.

Lisboa,  20 de  Junho de 2017

Alexandre da Costa Coutinho e Lima
(Coronel de Artilharia Reformado)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 30 de maio de 2017 > Guiné 61/74 - P17410: (In)citações (107): A petição "Os ex-combatentes solicitam ao Estado Português o reconhecimento cabal dos seus serviços e sacrifícios", foi admitida (Inácio Silva, ex-1.º Cabo Ap AP da CART 2732)